As dinâmicas espaciais no centro de Gramado (RS-Brasil):

reconhecimento dos agentes econômicos envolvidos nas transformações no espaço urbano do centro turístico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v16.2319

Palavras-chave:

Atores Locais, Desenvolvimento Turístico, Transformação Territorial, Gramado-RS.

Resumo

Os destinos turísticos consolidados muitas vezes caracterizam-se por mudanças de suas atividades e negócios, em que os agentes locais podem se ver deslocados de suas antigas funções em razão de investimentos de porte nacional e internacional. Este estudo objetiva reconhecer a existência de empreendedores locais dando suporte na atividade turística na área central de Gramado (RS). Esta condição faz-se necessária para um turismo comprometido com o desenvolvimento local quanto a aspectos social e econômico. Como percurso metodológico, identifica-se a origem dos estabelecimentos e faz-se uma associação acerca de seu aporte financeiro por meio de observação direta e indireta. Adota-se como recorte espacial a área central turística da cidade. Nesta pesquisa qualitativa, identificam-se linearmente 294 unidades funcionais deste ponto nevrálgico de circulação turística. Na abordagem compreende-se o processo de apropriação socioespacial ao contrastar os atuais proprietários com os anteriores e a ocupação dos lotes. A pesquisa também tem um suporte documental (textual e fotográfico). Observa-se a existência de uma estrutura marcante do turismo comprometido com os atores locais, embora o grande capital esteja pontualmente presente na área estudada. A questão de funcionalidade e a dinâmica fundiária caracterizam-se por um processo de gentrificação com a atividade turística suplantando as anteriores.

Biografia do Autor

Franciele Berti, Universidade de Caxias do Sul (UCS), Caxias do Sul, RS, Brasil.

Doutoranda em Turismo pela Universidade de Caxias do Sul (2019), bolsista integral da CAPES. Mestre em Desenvolvimento Regional pelas Faculdades Integradas de Taquara (2018) e graduada em Eventos pela Universidade de Caxias do Sul (2015). Possui, também, especialização em Turismo (2017) pela Universidade Cândido Mendes (UCAM). É membro do grupo de pesquisa Núcleo de Estudos Urbanos (UCS). Seu campo de investigação privilegia, atualmente, questões que envolvem a problemática de (re) produção do espaço urbano, compreendendo as transformações advindas da atividade turística

Pedro de Alcântara Bittencourt César, Universidade de Caxias do Sul (UCS), Caxias do Sul, RS, Brasil.

Arquiteto e Urbanista

Especialista em Planejamento e Marketing Turístico

Mestre em Turismo

Doutor em Geografia

Prof. do PPGTurH /UCS da Universidade de Caxias do Sul

Referências

Arantes, G. F. (2012). Reabilitação urbana como gentrificadora e segregadora social: O caso dos Parques Vaca Brava e Flamboyant. (Dissertação de Mestrado) - Departamento de Ciências Exatas e da Terra, Pontifícia Universi-dade Católica de Goiás - PUC, GO, Brasil.

Beaujeu-Garnier, J. (1997). Geografia Urbana. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Behrend, C. (1999). Etapas do Turismo. In M. Daros & V. L. M. Barroso (Org.). Raízes de Gramado: 40 anos. Grama-do: EST.

Benevolo, L. (1991). A cidade e o arquiteto: método e história na arquitetura. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

Brambatti, L. E. (2004). Racionalização, cultura e turismo em meio rural na Serra Gaúcha (Tese de doutorado) - Insti-tuto de Filosofia e Ciências Humanas, UFRGS, Porto Alegre.

Brasil. Ministério do Turismo. (2007). Estudo de Competitividade dos 65 Destinos Indutores do Desenvolvimento Turístico Regional: Relatório Brasil. Brasília, DF.

Brasil. Ministério do Turismo. (2019). Categorização dos Municípios das Regiões Turísticas do Mapa do Turismo Brasileiro: Programa de Regionalização do Turismo. Brasília, DF.

Cantalice, A. S. C. (2012). Uma breve reflexão sobre forma urbana. Architecton – Revista de arquitetura e Urbanis-mo, 2(2), 35-45.

Casagrande, G. R. (2006). Um cheiro do vinho: presença italiana em Gramado (Dissertação de Mestrado) - Faculda-de de Filosofia e Ciências Humanas, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil. Recuperado de http://tede2.pucrs.br/tede2/bitstream/tede/2311/1/383742.pdf

César, P. A. B. (2010). Urbanização turística: esboço para a definição de uma categoria do espaço social. Turismo em Análise, 21(2), 406-420. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v21i2p406-420

César, P. A. B & Vianna, A. A. (2013). Uma categoria de análise na produção social do espaço. Rosa dos Ventos. 5(3), 408-420. Recuperado de https://www.redalyc.org/pdf/4735/473547094004.pdf.

Corrêa, R. L. (2003). O Espaço urbano. São Paulo: Átila.

Cunha, A. M., Canuto, F., Linhares, L. R. F., & Monte-Mór, R. L. de M. (2003). O terror superposto: uma leitura lefebvri-ana do conceito de terrorismo e suas relações com o mundo contemporâneo. Encontro Nacional da ANPUR, 10 (pp. 27-43). São Paulo e Belo Horizonte: ANPUR. https://doi.org/10.22296/2317-1529.2003v5n2p27

Daros, M. (2008). Grãos: Coletânea Histórica. Porto Alegre: Editora do Autor.

Dinnebier, I. (1999). Setor Moveleiro. In M. Daros & V. L. M. Barroso, (Org.). Raízes de Gramado: 40 anos (pp.169-172). Gramado: EST.

Drecksler, C. G., & Koppe, I. C. (1993). Era uma Vez...! Relatos de Gramado. Edição Comemorativa aos 25 Anos do Orbis Club de Gramado e 10 anos do Jornal de Gramado. Canoas: Escola Profissional La Salle.

Drecksler, C. G. (2012). Gramado Contrastes. Porto Alegre: Evangraf.

Dubois, P. (1993). O ato fotográfico. Campinas: Papirus.

Fonseca, J. C. S. (2012). São Francisco de Paula, Rio Grande do Sul: História, Encanto e Mistério. Resgatando o pas-sado Serrano. Porto Alegre: Evangraf.

Franzen, M. D. (1995). Janelas, Portas, Varandas e Saudade. Gramado: Evangraf.

Friedmann, J. (1986). The World City Hypothesis. Development and Change (SAGE, London, Beverly Hills and New Delhi), (17), 69-83. https://doi.org/10.1111/j.1467-7660.1986.tb00231.x

Gevehr, D. L., & Berti, F. (2019). Luxo e sofisticação nas vitrines da Borges: gentrificação comercial e turismo no es-paço urbano de Gramado (RS). Caderno Virtual de Turismo, 19(3), 1-13. https://doi.org/10.18472/cvt.19n3.2019.1498

Gluszevicz, A. C., & Martins, S. F. (2013). Conceito de Centralidade Urbana: Estudo no município de Pelotas, RS. Sim-pósio de Estudos Urbanos: A dinâmica das cidades e a produção do espaço, 2 (pp.1-17). Curitiba: Universi-dade Estadual do Paraná.

Gottdiener, M. (1997). A produção social do espaço urbano. São Paulo: Edusp.

Gramado. Secretaria Municipal de Educação (1987). Gramado, simplesmente Gramado. Gramado, RS.

Gravari-Barbas, M., & Guinand, S. (2017). Tourism and gentrification in contemporary metropolises: international perspective. New York: Routledge. https://doi.org/10.4324/9781315629759

Griebeler, M. P. D., Berti, F., & Matte Junior, A. A. (2017). Hierarquização das cadeias produtivas: diagnóstico das atividades econômicas de Gramado (RS). Ágora, 19(2), 112-124. https://doi.org/10.17058/agora.v19i2.10478

Hammerl, P. C. (2016). Por uma cidade turística: formação e transformação territorial da estância de Campos do Jordão (SP) – (1911-1966). (Dissertação de Mestrado) - Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul, RS, Brasil. Recuperado de https://repositorio.unisc.br/jspui/handle/11624/1279.

Harvey, D. (2004). Espaço e esperança. São Paulo: Loyola.

Harvey, D. (2014). Cidades Rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo: Martins Fontes.

Holanda, F., Kohlsdorf, M., Farret, R., & Cordeiro, S. C. (2000). Forma urbana: que maneiras de compreensão e re-presentação?. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, (3), 9-18. https://doi.org/10.22296/2317-1529.2000n3p9

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2019). Atlas do Censo Demográfico. Rio de Janeiro: IBGE.

Lamas, J. M. R. G. (1992). Morfologia urbana e o desenho da cidade. Lisboa: Fundação Calouste Gulbekian.

Lefebvre, H. (1991). The Production of Space. Oxford: Blackwell.

Lefebvre, H. (2001). O direito à cidade. São Paulo: Centauro.

Lei n.114/61 (1961, 19 de setembro). Cria o Conselho Municipal de Turismo. Gramado: Prefeitura Municipal de Gramado. Recuperado de https://leismunicipais.com.br/a/rs/g/gramado/lei-ordinaria/1961/11/114/lei-ordinaria-n-114-1961-cria-o-conselho-municipal-de-turismo

Lencioni, S. (2008). Observações sobre o conceito de cidade e urbano. GeoUSP Espaço e Tempo, (24), 109-123. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2008.74098

Miron Neto. (2014). Supermercado Imec fecha loja da Avenida Borges de Medeiros. Recuperado em 16 maio 2018, de www.mironneto.com/site/noticia_arquivada.php?noticia=726

Moreira, R. (2012). Geografia e práxis: a presença do espaço na teoria e na prática geográfica. São Paulo: Contexto.

Müllins, P. (1991). Tourism urbanization. International Journal of Urban Regional Research, 15(3), 326-342. https://doi.org/10.1111/j.1468-2427.1991.tb00642.x

Remond-Roa, R., González-Pérez, J. M., & Navarro-Jurado, E. (2015). Urbanización turística y ocupación del suelo en la península de Hicacos (Varadero, Cuba): Comportamientos diferenciados entre los espacios de uso público y privado. EURE (Santiago), 41(124), 139-161.https://doi.org/10.4067/S0250-71612015000400007

Ribeiro, D. (1998). O processo civilizatório: etapas da evolução sociocultural. São Paulo: Companhia das Letras.

Riegel, R. E. (1999). Quatro raízes e uma árvore. In M. Daros. & V. L. M. Barroso (Org.). Raízes de Gramado: 40 anos. Gramado: EST, 25-31.

Rigatti, D. (2002). Loteamentos, expansão e estrutura urbana. Paisagem e Ambiente, (15), 35-69. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i15p35-69

Rio Grande do Sul. Secretaria do Planejamento, Mobilidade e Desenvolvimento Regional. (2015). Perfil Socioeconô-mico COREDE Hortênsias. Porto Alegre. Recuperado de https://governanca.rs.gov.br/upload/arquivos/201512/15134130-20151117101627perfis-regionais-2015-hortensias.pdf

Roche, J. (1969). A colonização alemã e o Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Globo.

Rubim, R. (1999). Artesanato Gramadense: um breve relato. In M. Daros & V. L. M. Barroso (Org.). Raízes de Grama-do: 40 anos. Gramado: EST, 179-188.

Ruschmann, D. (1997). Turismo e desenvolvimento sustentável. Campinas-SP: Papirus.

Santos, M. (1997). Metamorfose do espaço habitado: fundamentos teóricos e metodológicos da geografia. São Paulo: Hucitec.

Santos, M. (2004). A natureza do espaço: Técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: EdUSP.

Santos, M. (2014). Espaço e método. São Paulo: EdUSP.

Santos, M. (2005). Da totalidade ao lugar. São Paulo: EdUSP.

Soja, E. W. (1993). Geografia pós-modernas: a reafirmação do espaço na teoria social crítica. Rio de Janeiro: Zahar.

Sollerio, A. A. A; García, M. O (2020). La producción del espacio social en Playa del Carmen, Quintana Roo, México. Espaciliadad, Socialidad e Historicidad. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, São Paulo, 14 (2), p. 95-122. https://doi.org/10.7784/rbtur.v14i2.1808

Stigliano, B. V. & César, P. A. B. (2005). Inventário turístico: primeira etapa da elaboração do plano de desenvolvi-mento turístico. Campinas-SP: Alinea.

Sudré, M. F. (2013). De la forma a la contra-forma: una contribución lefebvriana para el entendimiento de morfolo-gías urbanas. Territorios, (29), 39-56. Recuperado de https://www.redalyc.org/pdf/357/35729989004.pdf.

Tomazzoni, E. L. (2007). Turismo e desenvolvimento regional: Modelo APL Tur aplicado a região das Hortênsias (Rio Grande do Sul-Brasil). (Tese de doutorado) - Universidade de São Paulo, SP, Brasil. https://doi.org/10.11606/T.27.2007.tde-11052009-111001

Vargas, D. P., & Gastal, S. (2015). Chocolate e Turismo: o percurso histórico em Gramado, RS. Turismo Visão e Ação, 17(1), 66-102. https://doi.org/10.14210/rtva.v17n1.p66-102

Weimer, Gunter (1983). A arquitetura rural da imigração. P. B. Bertussi In. A arquitetura no Rio Grande do Sul (pp.95-120). Porto Alegre: Mercado Aberto.

Downloads

Publicado

2021-11-23

Edição

Seção

Artigos - Turismo e Sociedade