Rotas de bebidas e turismo cervejeiro

atratividade e caracterização das microcervejarias artesanais do Paraná -Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v16.2249

Palavras-chave:

Atratividade, Paraná, Cervejarias Artesanais, Rota de Bebidas, Turismo Cervejeiro

Resumo

A evolução mundial das cervejarias artesanais é notória, assim como a das rotas de bebidas e do segmento turismo cervejeiro, pois de acordo com Coelho-Costa (2015), a cerveja se caracteriza como um elemento indispensável para que um destino possa desenvolver atividades no turismo cervejeiro. No estado do Paraná, um dos maiores produtores do Brasil, levanta-se a problemática sobre a exis-tência de atratividade de seus empreendimentos para conformar circuitos turísticos. O presente es-tudo buscou evidenciar o potencial do turismo cervejeiro no Paraná, a partir da caracterização de suas microcervejarias artesanais, assim como a sua atratividade para a visitação e a conformação de rotas de bebidas. Como metodologia, desenvolveu-se uma pesquisa exploratória por meio de levantamento bibliográfico e documental sobre os temas. Também, realizou-se a identificação das rotas de bebidas do Brasil, a partir da análise do Mapa do Turismo Brasileiro, de páginas eletrônicas oficiais de divulgação e do site de comercialização Tripadvisor. Para a pesquisa de campo, utilizou-se um questionário estruturado para identificar, mapear e caracterizar os 65 pequenos produtores cervejeiros do estado paranaense em uma parceria com o Sebrae/PR e a Procerva –Associação das Microcervejarias do Paraná. Como resultado, identificou-se que os empreendimentos analisados possuem atratividade por sua inovação, produção, diversidade e qualidade, constituindo potencial favorável ao desenvolvimento de novos produtos, tais como rotas de bebidas e outrasatividades de visitação, aproveitando o amplo crescimento do turismo cervejeiro no Brasil, apontado pelo Ministé-rio de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA, 2020), que exibe um crescimento no número de estabelecimentos cervejeiros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Janete Probst Munhoz, Uniguairacá Centro Universitário, Guarapuava, PR, Brasil.

Doutora em Administração da Universidade Positivo (UP). Coordenadora e docente do curso de Administração do Centro Universitário UniGuairacá. Contribuições para o trabalho: Coordenação e supervisão de professores e alunos do Centro Universitário Uniguairacá na pesquisa de campo em cooperação com Procerva e o Sebrae/PR; Concepção da pesquisa de campo e análise de dados; Aplicação da pesquisa das Rotas de Bebidas no Brasil e Revisão das normas APA.

Dario Luiz Dias Paixão, Universidade Federal do Paraná (UFPR) / Instituto Municipal de Administração Pública (IMAP) / Universidade Positivo (UP), Curitiba, PR, Brasil.

Doutor em Gestão do Turismo Sustentável pela Universidadede Málaga. Professor de Turismo da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Diretorda Escola de Administração Pública (IMAP-Prefeitura de Curitiba). Professor de Turismo da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Coordenador de cursos de pós-graduação da Universidade Positivo (UP). Consultor dos cursos de gastronomia (SENAC-PR). Professor da Escola Nacional de Administração Pública (ENAP-Brasília-DF). Contribuições para o trabalho: Definição da metodologia de pesquisa das Rotas de Bebidas no Brasil; Revisão da literatura sobre Turismo Gastronômico e Rotas de Bebidas com pesquisa bibliográfica e documental e Revisão geral do texto.

Lia Maura Caldas, Uniguairacá Centro Universitário, Guarapuava, PR, Brasil.

Doutoranda em Administração da Universidade Positivo (UP). Docente do curso de Administração do Centro Universitário Uni-Guairacá.Contribuições para o trabalho: Delineamento dos instrumentos da pesquisa de campo sobre o perfil e caracterização das micro-cervejarias do Paraná; Acompanhamento dos pesquisadores na coleta de dados e Revisão da literatura sobre Atratividade e Microcervejarias com pesquisa bibliográfica e documental.

Angélica da Cunha Molteni, Universidade Positivo (UP), Curitiba, PR, Brasil.

Doutoranda em Administração da Universidade Positivo (UP). Coordenadora e docente das pós-graduações em Gastronomia e Eventos da Universidade Positivo (UP). Coordenadora do Programa Curitiba Mice(Air Promo).Contribuições para o trabalho: Análise de dados da pesquisa das Rotas de Bebidas no Brasil; Revisão da literatura sobre Turismo Cervejeiro com pesquisa bibliográfica e documental e Análise e emparelhamento dos resultados.

Referências

Albuquerque, P. & Costa, H. (2013). Cooperar ou Não, Eis a Questão: variáveis associadas à propensão a cooperar por parte de micro e pequenas empresas (MPE) do turismo. Revista Turismo em Análise, 24(1). https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v24i1p41-64A

lonso, A. D.(2011). Opportunities and Challenges in the Development of Micro-Brewing and Beer Tourism: a pre-liminary study from Alabama.Tourism Planning & Development, 8(4),p. 415-43. https://doi.org/10.1080/21568316.2011.598181.

Andrade, D. C. T.A (2014). Gastronomia como diferencial de hospitalidade e entretenimento: uma análise vir-tual.Revista Acadêmica Observatório de Inovação do Turismo,Rio de Janeiro,8(2),p.116-135. https://doi.org/10.12660/oit.v8n2.48219.

Acerva Brasil –Federação Brasileira das Associações de Cervejas Artesanais (2020). http://www.acervabra-sil.com.br.

Azevedo, M. & Neto, E. C. (2010). Turismo, Imagem Territorial e Gastronomia: o valor simbólico da culinária na atratividade de destinos turísticos brasileiros.Revista Acadêmica Observatório de Inovação do Turismo,5(2), p. 03-05. https://doi.org/10.12660/oit.v5n2.5768.

Bahl, M. (2004). Viagens e roteiros turísticos. Curitiba: Pro texto.Bahls, Á., Krause, R. & Farias, F.(2015). Planejamento Gastronômico em Destinos Turísticos: Uma Comparação entre o Panorama Nacional e o Estrangeiro.Revista Rosa dos Ventos,Caxias do Sul (RS),7(2),p.223-241.

Barbosa, F. S., Lacerda, D. P., Viegas, C. V. & Dos Santos, A. S. (2017). Rotas turísticas em regiões vinícolas: enotu-rismo na Campanha do Rio Grande do Sul–Brasil.Turismo-Visão e Ação, 19(1), p. 31-51.https://doi.org/10.14210/rtva.v19n1.p31-51.

Bertolo, M. &Romera, L. (2011). Cerveja e Publicidade: uma estreita relação entre lazer e consumo.Licere,Belo Horizonte,14(2).https://doi.org/10.35699/1981-3171.2011.771

Blanco, C. F. & Herrera, C. F. (2011).Turismo Gastronómico: Estrategias de marketing y experiencias de éxito. Universidad de Zaragoza.

Bizinelli, C., Manosso, F., Gândara, J. & Valduga, V. (2013). Experiências de Turismo Cervejeiro em Curitiba, PR.Re-vista Rosa dos Ventos,Caxias do Sul (RS), 5(2), p.349-375.

Bizinelli, C., Manosso, F., Gimenes-Minasse, M. H. S. & Souza, S. do R. (2014). Enoturismoe Turismo de Experiência: novas possibilidades para a inclusão de pessoas com deficiência visual -Vinícola Dezem (Toledo, Paraná, Brasil).Turismo e Sociedade,Curitiba,7(3),p.495-522.https://doi.org/10.5380/tes.v7i3.38860

Bujdosó, Z. & Szücs, C. (2012). Beer Tourism –from theory to practice. Acadêmica Turística. 5(1), p. 103-111.Brasil,

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Anuário da Cerveja(2019). Brasília: MAPA, 2020. https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/noticias/total-de-cervejarias-registradas-no-mapa-cres-ceu-36-em-2019-e-chegou-a-1.209.

Brasil, Ministério do Turismo. Introdução à Regionalização do Turismo.Brasília: MTur, (2007). http://www.ibam.org.br/media/arquivos/estudos/introducao_turismo.pdf.Brasil, Ministério do Turismo. Mapa do Turismo Brasileiro.Brasília: MTur (2019). https://www.mapa.tu-rismo.gov.br/mapa/init.html#/home.

Brasil, Ministério do Turismo. Do café à cachaça, turismo na rota das bebidas. Brasília: MTur, (2016). https://www.turismo.gov.br/%C3%BAltimas-not%C3%ADcias/5977-do-caf%C3%A9-%C3%A0-ca-cha%C3%A7a,-turismo-na-rota-das-bebidas.html.

Brewers Association. Craft Brewer Defined (2020). http://www.brewersassociation.org/statistics/craft-brewer-defi-ned/.

Bueno, M. (2020). O trem da cerveja: conheça o Beer Train (2016).https://www.umgoleoumais.com/o-trem-da-cerveja/.

Castilho, M. A. de, Maymone, A. & Oliveira, L. Y. Q. de. (2016) Cervejaria artesanal: modelo de fábrica diferenciado com ênfase no baixo impacto ambiental a ser implantado no municípiode Campo Grande, MS. Multitemas, Campo Grande, MS, 21(50),p. 303-326, jul./dez.https://doi.org/10.20435/1324

Cervbrasil (2020) -Associação Brasileira da Indústria da Cerveja. http://www.cervbrasil.org.br

Cheng, S., Xu, F., Zhang, J. & Zhang, Y. (2010) Tourists’ attitudes toward tea tourism: a case study in Xinyang, China. Journal of Travel & Tourism Marketing, 27(2), p. 211-220. https://doi.org/10.1080/10548401003590526.

Chiattone, M. V. & Chiattone, P. V.(2013). Enoturismo: atrativo e ferramenta para o desenvolvimento sustentável de regiões.Revista Rosa dos Ventos,Caxias do Sul (RS),v.5,n.4,p.616-634.Cisne, R. (2016). Roteiro Turístico, do simples ao complexo: a necessidade de reflexões.Fórum Internacional de Turismo do Iguassu, v. 10, p. 1-20.

Coelho-Costa, E. R.A. (2015). Bebida de Ninkasi em terras tupiniquins:o mercado da cerveja e o Turismo Cervejeiro no Brasil.Revista Ibero americana de Turismo,Penedo (AL),5(1),p.22-41.https://doi.org/10.5380/tes.v11i2.40772

Coelho-Costa, E. R.A. (2018). Turismo cervejeiro no Brasil: uma realidade? Revista Turismo & Sociedade. Curitiba, 11(2), p. 336-357, maio-agosto.

Coelho Neto, E. C. & Azevedo, M.(2010). Turismo, imagem territorial e gastronomia: o valor simbólico da culinária na atratividade de destinos turísticos brasileiros.Revista Acadêmica Observatório de Inovação do Tu-rismo,Rio de Janeiro,5(2).

Cooper, D. R. & Schindler, P. S. (2016). Métodos de pesquisa em administração.12ª ed. Porto Alegre: AMGH Editora.Da Silva, M., Candido, D. & De Araujo, C. (2009). Políticas de turismo: a percepção do empreendedor local em relação ao turismo no Vale do Café fluminense.Revista Acadêmica Observatório de Inovação do Turismo, 4(1), p. 04-05.

Dallanhol, E. & Tonini, H.(2012). Enoturismo.São Paulo:Aleph.

Delabrida, N. O. G. & De Carvalho, A. N. (2018). Turismo e Gastronomia: uma análise do potencial gastronômico de São Bartolomeu, distrito de Ouro Preto/MG.Revista Acadêmica Observatório de Inovação do Turismo, 12(2), p. 71-92.

Demossier, M. (2004). Contemporary Lifestyle: the case of wine. In: Culinary Taste: consumer behavior in the inter-national restaurant sector. Oxford: Elsevier-Butterworth Heinemann.https://doi.org/10.1016/B978-0-7506-5767-9.50011-7

Dunn,A. & Wickham, M. (2016). Craft Brewery Tourism Best-practices: a research agenda. Annals of Tourism Re-search, 56, p. 140-142.https://doi.org/10.1016/j.annals.2015.10.009

Evans, M., Pollard, C. & Holder, G. (2007). Who’s that knocking on the cellar door? A profile of wine tourism in North Carolina. Frontiers in Southeast CHRIE Hospitality& Tourism Research, 11 (2), p. 49–54.

Everett, S. & Aitchison, C. (2008). The role of food tourism in sustaining regional identity: a case study of Cornwall, South West England. Journal of Sustainable Tourism.16(2), p. 150-167.https://doi.org/10.2167/jost696.0

Feger, J., E., Wittmann, M. L., Nodari, L. D. T., Filippim, M. L. & Lazzarotti, F. (2008). Regionalização do Turismo: uma análise espacial do arranjo produtivo local Rota da Amizade. Revista acadêmica Observatório de Inovação do Turismo, 3, p. 01-16.

Francioni, J. L. (2012). Beer Tourism: a visitor and motivational profile for North Carolina Craft Breweries. (Dis-sertação). Master of Science, University of North Carolina, Greensboro.

Gândara, J. M. G. (2009). Reflexões sobre o turismo gastronômico na perspectiva da sociedade dos sonhos. In: Panosso Netto, A.& Ansarah, M. G. dos R. (Orgs.). Segmentação do Mercado Turístico: estudos, produtos e perspectivas. São Paulo: Ed.

Manole. Getz, D. & Brown, G. (2006). Critical success factors for wine tourism regions: a demand analysis. Tourism Manage-ment. 27(1), p. 146-158.https://doi.org/10.1016/j.tourman.2004.08.002

Gimenes, M. H. S. G. (2010). Sentidos, Sabores e Cultura: a gastronomia como experiência sensorial e turística. In Panosso Netto, A.; Gaeta, C. Turismo de Experiência. São Paulo: Ed. Senac.

Gimenes-Minasse, M. H. S. G. (2011).Uma breve reflexão sobre o lugar da gastronomia nos estudos sobre turismo realizados no Brasil.Turismo e Sociedade,Curitiba,4(2),p.425-431.https://doi.org/10.5380/tes.v4i2.24774

Gimenes-Minasse, M.H.S.G., Lyra, M. & Santos, R. (2016). Turismo Cervejeiro no Estado de São Paulo: análise e caracterização do cenário atual, Anais do Seminário da ANPTUR.

Gray, D. E. (2012). Pesquisa no mundo real. 2ª ed. São Paulo: Penso.Green, G. P. & Dougherty, M. L. (2008). Localizing linkagesfor food and tourism: culinary tourism as community development strategy. Community Development: Journal of the Community Development Society. 39, (3), p. 148-158.https://doi.org/10.1080/15575330809489674

Hall, C. M. & Mitchell, R. (2005). Gastronomic tourism: Comparing food and wine tourism experience. Niche Tourism. Burlington, MA: Elsevier Butterworth Heinemann. p. 73–88.https://doi.org/10.1016/B978-0-7506-6133-1.50014-7

Hall, C. M. & Mitchell, R.(2003). Sharples, L. et al. (eds.). Food Tourism around the world: development, manage-ment and markets. Oxford: Butterworth Heinemann.

Howley, M. & Van Westering, J. (2008). Developing Wine Tourism: A case study of the attitude of English wine pro-ducer to wine tourism. Journal of Vacation Marketing, 14(1), p. 87–95.https://doi.org/10.1177/1356766707084221

Howlett, S. (2013). Bureaus and Beer: Promoting brewery tourism in Colorado. Dissertation, Master of Science in Hotel Administration/Business Administration Management, University of Nevada, Las Vegas.

Jolliffe, L. (2007). Tea and Tourism: tourism, traditions and transformations. Clevedon: Channel View Publications.https://doi.org/10.21832/9781845410582

Jolliffe, L. (Org.) (2010). Coffee culture, destinations and tourism. Clevedon: Channel View Publications. https://doi.org/10.21832/9781845411442

Kleban, J., & Nickerson, I. (2012). To brew, or not to brew –That is the question: An analysis of competitive forces in the craft brew industry. International Academy for Case Studies. 18. p. 51-58.

Koch, I. (2004). Tradicionalismo e folclore na cultura alimentar paranaense. Curitiba: Ivan Koch.

Kraftchick, J. F., Byrd, E. T., Canziani, B. & Gladwell, N. J. (2014). Understanding beer tourist motivation.Tourism Management Perspectives,12, p. 41-47.https://doi.org/10.1016/j.tmp.2014.07.001

Lavandoski, J., Silva, J. A., Vargas-Sánchez, A. & Dos Santos, P. S. L. G. (2017). Indutores e efeitos do desenvolvi-mento do enoturismo nas vinícolas: a perspectiva das capacidades dinâmicas.Turismo-Visão e Ação, 19(3), p. 458-486.https://doi.org/10.14210/rtva.v19n3.p458-486

Laville, C. & Dione, J. A. (1999). Construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artes Médicas.

Leal, S. R. & Almeida, S. de L. (2015). Turismo cervejeiro no Brasil: um segmento em crescimento. In: Panosso Netto, A., &Ansarah, M. G. dos R (Orgs.). (2015) Produtos Turísticos e Novos Segmentos de Mercado: planejamento, criação e comercialização. São Paulo: Ed.

Manole. Lee, C. (2016). An investigation of factors determining industrial tourism attractiveness.Tourism and Hospitality Research,16(2), p. 184-197.https://doi.org/10.1177/1467358415600217

Livre Acesso Turismo –Agência de Turismo. Rota da Cerveja (2020), https://www.livreacesso.tur.br

Losso, F. & Pereira, R.(2012). O desenvolvimento da vitivinicultura e as possibilidades de implantação de roteiros enoturísticos na região de São Joaquim (SC).Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, São Paulo,6(2),p.55-74.https://doi.org/10.7784/rbtur.v6i2.503

Lyons, H. & Sharples, L. (2008). Beer festivals: a case study approach. In: Hall, C. M. & Sharples, L. (eds.), Food and Wine Festivals and Events Around the World: Development, Management and Markets, p. 166–177. Am-sterdam: Elsevier.https://doi.org/10.1016/B978-0-7506-8380-7.00011-7

Krešić, D. & Prebežac, D. (2011). Index of destination attractiveness asa tool for destination attractiveness assess-ment. Turizam: međunarodniznanstveno-stručničasopis, 59(4), p. 497-517.

Mascarenhas, R. G. T. & Gândara, J. M. G.(2012). Comida de festa: o potencial de atratividade turística da gastro-nomia nas colônias de imigrantes em Castro –PR.Revista Hospitalidade,São Paulo,9(1),p.132-150.

Mascarenhas, R. G. T. & Gândara, J. M. G.(2015). O papel da gastronomia na qualidade e na competitividade dos destinos turísticos.Cultur -Revista de Cultura e Turismo,Ilhéus (BA),9(1),p.60-83.

Mcboyle, G. (1996). Green tourism and Scott distilleries. Tourism Management. 17(4), p. 255-263.https://doi.org/10.1016/0261-5177(96)00017-9

Mcboyle, G. & Mcboyle, E. (2008). Distillery marketing and the visit or experience: A case study of Scottish malt whisky distilleries. International Journal of Tourism Research,10(1), p. 71–80.https://doi.org/10.1002/jtr.635

Macdonald, H. & Deneault, M. (2001). National tourism & cuisine forum: “Recipes for success” –Procedings and final report. Ottawa: Canadian Tourism Commission.

Mattia, A. A., Macke, J. & Sarate, J. A. R. (2017). Enoturismo e Território: o caso do Vale dos Vinhedos (RS/Bra-sil).Turismo-Visão e Ação, 19(1), p. 52-78.https://doi.org/10.14210/rtva.v19n1.p52-78

Morado, R. (2009). Larousse da cerveja. São Paulo: Larousse do Brasil.

Murray, A. & Kline, C.(2015). Rural Tourism and the Craft Beer Experience: factors influencing brand loyalty in rural North Carolina, USA.Journal of Sustainable Tourism, 23:8-9,p.1198-1216.https://doi.org/10.1080/09669582.2014.987146

Murray, D. & O’Neill, M. (2012).Craft beer: penetrating a Niche Market. British Food Journal, 114(7),p. 899–909.https://doi.org/10.1108/00070701211241518

Niester, J. (2008). Beer, Tourism and Regional Identity: relations hips between beer and tourism in Yorkshire. En-gland: UW Space.Oliveira, H. & Drumond, H. (2013). Brasil Beer: o guia das cervejas brasileiras. São Paulo: Gutenberg.

Paixão, D., Mielke, E., Dias, P. & Cobos, V. (2000). Tematizacióndel Espacio Rural: circuito italiano en el Estado de Paraná -Brasil. Revista Estudios y Perspectivas enTurismo. Buenos Aires, 10, p. 110-130.

Pavezi, P. S. & Medeiros, M. de L. (2019). Turismo cervejeiro no Paraná.In: Lavandoski, J., Brambilla, A. & Vanzella, E. Alimentação e Cultura: oferta e segmentos turísticos. João Pessoa: Ed. CCTA.

Peccini, R.(2013). A Gastronomia e o Turismo.Revista Rosa dos Ventos,Caxias do Sul (RS),v.5,n.2,p.206-217.Pechlaner, H., Raich, F. & Fischer, E. (2009). The Role of Tourism Organizations in Location Management: the case of Beer Tourism in Bavaria.Tourism Review,64, p.28-40.https://doi.org/10.1108/16605370910963509

Pellin, V. & Mantovaneli Jr. (2016). Cerveja artesanal e desenvolvimento regional em Santa Catarina (Brasil).PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP, 9(3), p. 47-61.https://doi.org/10.18468/pracs.2016v9n3.p47-61

Rotas de bebidas e turismo cervejeiro: atratividade e caracterização das microcervejarias artesanais do Paraná -BrasilRBTUR, São Paulo, 16, e-2249, 2022.

Plummer, R., Telfer, D., Hashimoto, A. & Summers, R. (2005). Beer tourism in Canada along the Waterloo–Welling-ton Ale Trail. Tourism Management, 26(3), p. 447-458. http://dx.doi.org/10.1016/j.tour-man.2003.12.002.

Possamai, A. P. de P. & Peccini, R. (Orgs.) (2011).Turismo, história e gastronomia: uma viagem pelos sabores.Ca-xias do Sul (RS):EDUCS.Prefeitura De Pinhais. Rota da Cerveja (2020). http://www.pinhais.pr.gov.br/turismo/rotadacerveja/Procerva,

Sebrae/PR & Instituição de Ensino Superior em cidade do interior do Paraná (2018). Mapeamento das Microcervejarias Artesanais doParaná.http://www.procerva.com.br/2018/02/16/estudo-mapeia-o-se-tor-de-microcervejarias-artesanais-no-pr/

Prodanov, C. C. & Freitas; E.C.de (2013). Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico.2.ed. Novo Hamburgo: Feevale.

Ramos, B. & Dias, R.(2007). Os Circuitos Turísticos e sua Relação com Outras Formas de Atrair e Manter Visitantes em uma Região: rotas, roteiros e trilhas turísticas.Revista Turismo & Desenvolvimento,Campinas (SP),6(1)

Ribeiro, R. M. & Gonçalves, L. G. (2016). Rota e Roteiro: desafios para uma nova conceituação. Caderno de Estudos e Pesquisas do Turismo, 5(7), p. 4-18.

Ribeiro-Martins, C. de S. & Silveira-Martins, E. (2018). Turismo gastronômico: uma pesquisa bibliométrica em bases de dados nacionais e internacionais.Turismo-Visão e Ação,20(1),p. 184-208.https://doi.org/10.14210/rtva.v20n1.p184-208

Rogerson, C. M. & Collins, K. J. E. (2015). Developing beer tourism in South Africa: international perspectives. African Journal of Hospitality, Tourism and Leisure, 4(1).

Schnell, S. M. & Reese, J. F. (2014). Microbreweries, place and identity in the United States. In: M. Patterson and N. Hoalst-Pullen (eds.). The Geography of Beer, pp. 167–187. Dordrecht: Springer.https://doi.org/10.1007/978-94-007-7787-3_15

Schlüter, R. G. (2003). Gastronomia e turismo.São Paulo:Aleph.

Schlüter, R. G. (2006). Turismo y Patrimonio Gastronómico: una perspectiva. Buenos Aires: CIET.SETUR/MG -Secretaria de Estado de Turismo de Minas Gerais. BH entra no caminho das cervejas artesanais (2020). http://www.turismo.mg.gov.br/noticias/1288-bh-entra-no-caminho-das-cervejas-artesanais

Sharples, L. (2002). Explore wine tourism: Management, development &destinations. Tourism Management, 23, p. 641–643.https://doi.org/10.1016/S0261-5177(02)00033-X

Slocum, S. L. (2015). Understanding Tourism Support for a Craft Beer Trail: The Case of Loudoun County, Virginia. Tourism Planning & Development.https://doi.org/10.1080/21568316.2015.1104381

Spracklen, K. (2011). Dreaming of drams: Authenticity in Scottish whisky tourism as an expression of unresolved Habermas rationalities. Leisure Studies, 30, p. 99–116. https://doi.org/10.1080/02614367.2010.502240.

Standage, T. (2005). História do Mundo em 6 copos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Tavares, A., Dantas, J. & Nóbrega, W. A. (2015). Cachaça como patrimônio cultural e turístico.Revista Hospitali-dade,São Paulo,12(1),p.387 -410.Tripadvisor (2020). http://www.tripadvisor.com.br.

Valduga, V., Bizinelli, C., Gândara, J. M. G. & Manosso, F. (2014). A cachaça e o turismo no território do vinho -RS/Brasil.Revista Hospitalidade,São Paulo,11(2),p.195 -222.

Webb, T. & Beaumont, S. (2012). O atlas mundial da cerveja: o guia essencial da cerveja ao redor do mundo. São Paulo: Nova Fronteira.

Zucco, F. D., Quadros, C. M. B. D., Schmitt, J. R. & Fiuza, T. F.(2017). Imagem e identidade turísticas relacionadas às práticas e bens culturais percebidas pelos residentes: perspectivas a partir da cidade de Blumenau, Santa Catarina, Brasil.Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 11(2), p. 320-346.https://doi.org/10.7784/rbtur.v11i2.1309

Downloads

Publicado

2022-03-07

Edição

Seção

Artigos - Gestão do Turismo