Análises da governança turística com base nas visões de ex-ministros do turismo do Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v16.2426

Palavras-chave:

Gestão em turismo, Governança de turismo, Políticas de Turismo, Metagovernança, Desenvolvimento Sustentável

Resumo

Com as estruturas administrativas influenciadas pela crise da governabilidade, na década de 1970, e a ascensão do neoliberalismo (1980-1990), emergiram novas reflexões e debates no campo do turismo. A literatura indica que o conceito de governança, caracterizado por descentralização de poder, gestão democrática e participativa, passou a caracterizar a inovação nas possibilidades de desenvolvimento das destinações turísticas. Contudo, identificam-se lacunas e questionam-se ações dos atores envolvidos nos processos de estruturação das políticas públicas. Partindo de uma pers-pectiva macro para micro, que considera diferentes escalões em administração, o objetivo deste artigo é discutir a governança turística com base nas visões de ex-ministros do turismo do Brasil, no recorte temporal anterior e posterior à criação do Ministério do Turismo (MTur). Assim, fundamenta-se nos seguintes eixos teóricos: transição e continuidade, comunicação e gestão participativa de destinos turísticos. Os processos metodológicos compreendem entrevistas estruturadas, direciona-das a 13 ex-ministros e ao membro catedrático do Conselho Nacional do Turismo (CNT). A análise das evidências empíricas é subsidiada pela Análise de Conteúdo do tipo categórica, proposta por Bardin (2011). Os resultados mostram que a reavaliação do papel das instituições pode determinar o caminho para formas eficientes de desenvolvimento no domínio do turismo, embora se tenha cons-tatado que as transições de cargos entre ministros se deram de forma tranquila.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josefa Laize Soares Oliveira, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil.

Turismóloga, Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Turismo da Escola deArtes Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo -EACH/USP. Possui interesse de pesquisa nas subáreas de teorias e práticas do turismo. Contribuições para o trabalho: Concepção da pesquisa, revisão de literatura, coletados dados, análise dos dados, discussão dos resultados.

Juarez Velozo da Silva , Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil.

Turismólogo, Bacharel em Turismo pelo Centro Universitário Ibero-Americano (2011), Pós-graduado em Gestão de Pessoas pelo SENAC-SP (2016). Experiência profissional em liderança de central de reservas hoteleiras, coordenação de equipes de eventos, liderança de times comerciais. Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Turismo da Escola de Artes Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo - EACH/USP. Contribuições para o trabalho: Concepção da pesquisa, revisão de literatura, coleta.dos dados, discussão dos resultados.

Edegar Luís Tomazzoni , Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil.

Livre docente em Gestão Regional do Turismo pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo - EACH/USP. Contribuições para o trabalho: Revisão de literatura, análise dos dados, discussão dos resultados.

Alexandre Panosso Netto, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil.

Livre docente em Teorias do Turismo pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo -EACH/USP. Contribuições para o trabalho: Discussão dos resultados; Revisão de literatura.

Referências

Amore, Alberto, & Hall, C. M.(2016). From governance to meta-governance in tourism? Re-incorporating politics, interests and values in the analysis of tourism governance, Tourism Recreation Research, 41(2), p. 109-122. https://doi.org/10.1080/02508281.

Araújo, Maria Valéria Pereira de, Freitas, Holliver Breno Barbosa de, Gomes, Júlia da Silva & Brito, Maria Isabel Medeiros (2016). O turismo potiguar que chegou a perder 100 mil desembarques, Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 10(3), p. 594-614. http://doi.org/10.7784/rbtur.v10i3.954

Bardin, Laurence. (2011). Análise de conteúdo.Bevir, Mark (2012). Governance: a very short introduction. Oxford University Press.Brasil, Diário Oficial da República Federativa (1988). Emendas constitucionais [online]. Brasília, DF, 05 de outubro de 1988. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

Brasil, Diário Oficial da República Federativa (2008). Lei nº 11.771 de 17 de setembro de 2008 [online]. Poder Executivo, Brasília. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11771.htm.

Brasil, Ministério do Turismo (2018). Plano nacional de turismo: 2018-2022 [online]. Brasília, DF. http://www.turismo.gov.br/plano-nacional-do-turismo.html.Brasil,

Ministério do Turismo (2019). Programa de regionalização do turismo [online]. Brasília, DF. http://www.regi-onalizacao.turismo.gov.br/.

Bresser-Pereira, Luiz Carlos (2000). A reforma gerencial do estado de 1995, Revista de Administração Pública, 34 (4), p. 7-26. http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/6289

Buckley, Ralf, Gretzel, Ulrike, Scott, Daniel, Weaver, David&Becken, Susane (2014). Tourism megatrends, Tourism Recreation Research, 40(1), p. 50-70. http://doi.org/10.1080/02508281.2015.1005942. Conceição, C.C. (2020). Modelo analítico de governança regional de turismo-MAGRET. Revista Brasileira de Pes-quisa em Turismo, São Paulo,14(2), p. 123-138.http://ddoi.org/10.7784/rbtur.v14i2.1822.

Coutinho, Ana Catarina Alves (2015). Políticas públicas, desenvolvimento local e participação social nas instâncias de governança associadas ao turismo noRio Grande do Norte, Dissertação (Mestrado em Turismo) -Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Orientador: Francisco Fransualdo de Azevedo.http://arqui-vos.info.ufrn.br

Coutinho, Ana Catarina Alves & Nóbrega, Wilker Ricardo de Mendonça (2019). Governança em destinos turísticos: desafios na sociedade contemporânea.São Paulo: Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 13(3), p. 55-70. https://doi.org/10.7784/rbtur.v13i3.1543.

Chizzotti, Antonio (2006). Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. Vozes. Dencker, Ada de Freitas Maneti. (2007). Métodos e técnicas de pesquisa em turismo. Futura, ed. 4.

Dias, Reinaldo&Matos, Fernanda (2012). Políticas Públicas: princípios, propósitos eprocessos. Atlas.Fernandes, Laura Mary Marques (2015). A governança na política nacional de regionalização do turismo: estudo dos grupos gestores dos destinos indutores do Ceará, Turismo -Visão e Ação, 17(2). https://doi.org/10.14210/rtva.v17n2.p247-278

Gil, Antônio Carlos. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. Atlas, ed. 4.

Greenwood, Justin. (2003). Business interest groups in tourism governance, Tourism Management, 14(5), p. 335-348. https://doi.org/10.1016/0261-5177(93)90002-3.

Hall, Colin Michael&Jenkins, John (1995). Tourism and public policy. Routledge.Hall, Colin Michael (2011) Policy learning and policy failure in sustainable tourism governance: from first-and sec-ond-order to third-order change?.Journal of Sustainable Tourism, s.l, 19(4), 649–671.

Higham, James&Miller, Graham (2017). Transforming societies and transforming tourism: sustainable tourism in times of change. Journal of Sustainable Tourism, 26(1), p. 1-8. https://doi.org/10.1080/09669582.2018.1407519.

Hufty, Marc (2011). Governance: Exploring four approaches and their relevance to research, In: Research for Sus-tainable Development: Foundations, Experiences, and Perspectives, NCCR North-South / Geographica Bernensia, Wiesmann, U., Hurni, H., p.165-183.

Job, Hubert; Becken, Susanne&Lane, Bernard. (2017). Protected Areas in a neoliberal world and the role of tourism in supporting conservation and sustainable development: an assessment of strategic planning, zoning, im-pact monitoring, and tourism management at natural World Heritage Sites. Journal of Sustainable Tourism, 25(12), p. 1697-1718. https://doi.org/10.1080/09669582.2017.137743

Kooiman, Jan (2003). Governing as governance,ResearchGate, https://doi.org/10.4135/9781446215012.

Lourenço, Fábio&Moreira, José Manuel (2014). A lógica da governance-governação/governança -nas políticas públicas de turismo, Revista Gestão & Políticas Públicas, 4(1). https://doi.org/10.11606/issn.2237-1095.v4i1p22-44

Marconi, Marina de Andrade & Lakatos, Eva Maria (2003). Fundamentos de metodologia científica, Atlas.

Merinero-Rodríguez, Rafael&Pulido-Fernández, Juan Ignacio (2016). Analyzing relationships in tourism: a review, Tourism Management, 54(C).http://doi.org/122-135. 10.1016/j.tourman.2015.10.010

North, Douglass C. (1990). Institutions, institutional change, economic performance.University Press.Offe, Clauss. (2009). Governance: An “Empty Signifier”?, Journal Constellations, 16(4). https://doi.org/10.1111/j.1467-8675.2009.00570.x

Overvåg, Kjell, Skjeggedal, Terje&Sandström, Camilla (2015). Management of mountain areas in Norway and the persistence of local-national conflicts, Journal of Environmental Planning and Management, 59(7), p. 1186-1204. https://doi.org/10.1080/09640568.2015.1062747.

Pimentel, Mariana Pereira Chaves&Duarte, Thiago Pimentel(2019). Avaliação política da política de estado de Minas Gerais, Revista Acadêmica de Observatório e Inovação do Turismo, 8(1).

Porter, Michael E. (1990). Competitive Advantages of Nations.Palgrave Macmillan.

Rius-Ulldemolins, Joaquim & Gisbert, Verónica (2018). The costs of putting Valenciaon the map: the hidden side of regional entrepreneurialism, ‘creative city’ and strategic projects, European Planning Studies, 27(2), p. 377-395. http://doi.org/10.1080/09654313.2018.1547367

Ruschmann, Doris Van de Meene, Anjos, Francisco Antonio dos&Arnhold Junior, Marcos (2016). Governança em Destinos Turísticos –uma análise da aplicabilidade dos modelos propostos, Applied Tourism, 2(1), p. 128-148. https://doi.org/10.14210/at.v2n1.p128-148

Ruhanen, L.; Moyle, C.&Moyle, B. (2018), New directions in sustainable tourism research, Tourism Review, 74(2), p. 138-149. https://doi.org/10.1108/TR-12-2017-0196

Rhodes, R. A. W. (1996). The new governance: governing without government, Political Studies, https://doi.org/10.1111/j.1467-9248.1996.tb01747.x

Severino, A. J. (2013). Metodologia do trabalho científico. Cortez.Tomazzoni, E. L. (2009). Turismo e desenvolvimento regional. Caxias do Sul. Educs.

Trentin, F. (2017). Turismo e governança: abordagem teórica, Turismo: produção científica, conhecimento(s) e inteligência(s), Caxias do Sul: IX Semintur.

Velasco, M. (2016) Entre el poder y la racionalidad: gobierno del turismo, política turística, planificación turística y gestión pública del turismo,Pasos–Eletrônica, 14(3), ed. especial, p. 577-594. https://doi.org/10.25145/j.pasos.2016.14.038

Whitehead, M. (2003). In the shadow of hierarchy: meta‐governance, policy reform and urban regeneration in the West Midlands, Royal Geographic Society, 34(1), p. 06-14. https://doi.org/10.1111/1475-4762.00105

Zapata Campos, Maria José & Hall, C. Michael (2019). Transformative collaboration: knocking down taboos, chal-lenging normative associations. Journal of Policy Research in Tourism, Leisure and Events, 11(1), p. 61-83. https://doi.org/10.1080/19407963.

Downloads

Publicado

2022-03-18

Edição

Seção

Artigos - Gestão do Turismo