Parcerias público-privadas e sua importância para a sustentabilidade do espeleoturismo no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v16.2258

Palavras-chave:

Turismo espeleológico, Turismo subterrâneo, Espeleologia recreative, Cavernas turísticas, Turismo sustentável.

Resumo

No Brasil há mais de 20 mil cavernas registradas no Cadastro Nacional de Informações Espeleológicas (CANIE), das quais algumas centenas são usadas de modo formal ou informal para a visitação turística e apenas 44 contam com o instrumento formal que regula a gestão deste uso, o Plano de Manejo Espeleológico (PME). Isso implica em aspectos positivos e negativos para o setor e desafios para as entidades gestoras de cavernas turísticas, públicas e privadas. Diante disso, esta investigação foi realizada com o objetivo de apresentar propostas para ampliar a sustentabilidade do espeleoturismo no país. Trata-se de um estudo de caso sobre cinco cavernas turísticas localizadas em Minas Gerais. A coleta de dados ocorreu através da revisão da literatura e da pesquisa de campo, que envolveu observação direta e entrevista semiestruturada com os gestores utilizando como instrumento um questionário. Posteriormente, os dados foram organizados e interpretados utilizando a análise de conteúdo como método. Os resultados obtidos ressaltam as potencialidades e as limitações de cada tipo de gestão de caverna turística, e constatam que a sustentabilidade do espeleoturismo no Brasil será atingida por meio da consolidação de parcerias efetivas entre o governo e as entidades privadas.

Biografia do Autor

Hugo Rodrigues de Araujo, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), Teófilo Otoni, MG, Brasil.

Doutor em Turismo (Universidade de Lisboa), Professor do curso de Turismo da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM).

 

Heros Augusto Santos Lobo, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Sorocaba, SP, Brasil.

Doutor em Geociências e Meio Ambiente (Unesp), Professor do Depto. de Geografia, Turismo e Humanidades da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar/Sorocaba-SP).

Referências

ABETA - Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura & Ministério do Turismo. (2009). Manual de Boas Práticas e Aventura Segura: Espeleoturismo. Belo Horizonte, MG: ABETA & Ministério do Tu-rismo.

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2020). Turismo de aventura: Líderes de espeleoturismo de aven-tura e espeleoturismo vertica: Competências de pessoal (ABNT NBR 15399:2020). São Paulo, SP: ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas.

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2008). Turismo de aventura: Espeleoturismo de aventura: Re-quisitos para produto (ABNT NBR 15503:2008). São Paulo, SP: ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas.

Araújo, M. A. R. (2012). Unidades de conservação no Brasil: a história de um povo em busca do desenvolvimento e da proteção da natureza. In: Araújo, M. A. R (ed.), Unidades de conservação no Brasil: o caminho da Gestão para Resultados (pp. 51-109). São Carlos, SP: RIMA Editora.

Brasil. (1990). Decreto Nº 99.556. Dispõe sobre a proteção das cavidades naturais subterrâneas existentes no terri-tório nacional, e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990-1994/D99556.htm#:~:text=DECRETO%20No%2099.556%2C%20DE,que%20lhe%20confere%20o%20art.

Brasil. (1998). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 (18a ed.). São Paulo: Saraiva.

Berno, T., & Bricker, K. (2001). Sustainable tourism development: the long road from theory to practice. International journal of economic development, 3(3), 1-18.

Carvalho, M. (2014). Parcerias Público-privadas e turismo: um modelo de aplicação para fomentar o desenvolvimen-to socioeconômico e o desenvolvimento sustentável no Brasil. Curitiba, PR Editora CRV.

Cavalcanti, L. F., Lima, M. F., Medeiros, R. C. S., & Meguerditchian, I. (2012). Plano de ação nacional para a conser-vação do patrimônio espeleológico nas áreas cársticas da Bacia do Rio São Francisco. Brasília: Instituto Chi-co Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio.

Cigna, A., & Burri, E. (2000). Development, management and economy of show caves. International Journal of Speleology, 29(1), 1-27. http://dx.doi.org/10.5038/1827-806X.29.1.1

Cigna, A. A. (2011). Show cave development with special references to active caves. Tourism and Karst Areas, 4(1), 7-16.

Cigna, A., A. (1993). Environmental management of tourist caves, The examples of Grotta di Castellana and Grotta Grande del Vento, Italy. Environmental Geology, 21, 173-180. https://doi.org/10.1007/BF00775302

Cooper, C. (2008). Tourism: Principles and practice (4th ed.). Harlow, England: Prentice Hall Financial Times.

Eagles, P. F., McCool, S. F., Haynes, C. D., & Phillips, A. (2002). Sustainable tourism in protected areas: Guidelines for planning and management. Gland, Switzerland: IUCN.

Elliot, J. (1997). Tourism: Politics and Public Sector Management. New York, NY: Routledge.

Ferreira R. L., & Horta, L. C. S. (2001). Natural and human impacts on invertebrate communities in Brazilian caves. Revista Brasileira de Biologia, 61(1), 7-17. https://doi.org/10.1590/S0034-71082001000100003

Gillieson, D. S. (2011). Management of Caves. In: Van Beynen, P. E. (Ed.). Karst Management (pp. 141-158). New York, NY: Springer Dordrecht. https://doi.org/10.1007/978-94-007-1207-2_6

Hardy, A. L., & Beeton, R. J. (2001). Sustainable tourism or maintainable tourism: managing resources for more than average outcomes. Journal of Sustainable Tourism, 9(3), 168-192. https://doi.org/10.1080/09669580108667397

Liu, Z. (2003). Sustainable tourism development: a critique. Journal of sustainable tourism, 11(6), 459-475. https://doi.org/10.1080/09669580308667216

Lobo, H. A., Perinotto, J. A., & Boggiani, P. C. (2008). Espeleoturismo no Brasil: panorama geral e perspectivas de sustentabilidade. Revista Brasileira de Ecoturismo, 1(1), 62-83. https://doi.org/10.34024/rbecotur.2008.v1.5839

Lobo, H. A. (2014). Fundamentos básicos do espeleoturismo. Dourados, MS: UEMS.

Lobo, H. A. (2015). Caracterização e tendências de gestão dos impactos negativos e positivos do espeleoturismo. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 9(2), pp. 321-341. http://dx.doi.org/10.7784/rbtur.v9i2.842

Marra, R. (2001). Planejamento e a Prática do Turismo em Cavernas. Actas do 13th International Congress of Speleology (pp. 663-666). Brasília, DF: SBE.

ICMBio - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. (2020). Cadastro Nacional de Informações Espeleológicas – CANIE. Recuperado de https://www.icmbio.gov.br/cecav/canie.html

ISCA, IUCN, & UIS. (2014). Recommended international guidelines for the development and management of show caves. Recuperado de https://www.uis-speleo.org/documents/Recommended_International_Guidelines_published_version.pdf

Mebratu, D. (1998) Sustainability and sustainable development: historical and conceptual review. Environmental Impact Assessment Review, 18, 493-520. https://doi.org/10.1016/S0195-9255(98)00019-5

Mulec, J. (2014). Human impact on underground cultural and natural heritage sites, biological parameters of monitor-ing and remediation actions for insensitive surfaces: Case of Slovenian show cave. Journal for Nature Con-servation, 22. 132–141. https://doi.org/10.1016/j.jnc.2013.10.001

Sallun Filho, W., & Karmann, I. (2007). Geomorphological map of the Serra da Bodoquena karst, west-central Brazil. Journal of maps, 3(1), 282-295. https://doi.org/10.1080/jom.2007.9710845

Peccatiello, A. F. O. (2011). Políticas públicas ambientais no Brasil: da administração dos recursos naturais (1930) à criação do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (2000). Desenvolvimento e Meio Ambiente, (24), 71-82. http://dx.doi.org/10.5380/dma.v24i0.21542

Piló, L. B., & Auler, A. (2011). Introdução à espeleologia. Curso de espeleologia e licenciamento ambiental. Belo Horizonte, MG: Instituto Terra Brasilis.

Pfueller, S.L., Lee, D., & Laing, J. (2011) – Tourism partnerships in protected areas: exploring contributions to sustain-ability. Environmental Management, 48(4), 734-749. https://doi.org/10.1007/s00267-011-9728-y

Rodrigues, C. G., & Godoy, L. R. (2013). Atuação pública e privada na gestão de Unidades de Conservação: aspectos socioeconômicos da prestação de serviços de apoio à visitação em parques nacionais. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 28, 75-88. http://dx.doi.org/10.5380/dma.v28i0.31280

Rocktaeschel, B. M. M. M. (2006). Terceirização em áreas protegidas: estímulo ao ecoturismo no Brasil. São Pau-lo, SP: Editora Senac.

Rylands, A. B.; & Brandon, K. (2005). Unidades de Conservação brasileiras. Megadiversidade, 1(1), 27–35.

Sachs, I. (1993). Estratégias de transição para o século XXI. In Bursztyn, M., Mendes, A., Sachs, I. ... Leitão, P (Orgs.). Para pensar o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Brasiliense (pp.29-56). São Paulo, SP: Editora Brasiliense.

Saporiti, N. (2006, junho). Managing national parks: how public-private partnerships can aid conservation. World Bank Other Operational Studies from The World Bank. Recuperado de https://openknowledge.worldbank.org/bitstream/handle/10986/11185/371980VP0no03090Saporiti01PUBLIC1.pdf?sequence=1

SEMEIA. (2015). Modelos de gestão aplicáveis às Unidades de Conservaçãodo Brasil. São Paulo, SP: Instituto Se-meia.

Sharpley, R. (2009). Tourism Development and the Environment: Beyond Sustainability? London, England: Earthscan. https://doi.org/10.4324/9781849770255

Spenceley, A., & Snyman, S. (2017). Can a wildlife tourism company influence conservation and the development of tourism in a specific destination? Tourism and Hospitality Research, 17(1), 52-67. https://doi.org/10.1177/1467358416634158

UNWTO. (2018). UNWTO Tourism Highlights: 2018 Edition. Madrid, Spain: UNWTO.

Utting, P., & Zammit, A. (2009). United Nations-business partnerships: Good intentions and contradictory agendas. Journal of Business Ethics, 90(1), 39. https://doi.org/10.1007/s10551-008-9917-7

Watson, J. E. M., Dudley, N., Segan, D. B., & Hockings, M. (2014). The performance and potential of protected areas. Nature, 515(7525), 67–73. https://doi.org/10.1038/nature13947

Williams, P. (2008). World heritage caves and karst. Gland, Switzerland: IUCN.

ONU. (2015). Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Recuperado de https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2015/10/agenda2030-pt-br.pdf.

Downloads

Publicado

2021-10-24

Edição

Seção

Artigos - Gestão do Turismo