Ações estratégicas e visões dos atores do cluster de turismo da cidade de São Paulo

Autores

  • Edegar Luis Tomazzoni USP
  • Juliana Soares da Costa USP

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v9i1.513

Palavras-chave:

Turismo. Sazonalidade. Cooperação. Cluster. Cidade de São Paulo.

Resumo

O maior destino de turístico de negócios da América Latina define o tempo de permanência dos turistas, implicando a sazonalidade do turismo da cidade de São Paulo. O objetivo do artigo é analisar as visões dos gestores das organizações representativas (atores do cluster do turismo) sobre o aumento do fluxo e do tempo de permanência dos turistas na cidade de São Paulo. A pesquisa é de natureza descritiva e exploratória, e o método de campo consistiu de entrevistas com os gestores da São Paulo Turismo (SPTuris), do São Paulo Convention & Visitors Bureau (SPCVB), da Secretaria Municipal de Cultura e do Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil (FOHB) e de aplicação de questionário a gestores de 25 hotéis. Os resultados mostram que, apesar da grande concentração de empresas e de organizações, que constituem o cluster de turismo, poderia haver mais cooperação entre os atores para reduzir a sazonalidade e para aumentar o fluxo de turistas e a ocupação hoteleira da cidade de São Paulo, aos finais de semana, nos feriados e nos períodos de férias.

Biografia do Autor

Edegar Luis Tomazzoni, USP

Doutor em Ciências da Comunicação com Ênfase em Turismo pela Escola de Ciências e Comunicações (ECA) da Universidade de São Paulo (USP). Docente do Mestrado em Turismo, do Mestrado em Mudança Social e Participação Política, e do Curso de Graduação em Lazer e Turismo, na Escola de Artes Ciências e Humanidades (EACH), da Universidade de São Paulo (USP). E-mail: eltomazzoni@usp.br

Juliana Soares da Costa, USP

Bacharel em Lazer e Turismo pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH), da Universidade de São Paulo (USP)

Downloads

Publicado

2015-04-22

Edição

Seção

Artigos