O turismo é uma dádiva? Uma “etnografia das trocas” e a oferta da experiência “chamada” Turismo de Base Comunitária em Anã/Santarém/Pará

Palavras-chave: Turismo de Base Comunitária, Dádiva, Etnografia da troca.

Resumo

Este artigo objetiva mostrar que a experiência de turismo desenvolvida na comunidade de Anã/Santarém/Pará envolve várias relações de troca e reciprocidade, conforme a concepção de Mauss (1925/2017). Para esse autor, a dádiva é ambivalente, pois é simultaneamente, interessada e desinteressada, voluntária e obrigatória. O caráter ambivalente da dádiva foi compreendido pela noção de interesse postulada por Bourdieu (2011). A pesquisa de campo seguiu os pressupostos da pesquisa etnográfica antropológica, e o caminho metodológico foi construído a partir da concepção de Lanna (2000) sobre a “etnografia da troca”. Os dados foram coletados por observação direta e entrevistas, em dois períodos: agosto de 2016 e janeiro de 2017. Destacamos como principais resultados: a observação de cinco relações de troca entre os agentes internos e externos à comunidade de Anã, que envolvem vários tipos de “prestações”, como define Mauss (1925/2017); a interpretação do turismo como uma dádiva em ambientes sociais que ele promova a troca de bens e de sua espiritualidade de forma ambivalente; a constatação de que a comunidade não possui autonomia sobre a gestão do turismo em seu território. Consideramos que a experiência de turismo em Anã não alcançou, ainda, a condição requerida para ser considerada, de fato, de base comunitária.

Biografia do Autor

Giselle Castro Assis, Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, PA, Brasil.
Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Pará – PPGSA/UFPA, Belém, PA, Brasil. Docente da Faculdade de Turismo da UFPA, Belém, PA, Brasil
Rodrigo Corrêa D. Peixoto, Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, PA, Brasil.
Docente no Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Pará – PPGSA/UFPA, Belém, PA, Brasil. Docente da Faculdade de Ciências Sociais da UFPA, Belém, PA, Brasil.

Referências

Assis. G. C. (2017). A cultura ribeirinha como fator de atratividade para o turismo no Arapiuns/pa – Uma aná-lise sobre a colonialidade do saber amazônico. Seminário Internacional América Latina: Políticas e Conflitos Contemporâneos. II Sialat. Belém, PA: Núcleo de Altos Estudos Amazônicos.

Bourdier. P. (2011). É possível um ato desinteressado? Razões Práticas: sobre a teoria da ação. (M. Corrêa, trad.). (pp. 137-156). 11a ed. Campinas, SP: Papirus.

Campelo, L. (2015, out., 14). Turismo de base comunitária e artesanato da floresta ganham força com a fundação da primeira cooperativa do Rio Arapiuns. 2015. Disponível em: <http://rogerioalmeidafuro.blogspot.com.br/2015/05/turismo-de-base-comunitaria-e.html>.

Centro de Estudos Avançados em Promoção Social e Ambiental - Projeto Saúde e Alegria. (2011). Prazer em conhecer Anã. Santarém, PA: CEAPS.

Fanon, F. (2008). Peles negras, máscaras brancas. Salvador, BA: EDUFBA.

Geertz, C. (2015) A interpretação das culturas. [Reimpr.] Rio de Janeiro, RJ: LTC. (Trabalho original publicado em 1926).

Irving, M. A. (2009). Reinventando a reflexão sobre turismo de base comunitária – inovar é possível? In Tu-rismo de base comunitária: Diversidade de olhares e experiências brasileiras. (pp. 108-119). Rio de Janeiro, RJ: Letra e Imagem.

Kincaid, J. (2005). A small place. In Hernandez, J. B. (Ed.) Women writing resistance: essays on Latin América and the Caribbean. (pp. 147-156).. South End Press Cambridge, Massachusetts.

Lanna, M. (2000). Nota sobre Marcel Mauss e o ensaio sobre a dádiva. Revista de Sociologia e Política, (14), 173-194. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-44782000000100010

Mauss, M. (2017). Ensaio sobre a dádiva: forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. In Mauss, M. Sociologia e Antropologia. (P. Neves, trad.). (pp.191-308). São Paulo, SP: Ubu Editora. Originalmente publica-do em 1925.

Mielke, E.J.C. (2009). Desenvolvimento turístico de base comunitária. Campinas, SP: Editora Alínea.

Peirano, M. (2014). Etnografia não é método. Horizontes Antropológicos, 20(42), 377-391. https://dx.doi.org/10.1590/s0104-71832014000200015

Rodrigues Guimarães, A. C. (2013) ¿Será Bourdieu utilitarista?. Trabajo y Sociedad, 20, Verano, Santiago del Estero, Argentina.

Wellman, B., & Berkowitz, S.D. (1991). Introduction: Studying Social Structures. In: Wellman, B.; Berkowitz, S.D (Orgs.). Social Structures. A Network Aprroach. (pp. 1-14). Cambridge: Cambridge University Press.

Publicado
13-05-2019
Seção
Artigos