Apropriação sazonal dos espaços públicos

dispersão urbana e hospitalidade em destinos turísticos litorâneos brasileiros

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v16.2633

Palavras-chave:

Apropriação Sazonal de Espaços Públicos, Dispersão Urbana, Hospitalidade Urbana, Sazonalidade Turística

Resumo

A dispersão urbana é um processo de crescimento que vem ganhando força na construção de cidades em diferentes partes do mundo, como resposta aos processos de diferenciação social e desenvolvimento da mobilidade. Nas últimas décadas tem se materializado em destinos turísticos litorâneos na forma de condomínios fechados de segundas residências, shopping centers e parques temáticos, que enfraquecem os espaços públicos, contribuindo negativamente para a sua hospitalidade urbana. Ao mesmo tempo, a sazonalidade turística, fenômeno inerente a qualquer destino, é particularmente forte nos litorâneos. O objetivo principal desta pesquisa é analisar a apropriação sazonal dos espaços públicos em destinos turísticos litorâneos, por meio do estudo das relações entre fenômenos de dispersão urbana e hospitalidade urbana. De natureza qualitativa, este trabalho caracteriza-se por ser explicativo, e utiliza a pesquisa bibliográfica para a coleta de dados. A pesquisa demonstra que a forma urbana dispersa, que afeta negativamente a hospitalidade do destino, leva a uma apropriação excessivamente sazonal de seus espaços públicos, enquanto a forma urbana compacta cria ambientes urbanos hospitaleiros, resultando em menor sazonalidade nestes espaços.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Baptista Lopes, Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), Balneário Camboriú, SC, Brasil.

Arquiteto e Urbanista, formado pela Universidade do Vale do Itajaí (2011), é Mestre em Urbanismo, História e Arquitetura da Cidade pela UFSC (2014), e Doutor em Turismo e Hotelaria pela Universidade do Vale do Itajaí (2021). Possui experiência em Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo, com ênfase em Projeto Arquitetônico de edificações residenciais, comerciais, culturais e corporativas. É professor na área de Projeto Arquitetônico da Universidade do Vale do Itajaí, pesquisador na mesma instituição, e é idealizador e responsável pelo Núcleo de Concursos de Projeto da UNIVALI - NCPro. É fundador do ELA- Eduardo Lopes Arquitetura, cofundador do LabNomad, coletivo de arquitetos de Santa Catarina, e possui dezenas de prêmios de arquitetura, urbanismo e paisagismo, conquistados como aluno, arquiteto autônomo e professor. Contribuições: concepção de pesquisa, revisão de literatura, coleta de dados, análise de dados, discussão. 

Diva de Mello Rossini, Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), Balneário Camboriú, SC, Brasil.

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Catarina (1986), graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade do Vale do Itajaí (2000), mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2004), doutorado em Administração e Turismo pela Universidade do Vale do Itajaí (2012) e Pós doutorado em Arquitetura pela Universidade de Lisboa (2014). Atualmente é enfermeira do Governo do Estado de Santa Catarina e professor titular da Universidade do Vale do Itajaí nos cursos de Arquitetura e Urbanismo, Mestrado e Doutorado em Turismo e Hotelaria. Foi coordenadora do curso de Arquitetura e Urbanismo e Design de Interiores (até 2012) e Vice coordenadora do Programa de Pós-graduação em Turismo e Hotelaria da Universidade do Vale do Itajaí (até março de 2020). Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, Turismo, com ênfase em Turismo Cultural, atuando principalmente nos seguintes temas: projeto arquitetônico e turismo cultural. Contribuições: concepção de pesquisa, revisão de literatura, análise de dados, discussão.

Referências

Andreu, H. G. (2014). El círculo vicioso del turismo residencial: análisis de los factores locales del boom imobiliario español. Revista Pasos, (12)2, p. 395-408. http://dx.doi.org/10.25145/j.pasos.2014.12.028.

Ascher, F. (2004). Los nuevos principios del urbanismo. Alianza Editorial.

Assis, L. F. (2003). Turismo de segunda residência: a expressão espacial do fenômeno e as possibilidades de análise geográfica. Revista Território, 7(11-13), p. 107-122. https://doczz.com.br/doc/183092/turismo-de-segunda-resid%C3%AAncia--a-express%C3%A3o-espacial-do.

Assen de Oliveira, L. (1999). Formas de vir-a-ser cidade: Loteamentos e condomínios na ilha de Santa Catarina [Tese de doutorado não publicada]. Programa de Pós-Graduação da Área de Concentração de Estruturas Ambientais Urbanas, Universidade de São Paulo. http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFSC_8224151ad3df3386fdaa719785b4a96b.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Edições 70.

Baron, R. R. V. (1975). Seasonality in: Tourism: a guide to analysis of seasonality. Economist Intelligence Unit. Technical Paper, n. 2.

Bestard, A.B., & Nadal, J. R. (2011). Cambio climático y estacionalidad turística em España: Un análisis del turismo doméstico de costa. Estudios de Economía Aplicada, 29(3), p. 863-880. https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=30122405011.

Boullón, R. C. (2006). Planificación del espacio turístico. Trillas.

Butler, R. (1994). Seasonality in: Tourism issues and problems. In A. Seaton et al. (eds.). Tourism – The State os the art, Chichester (pp. 332-339). Wiley.

Ministério do Turismo. (2010). Sol e Praia: orientações básicas (2.ed, 59 p.). Ministério do Turismo, Secretaria Nacional de Políticas de Turismo, Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico, Coordenação-Geral de Segmentação MT.

Caillé, A. (2002) Antropologia do dom. Vozes.

Camargo, L. O. de L. (2004). Hospitalidade. Aleph.

Camargo, L. O. de L. (2008). A pesquisa em hospitalidade. Revista Hospitalidade, p. 15-51. https://www.revhosp.org/hospitalidade/article/view/151/176.

Camargo, L. O. de L. (2015). Os interstícios da hospitalidade. Revista Hospitalidade, p. 42-69. https://www.revhosp.org/hospitalidade/article/view/574.

Camargo, L. O. de L. (2021). As leis da hospitalidade. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, São Paulo, 15(2), e-2112, https://doi.org/10.7784/rbtur.v15i2.2112.

Cavalcante, R. B., Calixto, P., & Pinheiro, M. M. K. (2014). Análise de Conteúdo: considerações gerais, relações com a pergunta de pesquisa, possibilidades e limitações do método. Inf. & Soc.: Est., João Pessoa, 24(1), p. 13-18, jan./abr. https://periodicos.ufpb.br/index.php/ies/article/view/10000.

Chatel, C., & Sposito, M. E. B. (2015). Forma e expansão urbanas no brasil: fatos e hipóteses. Primeiros resultados do banco de dados Brasipólis. Revista Cidades, 12(21), p. 108-152. https://periodicos.uffs.edu.br/in-dex.php/cidades/article/view/11938/7644.

Coelho, L. L. (2016). Os conceitos de dispersão e fragmentação urbana sob a abordagem da paisagem. Anais do IV Encontro da Associação Nacional de Pesquisa e Pós- Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Porto Alegre: IV Enanparq. http://www.anparq.org.br/dvd-enanparq-4/SESSAO%2030/S30-01-COELHO,%20L.pdf.

Corrêa, R. L. (2011). Perspectivas da urbanização brasileira: uma visão geográfica para o futuro próximo. In E. M.

Pereira & L. C. Dias. As cidades e a urbanização no Brasil: passado, presente e futuro. Insular.

Cruz R. C. A. (2002). Hospitalidade Turística e Fenômeno Urbano no Brasil: Considerações Gerais. In C. M. M Dias. Hospitalidade: Reflexões e Perspectivas. (org.). Malone.

Dematteis, G. (2015). Contraurbanização, periurbanização, cidade dispersa e rede de cidades na Itália. Revista Cidades ̧12(21), p. 14-34. https://revista.fct.unesp.br/index.php/revistacidades/article/view/4877.

Diógenes, B. H. N. (2015). Transformações Recentes na Área Metropolitana de Fortaleza-A Expansão no Eixo Su- deste. Revista Cidades, 12(21). https://revista.fct.unesp.br/index.php/revistacidades/article/view/928.

Domingues, A. (2009). A Rua da Estrada. (1ª ed.). Dafne.

Dube, K., & Nhamo, G. (2018). Climate change and potential impacts on tourism: evidence from the Zimbabwean side of the Victoria Falls. Environment Development and Sustainability. https://link.springer.com/arti-cle/10.1007/s10668-018-0118-y.

Ferraz, V. D. S. (2013). Hospitalidade urbana em grandes cidades. São Paulo em foco [Tese de Doutorado não publicada]. Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo. Universidade de São Paulo. https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/16/16139/tde-10072013-161802/en.php.

Gehl, J., Gemzoe, L., & Karnaes, S. (2006). New city life. Copenhagen, The Danish Architectural Press.

Gehl, J. (2011). A Vida entre Edifícios: Usando o Espaço Público. Cicloficina dos Anjos.

Gehl, J. (2015). Cidades para pessoas. Perspectiva.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa (Vol. 4, p. 175). Atlas.

Gottmann, J. (1961). Megalopolis. The urbanized northestern seabord of the United States. The Twentieth Century Fund.

Grinover, L. (2007). A hospitalidade, a cidade e o turismo. Aleph.

Grinover, L. (2013). Hospitalidade, qualidade de vida, cidadania, urbanidade: novas e velhas categorias para a compreensão da hospitalidade urbana. Revista Ibero Americana de Turismo, Penedo, 3(1), p. 16-24. https://www.seer.ufal.br/index.php/ritur/article/view/979.

Grinover, L. (2015). A hospitalidade na perspectiva da cidade contemporânea. Cadernos De Pedagogia Social, (Especial), p. 162-177. https://doi.org/10.34632/cpedagogiasocial.2015.1969.

Guimarães, T., & Santos, N. (2014). Os desafios da sazonalidade no turismo: Estratégias para a valorização da oferta turística em Ovar. Tourism and Hospitality Internacional Journal, 3(1), p. 46-68. https://www.researchgate.net/publication/266614669_Os_desafios_da_sazonalidade_no_turismo_Estrategias_para_a_valorizacao_da_oferta_turistica_em_Ovar.

Hall, C. M. (2001). Planejamento Turístico: políticas, processos, e relacionamentos. Contexto.

Harvey, R. O., & Clark, W. A. V. (1965). The Nature and economics of Urban sprawl (41,1-9). Land Economics.

Jacobs, J. (1961). Morte e vida de grandes cidades. Martins Fontes.

Kellens, W., Neutens, T., Deckers, P., Reyns, J., & De Maeyer, P. (2011). Coastal flood risk sand seasonal tourism: analysing the effects of tourism dynamics on casualty calculations. Nat Hazards, (60), p. 1211-1229. https://link.springer.com/article/10.1007/s11069-011-9905-6.

Leite, F. C. D. (2017). La diversificación de la oferta turística como alternativa para minimizar la estacionalidad: el caso de los eventos en Balneário Camboriú (Santa Catarina, Brasil). Cuadernos de Turismo, (39), p. 91–112. https://doi.org/10.6018/turismo.39.290451.

Lopes, E. B. (2014). Os condomínios residenciais e suas relações espaciais com o entorno – O caso de Xangri-Lá/RS [Dissertação de Mestrado não publicada]. Programa de Pós-Graduação em Urbanismo, História e Arquitetura da Cidade, Universidade Federal de Santa Catarina. https://doi.org/10.6018/tu-rismo.39.290451.

Lopes, E. B., Domareski-Ruiz, T. C., & Anjos, F. A (2018). A ocupação urbana no Litoral Norte do Rio Grande do Sul, Brasil, e suas implicações no turismo de segunda residência. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 6(3), p. 275-287. https://doi.org/10.1590/2175-3369.010.002.AO03.

Li, H., Song, H., & Li, L. (2017). A Dynamic Panel Data Analysis of Climate and Tourism Demand: Additional Evidence. Journal of Travel Research, (56)2, p. 158-171. https://doi.org/10.1177/0047287515626304.

Lynch, K. (1997). A imagem da cidade. Edições 70.

Oliveira, J. P., Tricárico, L. T., Rossini, D. M., & Tomelin, C.A. (2020), Concepts of hospitality and its application in the built space: Genesis and evolution of urban hospitality in tourist Brazilians destinations. Journal of Hospitality and Tourism Insights, 3 (2), p. 155-170. https://doi.org/10.1108/JHTI-02-2019-0025

Martins, J. C. F. (2015). Da Urbanização Turística à Metropolização Sazonal no Algarve Litoral 1960/2013 [Tese de Doutorado não publicada]. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Departamento de Sociologia. Universidade Nova de Lisboa. https://run.unl.pt/handle/10362/14496.

Mauss, M. (1974). Sociologia e Antropologia. EPU.

Minayo, M. C. S. (2007). O Desafio do Conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde (10. ed.) HUCITEC. Organização das Nações Unidas. (2021). Turismo e os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. http://antigo.turismo.gov.br/images/pdf/Publica%C3%A7%C3%B5es/2020/Turismo-e-os-Objetivos-de-Desenvolvimento-

Sustent%C3%A1vel-Final-WEB.PDF.

Pearce, D. G. (1991). Tourism Today - a geographical analysis. Longman.

Peri, L. V. (2005). Paisajes de la nueva centralidad: Infraestructuras arteliares y polarización Del crescimiento em la región metropolitana de Barcelona [Tese de Doutorado não publicada]. Departamento de Urbanismo y Ordenación del Território, Universidad Politécnica de Cataluña. https://upcommons.upc.edu/han-dle/2117/94992

Reis, A. F. (2013). Urbanidade, paisagem e meio ambiente: subsídios para análise e qualificação do processo de transformação ambiental do litoral catarinense. In V Seminario Internacional de Investigación en Urbanismo, Barcelona-Buenos Aires, junio 2013 (1700-1714). Barcelona: DUOT. https://upcom-mons.upc.edu/handle/2099/14866?show=full.

Reis. N.G. (2007). Sobre a dispersão em São Paulo. In N. G. Reis, N. Portas & M. S. Tanaka (Org.). Dispersão Urbana – diálogos sobre pesquisas no Brasil – Europa (pp. 49-58). FAUUSP.

Reis, N.G. (2015). Dispersão Urbana e Modernização Capitalista. Revista Cidades, 12(21), p. 91-107. https://periodicos.uffs.edu.br/index.php/cidades/article/view/11936.

Ridderstaat, J., Oduber, M., Croes, R., Nijkamp, P., & Martens, P. (2014). Impacts of seasonal pattern soft clima tenure current fluctuations in tourism demand: Evidence from Aruba. Tourism Management, 41, p. 245-256. https://doi.org/10.1016/j.tourman.2013.09.005

Ruschmann, D. (2004). Turismo e Planejamento Sustentável: a proteção do meio ambiente. Papirus.

Sabino, A. L. (2012). Turismo e expansão de domicílios particulares de uso ocasional no Litoral Sudeste do Brasil [Tese de Doutorado não publicada]. Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana, Universidade de São Paulo. https://teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8136/tde-25042013-130244/pt-br.php.

Serpa, A. (2007). O espaço público na cidade contemporânea. Contexto.

Solà-Morales, M. (1997). Las formas de crecimiento urbano. Edicions UPC.

Spolon, A. P. G. (2009, 10 e 11 de Setembro). Sobre os domínios da hospitalidade: revisão teórica e proposições [Apresentação de artigo]. VI Seminário da Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo, Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo. https://www.anptur.org.br/anais/anais/files/6/12.pdf.

Sposito, M. E. B. (2009). Urbanização difusa e cidades dispersas: perspectivas espaço-temporais contemporâneas. In N. G. Reis. (org.). Sobre dispersão urbana, p. 35-54, Via das Artes.

Severini, V. F. (2014). Turismo e Hospitalidade Urbana: repensando a sustentabilidade das grandes cidades. Anais do III Encontro da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo arquitetura. São Paulo. http://www.anparq.org.br/dvd-enanparq-3/htm/XFramesSumarioST.htm.

Severini, V. F., & Vargas, H. C. (2017). Rediscutindo Hospitalidade Urbana na Lei de Zoneamento de São Paulo de 2016. Revista Hospitalidade. São Paulo, 14(2), p. 01-27. https://doi.org/10.21714/2179-9164.2017v14n2.769

Severini, V. F., Panosso Netto, A., & Oliveira, J. L. S. O. (2020). Hospitalidade urbana e legislação urbanística em cidades turísticas: possibilidades e limitações. Ateliê do Turismo, Campo Grande, 4(2), p. 1-24. https://periodicos.ufms.br/index.php/adturismo/article/view/11482.

Torres, B. E. (2003). El Turismo residenciado y sus efectos en los destinos turísticos. Estudios Turísticos, 155(6), p. 45–70. https://turismo.janium.net/janium/Objetos/REVISTAS_ESTUDIOS_TURISTICOS/90150.pdf.

Tulik, O. (2001). Turismo e meios de hospedagem: casas de temporada. Roca. 113p.

Vilar, J. W. C., & Santos, P. P. (2012). O crescimento da segunda residência no Litoral Nordestino: uma análise da expressão territorial do fenômeno. XVII Encontro Nacional de Geógrafos, Belo Horizonte: VXII Eng. https://www.researchgate.net/publication/275658437_O_CRESCIMENTO_DA_SEGUNDA_RESIDENCIA_NO_LITORAL_NORDESTINO_UMA_ANALISE_DA_EXPRESSAO_TERRITORIAL_DO_FENOMENO.

Yu, G., Schwartz, Z., & Walsh, J. E. (2009). A weather-resolving index for assessing the impact of climate change on tourism related climate resources. Climatic Change, 95, p. 551-573. https://link.springer.com/article/10.1007/s10584-009-9565-7

Downloads

Publicado

2022-07-28

Edição

Seção

Artigos - Turismo e Sociedade