Análise da rede social da Instância de Governança do Circuito Turístico Caminho Novo, MG: uma perspectiva sistêmica e complexa

Palavras-chave: turismo, sistemas complexos, análise de redes sociais, políticas públicas, instância de governança

Resumo

Essa pesquisa teve como objetivo geral analisar a composição, a organização e o funcionamento do Circuito Turístico Caminho Novo-MG (CTCN), dentro do contexto das políticas públicas de turismo, apoiado na teoria dos sistemas complexos e utilizando como suporte teórico o paradigma da complexidade proposto por Edgar Morin, o modelo do SISTUR de Beni (1998) e sua reconstrução proposta por Moesch e Beni (2015, 2017). Como ferramentas metodológicas utilizou-se o método bola de neve aplicado em três etapas, a análise de redes sociais com foco na Teoria dos Laços fracos e Laços fortes de Granovetter (1973, 1983) e dos buracos estruturais de Burt (1992), aliadas à análise de conteúdo adaptada de Bardin (2011) e a elaboração de sociogramas das relações mantidas entre os agentes sociais. Como principais re-sultados destacamos a inexistência de uma rede regional capaz de produzir resulta-dos efetivos, o baixo entendimento dos municípios sobre as políticas públicas de turismo, uma forte ingerência municipal e regional atrelada a um cenário de descon-tinuidade da gestão pública e uma postura competitiva com reduzida participação dos agentes sociais para trabalhar em rede.

Biografia do Autor

Bruno Campos Guilarducci, Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ, Brasil.
Mestre em Turismo - Universidade Federal Fluminense. Bacharel em Turismo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/6827743802948262.
Aguinaldo Cesar Fratucci, Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ, Brasil.
Doutor em Geografia – Universidade Federal Fluminense. Professor e pesquisador do Programa de Pós-Graduação stricto senso em Turismo da Universidade Federal Fluminense. Curriculum lattes: http://lattes.cnpq.br/8489517667159662  

Referências

Aguirre, J. L. (2011). Introducción al Análisis de Redes Sociales. Buenos Aires: Documentos de Trabajo, 82, Centro Interdisciplinario para el Estudio de Políticas Públicas. Disponível em: http://www.pensamientocomplejo.org/docs/files/J.%20Aguirre.%20Introducci%F3n%20al%20An%E1lisis%20de%20Redes%20Sociales.pdf. Acesso em: 25 jun. 2017.

Baggio, R. (2006). Complex systems, information technologies and tourism: a network point of view. Infor-mation Technology and Tourism, vol. 8. p. 15-29. DOI: https://doi.org/10.3727/109830506778193850

Baggio, R. (2008). Symptoms of complexity in a tourism system. Tourism Analysis. 13, p. 1-20. DOI: https://doi.org/10.3727/108354208784548797

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. Tradução; Luís Antero Reto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70.

Beni, M. C. (1998). Análise Estrutural do Turismo. (Ed). São Paulo: Senac.

Beni, M. C. & Moesch, M. M. (2017). A teoria da complexidade e o ecossistema do turismo. Turismo - Visão e Ação, Balneário Camboriú, 19(3), p. 430-457. DOI: https://dx.doi.org/10.14210/rtva.v19n3.p430-457 .

Bertalanffy, L. (2009). Teoria Geral dos sistemas: Fundamentos, desenvolvimento, aplicações. Petrópolis: Vozes.

Boullón, R. C. (1990). Planificación del espacio turístico. (2ª ed.) México: Trilhas.

Butt, R. S. (1992). Structural Holes. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Fratucci, A. C. (2008), A dimensão espacial nas políticas públicas brasileiras de turismo: as possibilidades das redes regionais de turismo. Niterói-RJ: UFF. 308 f, Tese (doutorado), Programa de Pós-graduação em Geogra-fia, Universidade Federal Fluminense, Niterói-RJ.

Fuentes, M. A. (2015). Métodos e metodologias em Sistemas complexos. In Furtado, B. A., Sakowski, P. A. M., & Tóvolli, M. H., Modelagem de sistemas complexos para políticas públicas (pp. 65-84). Brasília: IPEA.

Furtado, B. A., Sakowski, P. A. M., & Tóvolli, M. H. (2015). Abordagem de Sistemas complexos para políticas públicas. In Furtado, B. A., [et al...], Modelagem de sistemas complexos para políticas públicas (pp. 21-42). Brasília: IPEA.

Gentile, J. E., Glazner, Cs & Koehler, M. (2015). Modelos De Simulação Para políticas públicas. In Furtado, B. A; Sakowski, P. A. M [et al...], Modelagem de sistemas complexos para políticas públicas (pp. 85-96). Brasília: IPEA.

Granovetter, M. (1973). The strength of weak ties. American Journal of Sociology, Chicago, 78(6), p. 1360-1380, may. Disponível em http://links.jstor.org/sici?sici=0002-9602%28197305%2978%3A6%3C1360%3ATSOWT%3E2.0.CO%3B2-E. Acesso em: 25 jun. 2017.

Granovetter, M. (1983). The strength of weak ties: a network theory revisited. Sociological Theory, San Fran-cisco, 1(1), p. 201-233. Disponível em: http://garfield.library.upenn.edu/classics1986/A1986E936700001.pdf . Acesso em: 25 jun. 2017. DOI: https://dx.doi.org/10.2307/202051

Guilarducci, B. C. & Fratucci, A. C. (2016). Teoria dos sistemas complexos e possíveis aplicações nos estudos sobre as políticas públicas de turismo. 2016. In: SEMINÁRIO DA ANPTUR, 15., 2016. [Anais...].,São Paulo. Disponível em https://www.anptur.org.br/anais/anais/files/13/389.pdf . Acesso em: 25 jun. 2017.

Haramein, Nassim. (2015a). Plasm flow interaction simulator. United States Patent: patente nº US 8,933,595 B2. Jan. 13, 2015. Disponivel em https://patents.justia.com/patent/9949355. Acesso em: 25 jun. 2017.

Haramein, Nassim. (2015b). Precision cut high energy crystals. United States Patent: patente nº US 2015/0093571 A1. Apr. 02, 2015. Disponível em https://patents.google.com/patent/US20150093571 . Acesso em: 25 jun. 2017.

Haramein, Nassim & Hyson, Michael & Rauscher, E. (2016a). Scale unification ± a universal scaling law for organized matter. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/242582523_SCALE_UNIFICATION_A_UNIVERSAL_SCALING_LAW_FOR_ORGANIZED_MATTER . Acesso em: 25 jun. 2017.

Haramein, Nassim & Rauscher, E. (2016b). Spinors, twistors, quaternions, and the ³ spacetimetorus topology. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/242072127_SPINORS_TWISTORS_QUATERNIONS_AND_THE_SPACETIMETORUS_TOPOLOGY. Acesso em: 25 jun. 2017.

Haramein, Nassim & Brown, William & Val Baker, Amira. (2016c). The Unified Spacememory Network: from Cosmogenesis to Consciousness. Journal of NeuroQuantology. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/309681048_The_Unified_Spacememory_Network_from_Cosmogenesis_to_Consciousness. Acesso em: 25 jun. 2017. DOI: https://doi.org/10.14704/nq.2016.14.4.961

Haramein, Nassim & Brown, William. (2016d). Unified Physics and the Information Network of Awareness. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/309680981_Unified_Physics_and_the_Information_Network_of_Awareness. Acesso em: 25 jun. 2017.

Knupp, M. E. C. G. (2014). Análise de políticas públicas de turismo: uma abordagem metodológica baseada em redes sociais. In Pimentel, T. D....[et.al] (org.). Gestão pública do turismo no Brasil (pp. 285-316). Caxias do Sul/RS: Educs.

Leiper, N. (1979). The framework of tourism: towards a definition of tourism, tourist and the tourist industry. Annals of Tourism research, 6(4), 390-407. DOI: https://doi.org/10.1177/004728758001900184

Lemieux, V. & Ouimet, M. (2012). Análise Estrutural das redes sociais. (2ª ed.). Lisboa: Instituto Piaget: Trad. Sérgio Pereira.

Marques, E. C. (2006). Redes sociais e poder no Estado Brasileiro: aprendizados a partir das políticas urba-nas. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, 21(60), p. 15-41. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69092006000100002

Minas Gerais. (2003a). Decreto Estadual nº 43.321, de 08/05/2003. Dispõe sobre o reconhecimento dos Circuitos Turísticos e dá outras providências. Disponível em: https://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=DEC&num=43321&ano=2003 . Acesso em: 25 jun. 2017.

Minas Gerais. (2003b). Secretaria de Estado de Turismo. Resolução nº 007/2003. Instituir o Certificado de Reconhecimento dos Circuitos Turísticos de Minas Gerais. Disponível em: http://www.descubraminas.com.br/Upload/Biblioteca/0000094.pdf. Acesso em: 25 jun. 2017.

Mitchell, M. (2009). Complexity: a guided tour. New York: Oxford University Press

Moesch, M. M. (2013). A Origem do Conhecimento, o Lugar da Experiência e da Razão na Gênese do Conhe-cimento do Turismo. Disponível em: http://www.cet.unb.br/images/documentos/divulgacao/maruska.pdf Acesso em: 25 jun. 2017. DOI:https://doi.org/10.26512/revistacenario.v1i1.15206

Moesch, M. & Beni, M. C. (2015). Do discurso sobre a ciência do Turismo para a ciência do Turismo. In: SEMI-NÁRIO DA ANPTUR, 14., 2015. [Anais...]. Natal: Rio Grande do Norte. Pdf n.48 Disponível em: https://www.anptur.org.br/anais/anais/files/12/48.pdf. Acesso em: 25 jun. 2017.

Morin, E. (2000). Ciência com consciência. (4ª ed.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Morin, E. Introdução ao pensamento complexo. (2015). Tradução Eliane Lisboa. (5. Ed.). Porto Alegre: Sulina.

Morin, E. O Método 5: (2002c.). A humanidade da humanidade: a identidade humana. Porto Alegre: Sulina.

Morin, E. O Método 6: Ética. (2011). Porto Alegre: Sulina.

Morin, E. O Método I: (200a). A natureza da natureza. Porto Alegre: Sulina.

Morin, E. O Método IV: (2002b). As ideias. (3ª. ed.). Porto Alegre: Sulina.

Panosso Netto, A., & Lohmann, G. (2008). Teoria do turismo: conceitos, modelos e sistemas. São Paulo: Aleph.

Rand, W. (2015). Sistemas complexos: conceitos, literatura, possibilidades e limitações. In Furtado, B. A. F...[et.al]. Modelagem de sistemas complexos para políticas públicas. (pp. 43-64). Brasília: IPEA.

Recuero, R., Bastos, M. & Zago, G. (2015). Análise de redes para mídia social. Porto Alegre: Sulina.

Social Network Analysis Theory and Applications. (2011). Disponível em: https://vdocuments.mx/not-available-social-network-analysis-theory-andbookos-z1org.html . Acesso em: 25 jun. 2017.

Souza, Q. & Quandt, C. (2008). Metodologia de análise de redes sociais. In: Duarte, F., Quandt. C. & Souza, Q. O tempo das redes. (pp. 31-63). São Paulo: Perspectivas.

Publicado
14-01-2020
Seção
Artigos