Signos identitários do Sámi e Sateré-Mawé

fatores de indução para o turismo étnico indígena

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v16.2296

Palavras-chave:

Turismo étnico, Semiótica, Indígenas, Cultura.

Resumo

Este estudo tem como objetivo analisar os signos identitários da cultura dos povos indígenas Sateré-Mawé (Amazonas – Brasil) e Sámi (Tromsø – Noruega), como possíveis contribuições para o turismo étnico, partindo da complexa relação cultural advinda de cada povo. Levantando os traços simbólicos empregados nessas duas culturas, o estudo atende a uma perspectiva metodológica e teórica de cunho descritivo e exploratório, tendo por base a dialógica sugerida por Edgar Morin (2007), que nos permitiu tecer uma rede de conversa com outros saberes de abordagem etnográfica, a partir de estudos de caso. A coleta dos dados ocorreu em duas fases. Na primeira, foi realizada a pesquisa bibliográfica nas plataformas de Bases de dados Ebsco host e Scielo, para respaldo do embasamento teórico. A segunda fase foi realizada no lócus da pesquisa com 30 participantes de faixa etária entre 18 e 80 anos, divididos em grupos provenientes dos povos Sateré-Mawé e Sámi. Tais povos estão concentrados na zona metropolitana da cidade de Manaus e em Tromsø/ Noruega, respectivamente. As narrativas coletadas nesse período foram interpretadas a partir do marco teórico adotado, no qual utilizamos a Análise de Conteúdo (Bardin, 2016). Dessa forma, concluímos que os signos usados em rituais, artesanatos, grafismos, bebidas e alimentos são potencializadores do turismo étnico com foco no desenvolvimento sustentável. Isso decorre da cosmologia indígena ancorada no ambiente natural da floresta como meios de sobrevivência. Nessa direção, apontamos para a necessidade para salvaguardar o patrimônio material e imaterial dos indígenas das regiões em estudo.

Biografia do Autor

Joelma Monteiro de Carvalho, Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Manaus, AM, Brasil

Doutora em Turismo e Hotelaria - (UNIVALI). Mestrado em Letras e Artes pela Universidade do Amazonas (UEA). Especialista em Psicopedagogia (UERJ), Especialista em Extensão Universitária (UFSJ), Graduação em Letras pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e Pedagogia. Professora e pesquisadora da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e Secretaria Estadual de Educação - SEDUC. Membro do Grupo de Estudo Mythos - Humanidades, Complexidade e Amazônia - UEA/ CNPq e do Grupo de Pesquisa Hospitalidade, Patrimônio e Cultura UNIVALI/CNPq.

Luciano Torres Tricárico, Universidade do Vale do Itajaí (Unvali), Balneário Camboriu, SC, Brasil.

Graduação, mestrado e doutorado pela FAU USP (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo); coordenador, docente e pesquisador do Programa de Pós-graduação em Turismo e Hotelaria (UNIVALI), docente e pesquisador do Programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia Ambiental (UNIVALI), docente do curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo (UNIVALI) e cursos de especialização em Arquitetura e Design de Interiores (UNIVALI).

Referências

Alves, K. J. V. D. C. R. (2011). Educação artística numa sociedade multicultural: estudo da cultura material do povo Sámi. [Dissertação de Mestrado, Instituto Politécnico de Viana do Castelo, Portugal]. Recuperado de: http://repositório.ipvc.pt/bitstream/20.500.11960/1609 .

Amirou, R. (2007). Imaginário turístico e sociabilidades de viagem. Porto: Editora Estratégias Criativas.

Bahl, M. (2009) Dimensão cultural do turismo étnico. In: A. PANOSSO NETTO; M. G. R. ANSARAH. (Eds.). Segmenta-ção do mercado turístico: estudos, produtos e perspectivas. Barueri: Manole, p. 121 -140.

Bardin, L. (2016). Análise de Conteúdo (3 ed.). Edições 70.

Barth, F. (2000). O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Contra Capa Livraria. Recuperado de: https://ria.ufrn.br/123456789/1607

Barretto, M. (2007). Turismo y Cultura. Relaciones, Contradicciones y Expectativas. Universidad de La Laguna Lagu-na/Asociación Canaria de Antropología. Recuperado em jan. 09, 2021 de: http://www.pasosonline.org.

Barros, A. L. (2019). Sinalizadores de Empreendedorismo Indígena para o Turismo: a ressignificação da cultura do povo Guajajara no espaço vivido da aldeia Zutiwa/MA-Brasil. [Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Turismo e Hotelaria, Balneário Camboriú/SC, não publicada]. Biblioteca Municipal - UNIVALI- Balneário de Camoriú/SC.

Bauman, Z. (2007). Tempos líquidos. (Carlos Alberto Medeiros, Trad). Zahar.

Bernal, R. J. (2009). Índios Urbanos: processo de reconformação das identidades étnicas indígenas em Manaus. EDUA, Editora da Universidade Federal do Amazonas.

Boff, L. (2016). A Terra na palma da mão: uma nova visão do planeta e da humanidade. Vozes.

Bueno, M. A., Oliveira, E. A. G., Nogueira, E. M. L., & Rodrigues, M. D. S. (2019). Astronomia cultural um levantamento bibliográfico dos saberes sobre o céu de culturas indígenas. Revista Areté, 12(25), 27- 40. Recuperado de: http://repositorioinstitucional.uea.edu.br//handle/riuea/2752

Brasil. Ministério do Turismo. (2010). Programa de Regionalização do Turismo. Roteirização Turística – Módulo Ope-racional 07. Brasília.

Brasil. Ministério Público Federal. Convenção 169. OIT, 07 de junho de 1989. Recuperado de: http://www.mpf.mp.br/atuacao-tematica/ccr6/documentos-e-publicacoes/legislacao/legislacao-docs/convencoes-internacionais/convecao169.pdf/view

Brasil. Fundação Nacional do Índio (FUNAI). (2020). Covid, 2020. Recuperado de: https://www.gov.br/saude/pt-br

Brasil. Instituto do Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural Nacional (IPHAN). (2000). Decreto nº 3551, 04 de agosto de 2000. Recuperado em ago. 20, 2020 de: http://portal.iphan.gov.br/página/detalhes/234.

Brasil. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional ( IPHAN). Portaria nº 375, de setembro de 2018. Institui a Política de Patrimônio Cultural Material do Iphan e dá outras providências. Recuperado em ago. 20, 2020 de: http://portal.iphan.gov.br/página/detalhes/234.

Cardozo, P. F. (2006). Considerações preliminares sobre produto turístico étnico. PASOS. Revista de Turismo y Patri-monio Cultural, 4(2), 143-152. https://doi.org/10.25145/j.pasos.2006.04.010

Corbari, S. D., Bahl, M., & Souza, S. D. R. D. (2016). Reflexões sobre conceitos e definições atinentes ao turismo en-volvendo comunidades indígenas. Revista Investigaciones Turísticas, 12, 50-72. https://doi.org/10.14198/INTURI2016.12.03

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto; tradução Magda Lopes. Art-med.

Culler, J. (1981). Semiotics of tourism. American Journal of Semiotics, 1(1-2), 127-40. http://doi.org/10.5840/ajs198111/25

De Brito, R. M., & de Brito Braga, G. (2015). Identidade e diversidade cultural na construção de conhecimentos no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Amazonas. Educación, 24(46), 27-46. Recuperado de: https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/5061322.pdf

Dorsch, L. L. P. (2017). A objectificação da cultura Sámi: adaptabilidade no tempo e reconhecimento da identidade no norte da Sápmi norueguesa. [Dissertação de Mestrado em Antropologia, Instituto Universitário de Lis-boa]. Recuperado de: http://hdl.handle.net/10071/14594.

Dos Santos, D. M. A., de Carvalho, J. M., & Tricárico, L. T. (2020). Patrimônio imaterial e o turismo étnico em comuni-dade indígena, em Iranduba, Amazonas. Turismo e Sociedade, 12(3), 16 -35. http://doi.org/10.5380/tes.v12i3.69779.

Durkheim, E. (1985). As regras do método sociológico. Editora Nacional.

Faur, M. (2014). Mistérios Nórdicos, Deuses, Runas, Magias, Rituais. Editora Pensamento.

Geertz, C. (2008). A interpretação das culturas. LTC.

Ingold, T. (2011). Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Editora Vozes Limitada.

Leach, E. (2009). Cultura e Comunicação (2 ed.). Portugal.

MacCannell, D. (1978). The Tourist. Schocken.

Weber, M. (2009). From Max Weber: essays in sociology. Routledge.

Mello, C. (2019). Semiótica do Turismo Aplicada. Editora Appris.

Morin, E. (2007). O Método 3: conhecimento do conhecimento. (Juremir Machado da Silva, Trad., 4 ed.). Sulina.

Morin, E. (2014). O Método 4: as ideias: habitat, vida, costumes, organização. (Juremir Machado da Silva, Trad., 5 ed.). Sulina.

Oliveira, J. P. D. (1998). Uma etnologia dos índios misturados? Situação colonial, territorialização e fluxos cultu-rais. Mana, 4(1), 47-77. http://doi.org/10.1590/S0104-93131998000100003.

Olsen, W. (2015). Coleta de dados: debates e métodos fundamentais em pesquisa social. Penso Editora.

Panosso Netto, A. e Ansarah, M. G. dos R. (Eds). (2009). Segmentação do mercado turístico: estudos, produtos e perspectivas. Manole.

Peirce, C. S. (2017). Semiótica (3 ed.). Perspectiva.

Pereira, N. (2003). Os índios maués. Valer Editora.

Pettersson, R. (2002). Sámi tourism in northern Sweden: Measuring tourists’ opinions using stated preference meth-odology. European Tourism Research Institute. http://doi.org/10.1177/146735840200300407

Ricoeur, P. (2010). Do texto à acção: ensaios de hermenêutica II. Rés-Editora.

Santaella, L. (2012). Percepção: fenomenologia, ecologia, semiótica. Cengage Learning.

Santos, C. L. (2015). Etnografia Sateré-Mawé – Sahu-Apé – Turismo e cultura. Valer.

Silva, F. A. dos S. da. (2013). Turismo na natureza como base do desenvolvimento turístico responsável nos Açores. [Tese de Doutorado, Universidade de Açores]. Recuperado de: http://hdl.handle.net/10451/8742

Silveira, L. F. B. (2007). Curso de semiótica geral. Quartier Latin.

Thomaz, R. C. C. (2010). A revalorização e difusão do patrimônio cultural como meio desenvolvimento do turismo rural e cultural: estudo de caso da rede galega do patrimônio arqueológico. Revista Tópos, 4(2), 33-59.

Turner, V. (2005). Floresta de símbolos. EdUFF.

Urry, J. (2001). O Olhar do turista. Studio Nobel. SESC.

Van den Berghe, P. L. (1992). Turismo e divisão étnica do trabalho. Annals of Tourism Research. 19 (2), 234-249. https://doi.org/10.1016/0160-7383(92)90079-5

Weaver, D. B. (1991). Alternatives to mass tourism in Dominica. Annals of Tourism Research […], Sidney, AUS, v.18, n. 3. https://doi.org/10.1016/0160-7383(91)90049-H.

Yin, R. K. (2015). Estudo de Caso: Planejamento e métodos. Bookman editora.

Downloads

Publicado

2022-01-11

Edição

Seção

Artigos - Turismo e Sociedade