Saturação e Rejeição ao Turismo nas Destinações Turísticas

Autores

  • Mario Carlos Beni Universidade de São Paulo, São Paulo (SP)

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v14i2.1847

Palavras-chave:

Overtourism., Turismofobia., Clusters., Destination Marketing Organization

Resumo

O Turismo é um fenômeno multi, inter e transdisciplinar na sua formação superior e na gestão pública. Além dessas características, temos que considerar ainda a transversalidade e a intersetorialidade. Em virtude dessas características, mudanças ocorrem continuamente, quer sejam no comportamento dos turistas quer sejam com os residentes locais. Nesta última década, nos defrontamos com dois novos e desafiantes problemas: a saturação e a rejeição ao turismo nas destinações turísticas. É sobre este assunto preocupante que iremos tratar neste artigo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mario Carlos Beni, Universidade de São Paulo, São Paulo (SP)

Doutor em Ciências da Comunicação e Livre Docente em Turismo pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Professor titular aposentado da ECA-USP. Membro do Conselho Nacional de Turismo. Foi pioneiro no ensino superior em Turismo no Brasil, além de ter atuado em diferentes programas de pós-graduação. Autor de diversos livros e artigos, entre eles o best-seller Análise Estrutural do Turismo.

Referências

Beni, M. C. (2012) Clusters de turismo. In: Beni, M. C. (org). Turismo: planejamento estratégico e capacidade de gestão – desenvolvimento regional, rede de produção e clusters. São Paulo: Manole, p.517.

Beni, M. C. e Cury, M. J. F. (2012) Bases territoriais e redes de cluster de turismo. In: Beni, M. C. (org). Turismo: planejamento estratégico e capacidade de gestão – desenvolvimento regional, rede de produção e clusters. São Paulo: Manole, p. 487.

Moraes, L. N. de. (2012) Dimensão mercadológica de sustentabilidade do desenvolvimento turístico. In: Beni, M. C. (org). Turismo: planejamento estratégico e capacidade de gestão – desenvolvimento regional, rede de produção e clusters. São Paulo: Manole, p. 283.

Publicado

2020-04-28

Edição

Seção

Perspectivas