Subalternização de mulheres brasileiras em contextos de turismo

uma análise pós-colonial com base em Spivak

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v16.2357

Palavras-chave:

Spivak, Subalternização feminina, Turismo.

Resumo

O imaginário feminino de beleza e sexualidade ainda se faz presente dentro do setor de turismo. Todavia, ao colocar a mulher brasileira como centro deste imaginário, verifica-se que há um processo de silenciamento desse sujeito, impossibilitando-o de se autorrepresentar. Tal silenciamento é visto por autoras pós-coloniais, particularmente Gayatri Spivak, como uma dupla subalternização desse sujeito: pelo patriarcado e pelo colonialismo. O presente estudo buscou, então, analisar, por meio da teoria pós-colonial de Spivak, como mulheres brasileiras, em um contexto de turismo no Norte Global, são subalternizadas por estrangeiros. Para isso, foram realizadas 14 entrevistas em profundidade com mulheres brasileiras, que viajaram a turismo para tais países. A análise mostra três reações diferentes de estrangeiros frente às entrevistadas após descobrirem as suas nacionalidades, além de discutir como a subalternidade de tais mulheres ocorre por meio de representações irreais da figura feminina brasileira; das violências psicológica e física sofridas por elas enquanto no exterior; e da figura masculina brasileira como seu salvador contra os estrangeiros. Não há espaço, portanto, para as entrevistadas serem mulheres no sentido Eurocêntrico do que vem a ser uma mulher, pois sua nacionalidade as coloca em uma posição de inferioridade e objetificação.

Biografia do Autor

Yasmin D’Almeida Chedid, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Mestre em Administração de Empresas pelo IAG/PUC-Rio – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2020). Pós-Graduada em Comunicação e Design Digital pela Escola Superior de Comunicação e Marketing (ESPM-RJ) (2018). Graduada em Defesa e Gestão Estratégica Internacional pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) (2017). Analista de Produtos na empresa Icatu Seguros. Possui interesses de pesquisa em pós colonialismo, decolonialismo, feminismo, comportamento do consumidor e negócios internacionais.

Marcus Wilcox Hemais, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Doutorado em Administração de Empresas pelo Coppead/UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013). Mestre em Administração de Empresas pelo IAG/PUC-Rio – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2005). Graduado em Administração de Empresas pelo IAG/PUC-Rio (2001). Professor Adjunto de Marketing do IAG/PUC-Rio, com interesses de pesquisa em decolonialismo, pós-colonialismo, consumerismo e teorizações sobre a base da pirâmide, com artigos publicados em periódicos nacionais e internacionais.

Referências

Almeida, S. (2010) Prefácio – Apresentando Spivak. In G. Spivak (Ed.), Pode o subalterno falar? Editora UFMG.

Anzaldúa, G. (2004). Borderlands/La Frontera. In J. Rivkin & M. Ryan (Eds.), Literary Theory: an anthology (2.ed). Blackwell.

Aitchison, C. (2001). Theorizing other discourses of tourism, gender and culture: Can the subaltern speak (in tour-ism)? Tourist Studies, 2(1): 133-147. https://doi.org/10.1177/146879760100100202.

Bahri, D. (2013). Feminismo e/no pós-colonialismo. Revista Estudos Feministas, 21(2): 659 - 688. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2013000200018.

Bhabha, H. (1998). O local da cultura. Editora UFMG.

Bignami, R. (2005). A Imagem do Brasil no Turismo. (2.ed). Aleph.

Bispo, M. & Lovisolo, H. (2011). Os estereótipos dos brasileiros no guia de etiqueta da Olimpíada de Londres: uma análise da repercussão midiática. Organicom, 8(15). https://doi.org/10.11606/issn.2238-2593.organicom.2011.139108.

Colantuono, A. (2016). A segmentação da demanda turística no mercado brasileiro e as políticas de fomento ao setor. Turismo: Estudos & Práticas, 5(2).

Confederação Nacional de Transportes. (2015). Transporte e economia – transporte aéreo de passageiros. CNT.

Cunha, P. (2006). Imagem, alteridade e autonomia subalterna: Nota sobre a sobrevivência dos estereótipos nas representações estrangeiras do Brasil. Caligrama, 2(2). https://doi.org/10.11606/issn.1808-0820.cali.2006.56746.

Escobar, A. (2012). Encountering development – the making and unmaking of the Third World. Princeton University Press.

Gomes, M. (2009. La Construcción del Brasil como un Paraíso de Mulatas: del Imaginario Colonial al Marketing Turís-tico. Sociedad Hoy, 17, 75-87.

Grosfoguel, R. (2008). Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: Transmoderni-dade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, 80, 115-147. https://doi.org/10.4000/rccs.697.

Gummesson, E. (2005). Qualitative research in marketing - road-map for a wilderness of complexity and unpredicta-bility. European Journal of Marketing, 39(3/4), 309-327. https://doi.org/10.1108/03090560510581791.

Jardim, G. & Cavas, C. (2017). Pós-colonialismo e feminismo decolonial: caminhos para uma compreensão anti-essencialista do mundo. Ponto e Vírgula, 22, 73-91. https://doi.org/10.23925/1982-4807.2017i22p73-91.

Kajihara, K. (2010). A Imagem do Brasil no Exterior e o Turismo: Análise do material de divulgação oficial da EMBRA-TUR, desde 1966 até 2008. Revista Acadêmica - Observatório de Inovação do Turismo, 5(3). https://doi.org/10.12660/oit.v5n3.5777.

Kotler, P., Bowen, J., Makens, J., & Baloglu, S. (2016). Marketing for Hospitality and Tourism. (7.ed). Pearson.

Lopes, A. C. & Maleba, R. (2015). A imagem do Brasil como destino de turismo sexual na produção acadêmica de dissertações e teses. Caderno Virtual de Turismo, 15(2), 167 - 181.

Lugones, M. (2010). Toward a decolonial feminism. Hypatia, 25(4), 742 - 759. https://doi.org/10.1111/j.1527-2001.2010.01137.x.

Mendonça, C. (2011). Depois de conquistar turismo doméstico, classe C quer viajar para o exterior. Recuperado em: out. 13, 2020 de: https://www.infomoney.com.br/consumo/depois-de-conquistar-turismo-domestico-classe-c-quer-viajar-para-o-exterior/

Mignolo, W. (2009). Epistemic Disobedience, Independent Thought and Decolonial Freedom. Theory, Culture & Socie-ty, 26(7-8), 159-181. https://doi.org/10.1177/0263276409349275.

Mulet-forteza, C., Martorell-Cunill, O., Merigó, J., Genovart-Balaguer, J., & Mauleon-Mendez, E. (2018). Twenty-five years of the Journal of Travel & Tourism Marketing: a bibliometric ranking. Journal of Travel & Tourism Mar-keting, 35(9): 1201 – 1221. https://doi.org/10.1080/10548408.2018.1487368.

Neves, C. & Almeida, A. (2012). A identidade do “Outro” colonizado à luz das reflexões dos estudos Pós-Coloniais. Revista em Tempo de Histórias, 20, 123-135. https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i20.19862.

Neves, C. & Almeida, A. (2015). O papel da mulher intelectual na libertação da subalternidade de gênero. Revista em Tempo de Histórias, 25, 71-86. https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i25.14813.

Oliveira, P. (2016). Migração e Colonialidade: Pensando o imigrante brasileiro em Londres. Revista Eixo, 5(2).

Prysthon, A. (2003). Margens do mundo: a periferia nas teorias do contemporâneo. Revista da FAMECOS, 21(21), 43 - 50. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2003.21.3212.

Pereiro, X. (2009) Turismo Cultural. Uma versão antropológica. Colleción Pasos Edita, nº 2, ACA y PASOS, RTPC, 2009, 307p.

Regis, I. (2020). ESPECIAL: confira em números a evolução do Turismo nos últimos anos. Portal Brasileiro de Turis-mo. Recuperado em abril 30, 2021 de: https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/aviacao/especial-confira-em-numeros-a-evolucao-do-turismo-nos-ultimos-anos/

Ribeiro, G. (2002). Tropicalismo e Europeísmo. Modos de representar o Brasil e a Argentina. In A. Frigerio & G. Ribeiro (Eds.), Argentinos e Brasileiros. Encontros, Imagens e Estereótipos. Vozes.

Rosa, A., Medeiros, C., & Valadão, V., Jr. (2012). Sob as sombras do discurso colonial: subalternidade e configura-ções de gênero em uma lavanderia do interior de Minas Gerais. Caderno EBAPE.BR, 10(2). https://doi.org/10.1590/S1679-39512012000200009.

Rubin, H. & Rubin, I. (2005). Qualitative interviewing: the art of hearing data. Sage.

Said, E. (1978). Orientalism. Random House.

Santos, B. (2007). Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos Estudos CEBRAP, 79, 71-94. https://doi.org/10.1590/S0101-33002007000300004.

Santos, B. (2014). Epistemologies of the South: justice against epistemicide. Routledge.

Santos, B., Araújo S., Baumgarten, M. (2016). As Epistemologias do Sul num mundo fora do mapa. Sociologias, 18(43), 14-23. https://doi.org/10.1590/15174522-018004301.

Santos, T., Ladeira, R., Almeida, T., & Larocca, M.T. (2017). Marketing communication tools and cultural tourism in the Northeast of Brazil: the ‘forró pé de serra’ of Salvador/BA. Marketing and Tourism Review, 2(2), 1 - 26. https://doi.org/10.29149/mtr.v2i2.4557.

Schuster, M & Dias, V. (2019). A mensuração de personalidade turística e sua aplicação na prática dos agentes de marketing turístico institucional e social no Brasil. Turismo: Visão e Ação, 21(3), 352 - 372. https://doi.org/10.14210/rtva.v21n3.p352-372.

Silveira, L. & Baptista, M. M. (2019). A construção de significados e a representação do Outro no Turismo. Cadernos de Estudos Culturais, 2, 45-61.

Souza, J. & Brito, T. (2014). Marketing Turístico: um estudo sobre as práticas de publicidade existentes na comercia-lização de pacotes turísticos. Turismo & Sociedade, 7(2), 271 - 291. https://doi.org/10.5380/tes.v7i2.35179.

Spivak, G. (2010). Pode o subalterno falar? Editora UFMG.

Wainberg, J. (2003). Turismo e Comunicação: a indústria da diferença. Contexto.

Zerbielli, A. (2016). Ascensão social pelo consumo e projeção internacional do Brasil no governo Lula. Revista Con-traponto, 3(1).

Downloads

Publicado

2021-11-21

Edição

Seção

Artigos - Turismo e Sociedade