As práticas do Slow Food no Brasil

uma análise das relações de hospitalidade e turismo no espaço cotidiano da região Sul do país

Palavras-chave: Slow Food, Hospitalidade, Comensalidade, Turismo, Brasil.

Resumo

O Slow Food é um movimento internacional que defende o prazer da alimentação associado à produção social e ambientalmente responsável de alimentos. O Brasil possui 65 convívios Slow Food distribuídos em seu território. O objetivo central da pesquisa é: analisar o Slow Food e suas relações com o espaço cotidiano da hospitalidade e do turismo no Brasil. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, com uso de questionários estruturados com 30 questões organizadas a partir das categorias analíticas: lugar, área contígua de hospitalidade, identidade, ação solidária, permanências, liberdade e soberania. O recorte analítico é a região sul, totalizando 13 convívios pesquisados. Como principais resultados, destacam-se: as ações do movimento ocorrem com base em redes, convivialidade e diversas ações solidárias, manifestadas pelo voluntarismo das ações de seus membros em diversos projetos, denotando relações diretas de hospitalidade. Identificou-se uma centralização de recursos e informações pelo Slow Food internacional e pouco apoio aos convívios em escala local. As relações com turismo se mostraram indiretas, por intermédio das ações de inserção dos produtos nas cadeias de distribuição dos membros dos convívios, porém com ações e projetos com base no resgate de saberes, no fortalecimento dos lugares, na valorização e reafirmação de identidades no espaço social alimentar.

Biografia do Autor

Vander Valduga, Universidade Federal do Paraná (UPFR), Curitiba, PR, Brasil

Doutorado em Geografia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professor do Departamento de Turismo e do Programa de Mestrado em Turismo da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

 

Maria Henriqueta Sperandio Garcia Gimenes Minasse, Universidade Anhembi Morumbi, Morumbi, São Paulo, Brasil.

Doutorado em História pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Professora de Gastronomia e Hotelaria e no Programa de Graduação em Hotelaria e no Mestrado Profissional em Gerenciamento de Alimentos e Bebidas da Universidade Anhembi Morumbi.

Referências

Andrews, G. (2008). The slow food story: politics and pleasure. London: Pluto Press.

Anthopoulou, T. (2010). Rural women in local agrofood production: Between entrepreneurial initiatives and family strategies. A case study in Greece. Journal of Rural Studies, 26, 394-403. https://doi.org/10.1016/j.jrurstud.2010.03.004 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jrurstud.2010.03.004

Bagnasco, A. (1999). Desenvolvimento Regional, sociedade local e economia difusa. In: Cocco, G., Urani., A. Galvão, A., P. (Org.). Empresários e empregos nos novos territórios produtivos: o caso da Terceira Itália. DP&A.

Barquero, A. V. (2001). Desenvolvimento endógeno em tempos de globalização. UFRGS.

Baptista, I. (2002). Lugares de Hospitalidade In: Dias, C. M. M. (Org). Hospitalidade: reflexões e perspectivas. Manole.

Baptista, I. (2005). Para uma geografia de proximidade humana. Revista Hospitalidade, São Paulo, 2(2), p. 11-22.

Baptista, I. (2008). Hospitalidade e eleição intersubjectiva: sobre o espírito que guarda os lugares. Revista Hospitalidade. São Paulo, 5 (2), pp. 5-14.

Bartoly, F. (2011). Debates e perspectivas do lugar na geografia. GEOgraphia, 26, p. 66-91. https://doi.org/10.22409/GEOgraphia2011.v13i26.a13625 DOI: https://doi.org/10.22409/GEOgraphia2011.v13i26.a13625

Bauman, Z. (2001). Modernidade líquida. Jorge Zahar Ed.

Bardin, L. (2009). L’analyse de contenu. Puf.

Boff, L. (2006). Virtudes para um mundo possível: convivência, respeito e tolerância. Volume II, Petrópolis, RJ: Vozes.

Boutaud, J. J. (2011). Comensalidade - Compartilhar a mesa. In: Montandon, A. O livro da hospitalidade: ac-olhida do estrangeiro na história e nas culturas. Senac, pp. 1213-1230.

Bingen, J., Sage, J., & Sirieix, L. (2011). Consumer coping strategies: a study of consumers committed to eating local. International Journal of Consumer Studies, 35, 410-419. https://doi.org/10.1111/j.1470-6431.2010.00949.x DOI: https://doi.org/10.1111/j.1470-6431.2010.00949.x

Bowen, S., & De Master, K. (2011). New rural livelihoods or museums of production? Quality food initiatives in practice. Journal of Rural Studies, 27, p.73-82. https://doi.org/10.1016/j.jrurstud.2010.08.002 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jrurstud.2010.08.002

Bucchi, M. (2013). Style in science communication. Public Understanding of Science, 22 (8), p. 904-915. https://doi.org/10.1177/0963662513498202 DOI: https://doi.org/10.1177/0963662513498202

Canesqui, A. M.; Garcia, R. W. D. (2005). Orgs. Antropologia e nutrição: um diálogo possível. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Carlos, A., F., A. (2007). O lugar no/do mundo. São Paulo: FFLCH.

Carneiro, H. (2003). Comida e sociedade: uma história da alimentação. Rio de Janeiro: Editora Campus.

Schechter, M. (2004). Conviviality, gender and love stories: Plato’s symposium and ISAK Dinesen’s (K. Blix-en’s) Babette’s feast. Trans, Internet journal for cultural sciences, 1(15), s/p.

Faltin, A. O.; Gimenes-Minasse, M. H. (2019). Comensalidade, hospitalidade e convivialidade: um ensaio Teó-rico. Rosa dos Ventos. Turismo e Hospitalidade, 11(3), p. 634-652. http://dx.doi.org/10.18226/21789061.v11i3p634 DOI: https://doi.org/10.18226/21789061.v11i3p634

Flandrin, J. L, Montanari, M. (1998). História da alimentação. São Paulo: Estação Liberdade.

Fischler, C. (1998). A “MacDonaldização” dos costumes. In: Flandrin, J., L.; Montanari, M. História da alimen-tação. São Paulo: Estação Liberdade.

Frémont, A. (1999). La région: espace vécu. Paris: Flammarion.

Fischler C. (2011). Commensality, society and culture. Social Science Information. 50th anniversary issue 50 (3-4), p. 528-548. https://doi.org/10.1177/0539018411413963 DOI: https://doi.org/10.1177/0539018411413963

Fons, M., & Fraile, M. (2014). Political consumerism and the decline of class politics in Western Europe. Inter-national Journal of Comparative Sociology, 54 (5-6), p. 467-489. https://doi.org/10.1177/0020715213516476 DOI: https://doi.org/10.1177/0020715213516476

Gentile, C. (2016) Slow food na Itália e no Brasil: História, projetos e processos de valorização dos recursos locais. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável), Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília, 412 p.

Germov, J., Williams, L., & Freij, M. (2010). Portrayal of the Slow Food movement in the Australian print media conviviality, localism and romanticism. Journal of Sociology, 47 (1), p. 89-106. https://doi.org/10.1177/1440783310369021 DOI: https://doi.org/10.1177/1440783310369021

Gotman, A. (2001). Le sens de l’hospitalité. Essai sur les fondements sociaux de l’accueil de l’autre. PUF. https://doi.org/10.3917/puf.gotma.2001.01 DOI: https://doi.org/10.3917/puf.gotma.2001.01

Gotman, A. (2013). Entrevista a Marie Raynal. Revista Hospitalidade, 10(1), p. 146- 157.

Lemos, L. (2005). O valor turístico na economia da sustentabilidade. Aleph.

Lee, K., Scott, N., & Packer, J. (2014). Habitus and food lifestyle: In-destination activity participation of Slow Food members. Annals of Tourism Research, 48, p. 207-220. https://doi.org/10.1016/j.annals.2014.06.009 DOI: https://doi.org/10.1016/j.annals.2014.06.009

Lipovetsky, G.; (2007). A felicidade paradoxal. Companhia das Letras.

Lynch, P., Molz, J. P., Mcintosh, A., Lugosi, P., Lashley, C., (2011). Theorizing hospitality, Hospitality & Society 1: 1, p. 3–24. https://doi.org/10.1386/hosp.1.1.3_2 DOI: https://doi.org/10.1386/hosp.1.1.3_2

Lorenzini, E., Calzati, V., & Giudici, P. (2011) Territorial Brands for Tourism Development a statistical analysis on the Marche Region. Annals of Tourism Research, 38 (2), p. 540-560. https://doi.org/10.1016/j.annals.2010.10.008 DOI: https://doi.org/10.1016/j.annals.2010.10.008

Marrone, G. (2011) Brand on the run: Mirada semiótica sobre Slow Food. Tópicos del Seminário Benemérita. Universidad Autónoma de Puebla, México, . 26, p. 59-92.

Massey, D., & Keynes, M. (2004). Filosofia e política da espacialidade: Algumas considerações. GEOgraphia. 6(12). https://doi.org/10.22409/GEOgraphia2004.v6i12.a13477 DOI: https://doi.org/10.22409/GEOgraphia2004.v6i12.a13477

Massey, D. (2008). Pelo espaço: por uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Mauss, M. Sociologia e antropologia. Cosac Naify, 2003.

Mayer, H., Knox, P. (2006) Slow cities: sustainable places in a fast world. Journal of Urban Affairs, 28(4), p. 321-334. https://doi.org/10.1111/j.1467-9906.2006.00298.x DOI: https://doi.org/10.1111/j.1467-9906.2006.00298.x

Montandon, A. (2011). Espelhos da Hospitalidade. In: Montandon, Alain. O livro da hospitalidade: acolhida do estrangeiro na história e nas culturas. São Paulo, Senac.

Patrignani, N., & Whitehouse, D. (2013). Slow Tech: a quest for good, clean and fair ICT. Journal of Information, Communication and Ethics in Society, 12 (2), p.78-92. https://doi.org/10.1108/JICES-11-2013-0051 DOI: https://doi.org/10.1108/JICES-11-2013-0051

Petrini, C. (2005). Buono, pulito e giusto. Principi di nuova gastronomia. Einaudi.

Petrini, C., Padovani, G. (2005). Slow Food revolution: da Arcigola a Terra Madre. Una nuova cultura del cibo e della vita. Milan, Italy: Rizzoli.

Petrini, C. (2012). A centralidade do alimento. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DO SLOW FOOD (2012 - 2016). 6., 2012. [Anais…]. Roma. Retrieved 30 maio 2018, from http://www.slowfoodbrasil.com/campanhas-e-manifestos/598-a-centralidade-do-alimento.

Poulain, J.P. (2004). Sociologias da alimentação: os comedores e o espaço social alimentar. Editora da UFSC.

Relph, E. (2012). Reflexões sobre a emergência, aspectos e essência de lugar. In: Marandola Jr., E. et al. (Org). Qual o espaço do lugar? Perspectiva, p. 30.

Ritzer, G. (2015). The McDonaldization of Society, 8th edition, SAGE Publications, USA.

Richardson, R. J. (2014). Métodos e técnicas de pesquisa social. Atlas.

Salles, M. R. R, Bueno, M. S, Bastos, S. R. (2014). Receber e acolher em São Paulo: desafios da hospitalidade numa feira boliviana, Kantuta. Revista Iberoamericana de Turismo – RITUR, 4(1), p. 95-109.

Santos, M. (1994). Técnica, espaço, tempo, globalização e meio técnico-científico informacional. São Paulo, Hucitec.

Santos, M. (2006). A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: EDUSP.

Sassatelli, R., & Davolio, F. (2010). Consumption, Pleasure and Politics Slow Food and the politico-aesthetic problematization of food. Journal of Consumer Culture, 10 (2), p. 202-232. https://doi.org/10.1177/1469540510364591 DOI: https://doi.org/10.1177/1469540510364591

Sebastiani, R., Montagnini, F., & Dalli, D. (2012). Ethical Consumption and New Business Models in the Food Industry. Evidence from the Eataly Case. Journal Business Ethics, 114, p. 473-488. https://doi.org/10.1007/s10551-012-1343-1 DOI: https://doi.org/10.1007/s10551-012-1343-1

Sobal, J.; Nelson, M. K. (2003). Commensal eating patterns: a community study. Appetite. 41, p.181–190. https://doi.org/10.1016/S0195-6663(03)00078-3 DOI: https://doi.org/10.1016/S0195-6663(03)00078-3

Slow Food Internacional (2017). Retrieved 19 fev. 2017, from http://www.slowfoodinternacional.com.

Slow Food Brasil (2019). Retrieved 19 fev. 2019, from http://www.slowfoodbrasil.com/convivium/onde-estamos-convivia-no-brasil.

Spolon, A, P, G. (2015). Hospitalidade em rede: propriedades estruturais e arranjos relacionais da rede de produção de conhecimento científico em Hospitalidade no Brasil (1990-2014). Tese de pós-doutoramento. Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo – ECA/USP.

Tencati, A., Zsolnai, L. (2009) The Collaborative Enterprise. Journal of Business Ethics, 85, p. 367-376. https://doi.org/10.1007/s10551-008-9775-3 DOI: https://doi.org/10.1007/s10551-008-9775-3

Tencati, A., Zsolnai, L. (2012) The collaborative enterprise and sustainability: the case of slow food. Journal of Business Ethics, 110(3), p. 345–354. https://doi.org/10.1007/s10551-011-1178-1 DOI: https://doi.org/10.1007/s10551-011-1178-1

Tuan, Y. F. (1983). Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Difel.

Yázigi, E. (2001). A Alma do lugar: turismo, planejamento e cotidiano em litorais e montanhas. Contexto.

Yázigi, E. (2013). Reencantamento da cidade: miudezas geográficas e devaneio. São Paulo, Scortecci; Brasíl-ia, Cnpq.

Warde A. (1997). Consumption, food and taste.: Sage; 1997.

Wilbur, A. (2014). Back-to-the-house? Gender, domesticity and (dis) empowerment among back-to-the-land migrants in Northern Italy. Journal of Rural Studies, 35, p. 1-10. https://doi.org/10.1016/j.jrurstud.2014.03.005 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jrurstud.2014.03.005

West, H., & Domingos, N. (2012). Gourmandizing Poverty Food: The Serpa Cheese Slow Food Presidium. Jour-nal of Agrarian Change, 12 (1), p. 120-143. https://doi.org/10.1111/j.1471-0366.2011.00335.x DOI: https://doi.org/10.1111/j.1471-0366.2011.00335.x

Woortmann K. (1985). A comida, a família e a construção de gênero. Brasília: UNB. Série Antropologia.

Zhao, W., Ritchie, J., & Echtner, C. (2011) Social Capital and Tourism Entrepreneurship. Annals of Tourism Research, 38 (4), p. 1570-1593.: https://doi.org/10.1016/j.annals.2011.02.006 DOI: https://doi.org/10.1016/j.annals.2011.02.006

Publicado
14-01-2021
Seção
Artigos