Análise da rede social da Instância de Governança do Circuito Turístico Caminho Novo, MG: uma perspectiva sistêmica e complexa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v14i1.1734

Palavras-chave:

turismo, sistemas complexos, análise de redes sociais, políticas públicas, instância de governança

Resumo

Essa pesquisa teve como objetivo geral analisar a composição, a organização e o funcionamento do Circuito Turístico Caminho Novo-MG (CTCN), dentro do contexto das políticas públicas de turismo, apoiado na teoria dos sistemas complexos e utilizando como suporte teórico o paradigma da complexidade proposto por Edgar Morin, o modelo do SISTUR de Beni (1998) e sua reconstrução proposta por Moesch e Beni (2015, 2017). Como ferramentas metodológicas utilizou-se o método bola de neve aplicado em três etapas, a análise de redes sociais com foco na Teoria dos Laços fracos e Laços fortes de Granovetter (1973, 1983) e dos buracos estruturais de Burt (1992), aliadas à análise de conteúdo adaptada de Bardin (2011) e a elaboração de sociogramas das relações mantidas entre os agentes sociais. Como principais re-sultados destacamos a inexistência de uma rede regional capaz de produzir resulta-dos efetivos, o baixo entendimento dos municípios sobre as políticas públicas de turismo, uma forte ingerência municipal e regional atrelada a um cenário de descon-tinuidade da gestão pública e uma postura competitiva com reduzida participação dos agentes sociais para trabalhar em rede.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Campos Guilarducci, Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ, Brasil.

Mestre em Turismo - Universidade Federal Fluminense. Bacharel em Turismo.

Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/6827743802948262.

Aguinaldo Cesar Fratucci, Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ, Brasil.

Doutor em Geografia – Universidade Federal Fluminense. Professor e pesquisador do Programa de Pós-Graduação stricto senso em Turismo da Universidade Federal Fluminense.

Curriculum lattes: http://lattes.cnpq.br/8489517667159662  

Referências

Aguirre, J. L. (2011). Introducción al Análisis de Redes Sociales. Buenos Aires: Documentos de Trabajo, 82, Centro Interdisciplinario para el Estudio de Políticas Públicas. Disponível em: http://www.pensamientocomplejo.org/docs/files/J.%20Aguirre.%20Introducci%F3n%20al%20An%E1lisis%20de%20Redes%20Sociales.pdf. Acesso em: 25 jun. 2017.

Baggio, R. (2006). Complex systems, information technologies and tourism: a network point of view. Infor-mation Technology and Tourism, vol. 8. p. 15-29. DOI: https://doi.org/10.3727/109830506778193850

Baggio, R. (2008). Symptoms of complexity in a tourism system. Tourism Analysis. 13, p. 1-20. DOI: https://doi.org/10.3727/108354208784548797

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. Tradução; Luís Antero Reto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70.

Beni, M. C. (1998). Análise Estrutural do Turismo. (Ed). São Paulo: Senac.

Beni, M. C. & Moesch, M. M. (2017). A teoria da complexidade e o ecossistema do turismo. Turismo - Visão e Ação, Balneário Camboriú, 19(3), p. 430-457. DOI: https://dx.doi.org/10.14210/rtva.v19n3.p430-457 .

Bertalanffy, L. (2009). Teoria Geral dos sistemas: Fundamentos, desenvolvimento, aplicações. Petrópolis: Vozes.

Boullón, R. C. (1990). Planificación del espacio turístico. (2ª ed.) México: Trilhas.

Butt, R. S. (1992). Structural Holes. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Fratucci, A. C. (2008), A dimensão espacial nas políticas públicas brasileiras de turismo: as possibilidades das redes regionais de turismo. Niterói-RJ: UFF. 308 f, Tese (doutorado), Programa de Pós-graduação em Geogra-fia, Universidade Federal Fluminense, Niterói-RJ.

Fuentes, M. A. (2015). Métodos e metodologias em Sistemas complexos. In Furtado, B. A., Sakowski, P. A. M., & Tóvolli, M. H., Modelagem de sistemas complexos para políticas públicas (pp. 65-84). Brasília: IPEA.

Furtado, B. A., Sakowski, P. A. M., & Tóvolli, M. H. (2015). Abordagem de Sistemas complexos para políticas públicas. In Furtado, B. A., [et al...], Modelagem de sistemas complexos para políticas públicas (pp. 21-42). Brasília: IPEA.

Gentile, J. E., Glazner, Cs & Koehler, M. (2015). Modelos De Simulação Para políticas públicas. In Furtado, B. A; Sakowski, P. A. M [et al...], Modelagem de sistemas complexos para políticas públicas (pp. 85-96). Brasília: IPEA.

Granovetter, M. (1973). The strength of weak ties. American Journal of Sociology, Chicago, 78(6), p. 1360-1380, may. Disponível em http://links.jstor.org/sici?sici=0002-9602%28197305%2978%3A6%3C1360%3ATSOWT%3E2.0.CO%3B2-E. Acesso em: 25 jun. 2017.

Granovetter, M. (1983). The strength of weak ties: a network theory revisited. Sociological Theory, San Fran-cisco, 1(1), p. 201-233. Disponível em: http://garfield.library.upenn.edu/classics1986/A1986E936700001.pdf . Acesso em: 25 jun. 2017. DOI: https://dx.doi.org/10.2307/202051

Guilarducci, B. C. & Fratucci, A. C. (2016). Teoria dos sistemas complexos e possíveis aplicações nos estudos sobre as políticas públicas de turismo. 2016. In: SEMINÁRIO DA ANPTUR, 15., 2016. [Anais...].,São Paulo. Disponível em https://www.anptur.org.br/anais/anais/files/13/389.pdf . Acesso em: 25 jun. 2017.

Haramein, Nassim. (2015a). Plasm flow interaction simulator. United States Patent: patente nº US 8,933,595 B2. Jan. 13, 2015. Disponivel em https://patents.justia.com/patent/9949355. Acesso em: 25 jun. 2017.

Haramein, Nassim. (2015b). Precision cut high energy crystals. United States Patent: patente nº US 2015/0093571 A1. Apr. 02, 2015. Disponível em https://patents.google.com/patent/US20150093571 . Acesso em: 25 jun. 2017.

Haramein, Nassim & Hyson, Michael & Rauscher, E. (2016a). Scale unification ± a universal scaling law for organized matter. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/242582523_SCALE_UNIFICATION_A_UNIVERSAL_SCALING_LAW_FOR_ORGANIZED_MATTER . Acesso em: 25 jun. 2017.

Haramein, Nassim & Rauscher, E. (2016b). Spinors, twistors, quaternions, and the ³ spacetimetorus topology. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/242072127_SPINORS_TWISTORS_QUATERNIONS_AND_THE_SPACETIMETORUS_TOPOLOGY. Acesso em: 25 jun. 2017.

Haramein, Nassim & Brown, William & Val Baker, Amira. (2016c). The Unified Spacememory Network: from Cosmogenesis to Consciousness. Journal of NeuroQuantology. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/309681048_The_Unified_Spacememory_Network_from_Cosmogenesis_to_Consciousness. Acesso em: 25 jun. 2017. DOI: https://doi.org/10.14704/nq.2016.14.4.961

Haramein, Nassim & Brown, William. (2016d). Unified Physics and the Information Network of Awareness. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/309680981_Unified_Physics_and_the_Information_Network_of_Awareness. Acesso em: 25 jun. 2017.

Knupp, M. E. C. G. (2014). Análise de políticas públicas de turismo: uma abordagem metodológica baseada em redes sociais. In Pimentel, T. D....[et.al] (org.). Gestão pública do turismo no Brasil (pp. 285-316). Caxias do Sul/RS: Educs.

Leiper, N. (1979). The framework of tourism: towards a definition of tourism, tourist and the tourist industry. Annals of Tourism research, 6(4), 390-407. DOI: https://doi.org/10.1177/004728758001900184

Lemieux, V. & Ouimet, M. (2012). Análise Estrutural das redes sociais. (2ª ed.). Lisboa: Instituto Piaget: Trad. Sérgio Pereira.

Marques, E. C. (2006). Redes sociais e poder no Estado Brasileiro: aprendizados a partir das políticas urba-nas. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, 21(60), p. 15-41. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69092006000100002

Minas Gerais. (2003a). Decreto Estadual nº 43.321, de 08/05/2003. Dispõe sobre o reconhecimento dos Circuitos Turísticos e dá outras providências. Disponível em: https://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=DEC&num=43321&ano=2003 . Acesso em: 25 jun. 2017.

Minas Gerais. (2003b). Secretaria de Estado de Turismo. Resolução nº 007/2003. Instituir o Certificado de Reconhecimento dos Circuitos Turísticos de Minas Gerais. Disponível em: http://www.descubraminas.com.br/Upload/Biblioteca/0000094.pdf. Acesso em: 25 jun. 2017.

Mitchell, M. (2009). Complexity: a guided tour. New York: Oxford University Press

Moesch, M. M. (2013). A Origem do Conhecimento, o Lugar da Experiência e da Razão na Gênese do Conhe-cimento do Turismo. Disponível em: http://www.cet.unb.br/images/documentos/divulgacao/maruska.pdf Acesso em: 25 jun. 2017. DOI:https://doi.org/10.26512/revistacenario.v1i1.15206

Moesch, M. & Beni, M. C. (2015). Do discurso sobre a ciência do Turismo para a ciência do Turismo. In: SEMI-NÁRIO DA ANPTUR, 14., 2015. [Anais...]. Natal: Rio Grande do Norte. Pdf n.48 Disponível em: https://www.anptur.org.br/anais/anais/files/12/48.pdf. Acesso em: 25 jun. 2017.

Morin, E. (2000). Ciência com consciência. (4ª ed.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Morin, E. Introdução ao pensamento complexo. (2015). Tradução Eliane Lisboa. (5. Ed.). Porto Alegre: Sulina.

Morin, E. O Método 5: (2002c.). A humanidade da humanidade: a identidade humana. Porto Alegre: Sulina.

Morin, E. O Método 6: Ética. (2011). Porto Alegre: Sulina.

Morin, E. O Método I: (200a). A natureza da natureza. Porto Alegre: Sulina.

Morin, E. O Método IV: (2002b). As ideias. (3ª. ed.). Porto Alegre: Sulina.

Panosso Netto, A., & Lohmann, G. (2008). Teoria do turismo: conceitos, modelos e sistemas. São Paulo: Aleph.

Rand, W. (2015). Sistemas complexos: conceitos, literatura, possibilidades e limitações. In Furtado, B. A. F...[et.al]. Modelagem de sistemas complexos para políticas públicas. (pp. 43-64). Brasília: IPEA.

Recuero, R., Bastos, M. & Zago, G. (2015). Análise de redes para mídia social. Porto Alegre: Sulina.

Social Network Analysis Theory and Applications. (2011). Disponível em: https://vdocuments.mx/not-available-social-network-analysis-theory-andbookos-z1org.html . Acesso em: 25 jun. 2017.

Souza, Q. & Quandt, C. (2008). Metodologia de análise de redes sociais. In: Duarte, F., Quandt. C. & Souza, Q. O tempo das redes. (pp. 31-63). São Paulo: Perspectivas.

Publicado

2020-01-14

Edição

Seção

Artigos