O turismo é uma dádiva? Uma “etnografia das trocas” e a oferta da experiência “chamada” Turismo de Base Comunitária em Anã/Santarém/Pará

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v13i2.1568

Palavras-chave:

Turismo de Base Comunitária, Dádiva, Etnografia da troca.

Resumo

Este artigo objetiva mostrar que a experiência de turismo desenvolvida na comunidade de Anã/Santarém/Pará envolve várias relações de troca e reciprocidade, conforme a concepção de Mauss (1925/2017). Para esse autor, a dádiva é ambivalente, pois é simultaneamente, interessada e desinteressada, voluntária e obrigatória. O caráter ambivalente da dádiva foi compreendido pela noção de interesse postulada por Bourdieu (2011). A pesquisa de campo seguiu os pressupostos da pesquisa etnográfica antropológica, e o caminho metodológico foi construído a partir da concepção de Lanna (2000) sobre a “etnografia da troca”. Os dados foram coletados por observação direta e entrevistas, em dois períodos: agosto de 2016 e janeiro de 2017. Destacamos como principais resultados: a observação de cinco relações de troca entre os agentes internos e externos à comunidade de Anã, que envolvem vários tipos de “prestações”, como define Mauss (1925/2017); a interpretação do turismo como uma dádiva em ambientes sociais que ele promova a troca de bens e de sua espiritualidade de forma ambivalente; a constatação de que a comunidade não possui autonomia sobre a gestão do turismo em seu território. Consideramos que a experiência de turismo em Anã não alcançou, ainda, a condição requerida para ser considerada, de fato, de base comunitária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giselle Castro Assis, Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, PA, Brasil.

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Pará – PPGSA/UFPA, Belém, PA, Brasil. Docente da Faculdade de Turismo da UFPA, Belém, PA, Brasil

Rodrigo Corrêa D. Peixoto, Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, PA, Brasil.

Docente no Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Pará – PPGSA/UFPA, Belém, PA, Brasil. Docente da Faculdade de Ciências Sociais da UFPA, Belém, PA, Brasil.

Referências

Assis. G. C. (2017). A cultura ribeirinha como fator de atratividade para o turismo no Arapiuns/pa – Uma aná-lise sobre a colonialidade do saber amazônico. Seminário Internacional América Latina: Políticas e Conflitos Contemporâneos. II Sialat. Belém, PA: Núcleo de Altos Estudos Amazônicos.

Bourdier. P. (2011). É possível um ato desinteressado? Razões Práticas: sobre a teoria da ação. (M. Corrêa, trad.). (pp. 137-156). 11a ed. Campinas, SP: Papirus.

Campelo, L. (2015, out., 14). Turismo de base comunitária e artesanato da floresta ganham força com a fundação da primeira cooperativa do Rio Arapiuns. 2015. Disponível em: <http://rogerioalmeidafuro.blogspot.com.br/2015/05/turismo-de-base-comunitaria-e.html>.

Centro de Estudos Avançados em Promoção Social e Ambiental - Projeto Saúde e Alegria. (2011). Prazer em conhecer Anã. Santarém, PA: CEAPS.

Fanon, F. (2008). Peles negras, máscaras brancas. Salvador, BA: EDUFBA.

Geertz, C. (2015) A interpretação das culturas. [Reimpr.] Rio de Janeiro, RJ: LTC. (Trabalho original publicado em 1926).

Irving, M. A. (2009). Reinventando a reflexão sobre turismo de base comunitária – inovar é possível? In Tu-rismo de base comunitária: Diversidade de olhares e experiências brasileiras. (pp. 108-119). Rio de Janeiro, RJ: Letra e Imagem.

Kincaid, J. (2005). A small place. In Hernandez, J. B. (Ed.) Women writing resistance: essays on Latin América and the Caribbean. (pp. 147-156).. South End Press Cambridge, Massachusetts.

Lanna, M. (2000). Nota sobre Marcel Mauss e o ensaio sobre a dádiva. Revista de Sociologia e Política, (14), 173-194. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-44782000000100010

Mauss, M. (2017). Ensaio sobre a dádiva: forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. In Mauss, M. Sociologia e Antropologia. (P. Neves, trad.). (pp.191-308). São Paulo, SP: Ubu Editora. Originalmente publica-do em 1925.

Mielke, E.J.C. (2009). Desenvolvimento turístico de base comunitária. Campinas, SP: Editora Alínea.

Peirano, M. (2014). Etnografia não é método. Horizontes Antropológicos, 20(42), 377-391. https://dx.doi.org/10.1590/s0104-71832014000200015

Rodrigues Guimarães, A. C. (2013) ¿Será Bourdieu utilitarista?. Trabajo y Sociedad, 20, Verano, Santiago del Estero, Argentina.

Wellman, B., & Berkowitz, S.D. (1991). Introduction: Studying Social Structures. In: Wellman, B.; Berkowitz, S.D (Orgs.). Social Structures. A Network Aprroach. (pp. 1-14). Cambridge: Cambridge University Press.

Publicado

2019-05-13

Edição

Seção

Artigos