Reincorporação da Ética às Políticas Públicas de Turismo

uma necessária reflexão no combate às consequências do Covid-19

Palavras-chave: Ética, Políticas Públicas, Covid-19, Bem Comum, Turismo Sustentável

Resumo

Sob uma ótica global, o fenômeno turístico tem sido caracterizado por uma racionalidade econômica que fortalece a dissociação entre “políticas públicas” e “ética”, ao abdicar de propósitos voltados ao bem comum. Reproduz a lógica finalística de crescimento no fluxo excessivo de turistas e a expansão do consumo, sem um planejamento responsável e sustentável. O objetivo desta pesquisa é compreender em que medida a ética vem sendo contemplada nas políticas públicas nacionais de Turismo, e identificar elementos que possam se tornar premissas e/ou proposições para futuras políticas de mitigação das consequências da pandemia (Covid-19), com vistas ao bem comum e a sustentabilidade. Para tanto, foi realizada uma pesquisa exploratória, com abordagem qualitativa, por meio de entrevistas com 29 pesquisadores de notório saber no campo do Turismo. Resultados apontam que as futuras políticas públicas de Turismo, no combate aos distúrbios do Covid-19, devem considerar, como premissa suprema, o propósito para além de uma base restringida ao progresso econômico dos destinos, mas principalmente direcionado a um processo de desenvolvimento humano e sustentável e de bem estar comum.

Biografia do Autor

João Paulo Faria Tasso, Universidade de Brasília (UNB), Brasília, Distrito Federal, Brasil.

Docente do Centro de Excelência em Turismo da Universidade de Brasília (CET/UnB). Pós-Doutorando junto ao Programa de Pós-Graduação em Turismo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (PPGTUR/CCSA/UFRN). Doutor em Desenvolvimento Sustentável pelo CDS/UnB. Líder do Laboratório de Estudos em Turismo e Sustentabilidade (LETS). As suas pesquisas concentram-se nos temas de turismo, desenvolvimento sustentável, ética e inclusão socioprodutiva.

Marutschka Martini Moesch, Universidade de Brasília (UNB), Brasília, Distrito Federal, Brasil

Doutora em Comunicação Social pela ECA/USP (2004). Professora Adjunta e Coordenadora do Pós-Graduação do Centro de Excelência em Turismo da Universidade de Brasília (CET/UnB). Pesquisadora nos temas de epistemologia, metodologias de pesquisa, educação e qualificação em turismo, políticas públicas e planejamento em Turismo. Líder do grupo de pesquisa Políticas Públicas e Turismo. Realizou projeto de pesquisa para pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFRGS (2017-2018).

Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, RN, Brasil.

Doutor em Ciências sócio Ambientais pela Universidade Federal do Pará (NAEA/UFPA). Docente da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Líder do Grupo de Pesquisa em Planejamento e Organização do Turismo – GEPPOT/UFRN/CNPQ. As suas pesquisas concentram-se em turismo, políticas públicas, e desenvolvimento local e regional.

Referências

Abramovay, R. (2012). Muito além da Economia Verde. Abril.

Aristóteles. (1991). Ética a Nicômaco. Livro I. Nova Cultural.

Bauman, Z. (2013). Ética pós-moderna. Paulus.

Beni, M. C. (2020). Saturação e Rejeição ao Turismo nas Destinações Turísticas. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo (RBTur), São Paulo, 14 (2), 1-8. https://doi.org/10.7784/rbtur.v14i2.1847 DOI: https://doi.org/10.7784/rbtur.v14i2.1847

Beni, M. C. (2003). Como certificar o turismo sustentável? Revista Turismo em Análise, 14 (02), 5-16. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v14i2p5-16 DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v14i2p5-16

Boff, L. (2003). Ética y moral: La búsqueda de los fundamentos. Bilbao: Editorial Sal Terrae.

Brasil (2020a). Presidência da República. MP 936. Recuperado em 01 de abril, 2020, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2020/Mpv/mpv936.htm

Brasil (2020b). Ministério do Turismo. Não cancele, remarque. Recuperado em 31 de março, 2020, de http://www.turismo.gov.br/nao-cancele-remarque

Brasil (2020c). Presidência da República. MP 948. Recuperado em 08 de abril, 2020, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2020/Mpv/mpv948.htm

Brasil (2020d). Presidência da República. MP 963. Recuperado em 07 de maio, 2020, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2020/Mpv/mpv963.htm

Brasil (2020e). Ministério do Turismo. Selo turismo responsável: Limpo e seguro. Recuperado em 24 de julho, 2020, de http://www.turismo.gov.br/seloresponsavel/

Brasil (2019a). Ministério do Turismo. Plano Nacional de Turismo - 2018-2022. Recuperado em 10 de janeiro, 2019, de www.turismo.gov.br

Brasil (2019b). Ministério do Turismo. Brasil anuncia fim dos vistos para Estados Unidos, Austrália, Canadá e Japão. Recuperado em 23 de março, 2019, de http://www.turismo.gov.br/%C3%BAltimas-not%C3%ADcias/12514-brasil-anuncia-fim-dos-vistos-para-turistas-dos-estados-unidos,-austr%C3%A1lia,-canad%C3%A1-e-jap%C3%A3o.html

Bursztyn, M., Bursztyn, M. A. (2012). Fundamentos de política e gestão ambiental: Os caminhos do desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond.

Cheung, K. S., LI, L. H. (2019). Understanding visitor–resident relations in overtourism: developing resilience for sustainable tourism. Journal of Sustainable Tourism, v. 1, n. 20, 2019. https://doi.org/10.1080/09669582.2019.1606815 DOI: https://doi.org/10.1080/09669582.2019.1606815

Colomb, C., Novy, J. (2016). Protest and resistance in the tourist city. London: Routledge. https://doi.org/10.4324/9781315719306 DOI: https://doi.org/10.4324/9781315719306

Córdoba y Ordóñez, J., Fuentes, A. G. (2003). Turismo, globalización y medio ambiente en el Caribe mexi-cano. Investigaciones Geográficas, UNAM, México, 52, 117-136. https://doi.org/10.14350/rig.30339 DOI: https://doi.org/10.14350/rig.30339

Cornes, R., Sandler, T. (2003). The theory of externalities, public goods, and club goods. Cambridge: Cambridge Uni-versity Press.

Cortina, A., Orts, A., Navarro, E. M. (1996). Ética. Ediciones Akal.

Cruz, R. C. A. (2019). Por que Angra do Reis não deve se transformar em uma Cancún. Jornal da USP, São Paulo. Re-cuperado em 08 de junho, 2019, de https://jornal.usp.br/artigos/por-que-angra-dos-reis-nao-deve-transformar-se-em-uma-cancun/

Dye, T. R., & Dye, T. R. (1992). Understanding public policy. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.

Embratur. Instituto Brasileiro de Turismo. (2019a). Chegadas de voos internacionais ao Brasil crescem 7% em janeiro. Recuperado em 05 de fevereiro, 2019, de http://www.embratur.gov.br/piembratur-new/opencms/salaImprensa/noticias/arquivos/Chegadas_de_voos_internacionais_ao_Brasil_crescem_7_em_janeiro.html

Embratur. Instituto Brasileiro de Turismo. (2019b). Rei do Rolê é oficialmente lançado. Recuperado em 15 de outu-bro, 2019, de http://www.embratur.gov.br/piembratur-new/opencms/salaImprensa/noticias/arquivos/Rei_do_Role_e_oficialmente_lancado.html

Figueiredo, S. L., Nóbrega, W. R. M. (2015). Turismo e desenvolvimento regional: conceitos e políticas em um caso brasileiro. In: Figueiredo, S. L., Azevedo, F. F., Nóbrega, W. R. M (Org.). Perspectivas contemporâneas de aná-lise em turismo. NAEA.

Folha de São Paulo. (2019a). Isenção de visto para chineses e indianos surpreende diplomatas, que temem por segu-rança. Recuperado em 28 de outubro, 2019, de https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2019/10/isencao-de-visto-para-chineses-e-indianos-surpreende-diplomatas-que-temem-por-seguranca.shtml

Folha de São Paulo. (2019b). Angra dos Reis rejeita ideia de criar uma ‘Cancún brasileira’. Recuperado em 05 de agosto, 2019, de https://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2019/08/angra-dos-reis-rejeita-ideia-de-criar-uma-cancun-brasileira.shtml

Gastal, S., Moesch, M. M. (2007). Turismo, políticas públicas e cidadania. Aleph.

Gerhardt, T. E., Silveira, D. T. (2009). Métodos de pesquisa: Universidade Aberta do Brasil. Editora da UFRGS.

Goodwin, H. (2017). The Challenge of Overtourism. Responsible Tourism Partnership, Working Paper 4. Recuperado em 10 de dezembro, 2017, de https://haroldgoodwin.info/pubs/RTP‘WP4Overtourism01‘2017.pdf

Hall, C. M., Jenkins, J. M. (1995). Tourism and Public Policy. Northwestern University: Routledge.

Hall, C. M., Jenkins, J. M. (2004). Tourism, politics and public policy. In Lew, A. A., Hall, C. M., Williams, A. M. (eds). A companion to tourism, Blackwell, Oxford, UK, 525-540.

Hardin, G. (1968). The Tragedy of the Commons. Science, 162(3859), 1243 – 1248. 10.1126/science.162.3859.1243

Hardt, M., Negri, A. (2011). Commonwealth: El Proyecto de una revolución del común. Editorial Akal.

Harvey, D. (2011). The Future of the Commons. Radical History Review, 109, 101-107. https://doi.org/10.1215/01636545-2010-017 DOI: https://doi.org/10.1215/01636545-2010-017

Hogwood, B., Gunn, L. (1984). Policy Analysis for the Real World. Oxford: Oxford University Press.

Karnal, L. (2019). Provocações sobre ética. Recuperado em 10 de abril, 2019, de https://www.youtube.com/watch?v=-lto47d29JI&t=1349s

Martins, M. M. (2018). Tourism Planning and Tourismphobia: an analysis of the strategic tourism plan of Barcelona 2010-2015. Journal of Tourism, Heritage & Services Marketing, 04(01), 3-7. DOI: 10.5281/zenodo.1247519

Meade, J. E. (1979). The theory of economic externalities: the control of environmental pollution and similar social costs. Genéve: Institut Universitaire de Hautes Etudes Internationales.

Minayo, M. C. S. (2001). Pesquisa social: Teoria método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes.

Moesch, M. M. (2004). Epistemologia social do turismo. Tese (doutorado). Escola de Comunicação e Artes / Universi-dade de São Paulo, São Paulo.

Moesch, M. M. (2013). El origen del conocimiento: el lugar de la experiencia y de la razón en la génesis del conoci-miento del turismo. Estudios y Perspectivas en Turismo, 22 (05), 985-1001.

Molina, E. S. (1998). Turismo y Ecologia. Trilhas.

Novaes, A. (2002). Ética. Companhia das Letras.

Ostrom, E. (1990). Governing the Commons: The Evolution of Institutions for Collective Action. Cambridge University Press. https://doi.org/10.1017/CBO9780511807763 DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9780511807763

Portal G1. (2019b). Bolsonaro diz que vai isentar chineses e indianos de visto para turismo ou negócios no Brasil. Recuperado em 24 de outubro, 2019, de https://g1.globo.com/mundo/noticia/2019/10/24/bolsonaro-diz-que-vai-isentar-chineses-de-visto-para-turismo-ou-negocios-no-brasil.ghtml?utm_source=push&utm_medium=app&utm_campaign=pushg1

Sachs, I. (2002). Inclusão social pelo trabalho: desenvolvimento humano, trabalho decente e o futuro dos empreende-dores de pequeno porte no Brasil. Garamond.

Schio, S. M. (2009). Aristóteles e ação humana. Conjectura, 14(01).

Sen, A. (2000). Desenvolvimento como Liberdade. São Paulo: Companhia das Letras.

Spinoza, B. (2009). Ética. Autêntica Editora.

Tasso, J. P. F. (2019). Turismo na Contemporaneidade: desafios (éticos) e a busca pelo bem comum. Palestra no 24º Seminário do Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA). Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Tasso, J. P. F. (2014). À procura da inclusividade: Estudo sobre os fatores de inclusão socioeconômica em destinos turísticos brasileiros. Tese de Doutorado. Brasília: Centro de Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Brasília.

Teixeira, E. C. (2002) O papel das políticas públicas no desenvolvimento local e na transformação da realidade. Salva-dor: Associação dos Advogados de Trabalhadores Rurais - AATR-BA. Recuperado em 04 de março, 2016, de http:// http://www.escoladebicicleta.com.br/politicaspublicas.pdf

World Tourism Organization (UNWTO). (2019). ‘Overtourism’? Understanding and Managing Urban Tourism Growth beyond Perceptions. Recuperado em 25 de junho, 2019, de https://www.e-unwto.org/doi/pdf/10.18111/9789284420070

World Tourism Organization (UNWTO). (2020a). Las cifras de turistas internacionales podrían caer un 60-80% en 2020, informa la OMT. Recuperado em 07 de maio, 2020, de https://www.unwto.org/es/news/covid-19-las-cifras-de-turistas-internacionales-podrian-caer-un-60-80-en-2020

World Tourism Organization (UNWTO). (2020b). UNWTO Leads call for firm action by governments to support tourism recovery. Recuperado em 17 de abril, 2020, de https://www.unwto.org/news/firm-action-by-governments-to-support-tourism-recovery-covid-19

World Tourism Organization (UNWTO). (2020c). Tweeter Zurab Pololikashvili. Recuperado em 27 de maio, 2020, de https://twitter.com/i/status/1265695617369726976

World Tourism Organization (UNWTO). (2000). Global Code of Ethics for Tourism. Recuperado em 18 de março, 2020, de https://www.unwto.org/global-code-of-ethics-for-tourism

World Tourism Organization (UNWTO). (2010). Cuenta satélite de turismo: recomendaciones sobre el marco concep-tual. In: IBGE. Economia do Turismo: uma perspectiva macroeconômica 2003-2007. Rio de Janeiro: Estudos e Pesquisas: Informação Econômica, 13.

World Travel & Tourism Council (WTTC). (2019). Economic impact. Recuperado em 25 de junho, 2019, de www.wttc.org/economic-impact/.

Publicado
02-01-2021
Seção
Chamada especial: Turismo e COVID-19