O Surgimento de Resistência através da Criticidade: lazer e turismo na Reserva de Biosfera da Serra do Espinhaço, Brasil

Palavras-chave: Resistência, Mineração, Conflitos socioambientais, Desenvolvimento, Análise de discursos, Turismo crítico.

Resumo

Após vivenciar um programa de turismo sustentável relativamente bem sucedido, a cidade de Conceição do Mato Dentro, localizada dentro da Reserva de Biosfera da Serra do Espinhaço, mudou notavelmente após o lançamento de um grande projeto de mineração em 2006. Entre as mudanças, houve a substituição do turismo pela mineração como política de desenvolvimento prioritário do município. A cidade passou a ser um local industrial empoeirado e movimentado. Embora as comunidades afetadas pela mina tenham inicialmente apoiado o projeto de mineração, esta pesquisa identificou a insatisfação emergente e crescente entre elas. Uma abordagem de análise do discurso foi empregada para revelar indícios de um movimento de resistência que vem emergindo das práticas sociais para desafiar os discursos modernizadores dominantes de desenvolvimento representados pelo projeto minerário. Argumenta-se aqui esse movimento de resistência pode ser influenciado pelas vantagens que o programa anterior de turismo sustentável trouxe para a preservação de locais de lazer, usados para socialização e diversão, mas que agora estão com o acesso proibido ou foram destruídos. Neste artigo, essas pessoas não são vistas como ‘comunidades receptoras’, mas turistas. As experiências de lazer e turismo das pessoas afetadas pela mineração gerou senso de comunidade e solidariedade entre eles, mas a sua descontinuidade prejudicou as possibilidades de criticidade e resistência, já que estes valores não foram devidamente representados nas arenas políticas que abrigam os debates acerca do projeto minerário. Em vez disso, o movimento se concentra na criação de empregos e na expansão da riqueza e da renda, enfraquecendo, assim, as possibilidades de transformação do status quo.

Biografia do Autor

Mozart Fazito, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, RN, Brasil
Bacharel em Turismo pela União de Negócios e Administração, em Belo Horizonte, especialista em Turismo e Desenvolvimento Sustentável, pelo Instituto de Geociências da UFMG, mestre em Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional e Urbano em um programa sanduíche entre a Universidade de Dortmund, na Alemanha, e a Universidade de Dar es Salaam, na Tanzânia, doutor em Geografia, Planejamento e Política Ambiental pela Universidade Nacional da Irlanda (University College Dublin), bolsista de pós-doutorado da CAPES no Programa de Pós-graduação em Geografia da UFRN. Experiência como professor e pesquisador nas áreas de planejamento e políticas públicas de turismo, teorias do desenvolvimento, estudos de lazer e geografia do turismo. Atualmente é professor adjunto do Departamento de Turismo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Referências

Becker, L. (2009). Tradição e Modernidade: o desafio da sustentabilidade do desenvolvimento da Estrada Real (PhD Thesis). Federal University of Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Becker, L., & Pereira, D. (2011). O Projeto Minas‐Rio e o Desafio do Desenvolvimento Territorial Integrado e Sustentado: a grande mina em Conceição do Mato Dentro. In Fernandes, F., Enriquez, M., & Alamino, R. (Orgs.), Recursos Minerais & Sustentabilidade Territorial (Vol. Volume 1: Grandes Minas, p. 229–258). Rio de Janeiro: CETEM/MCTI.

Bianchi, R. (2009). The “Critical Turn” in Tourism Studies: a radical critique. Tourism Geographies, 11(4), 484–504. DOI: https://doi.org/10.1080/14616680903262653

Botelho, E., & Rodrigues, C. (2016). Inserção das Iniciativas de Base Comunitária no Desenvolvimento do Turismo em Parques Nacionais. Caderno Virtual de Turismo, 16(2). DOI: http://dx.doi.org/10.18472/cvt.16n2.2016.1202

Brasil. (1997). Resolução CONAMA 237. Recuperado de http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res97/res23797.html

Burr, V. (1995). Introduction to social constructionism. London: Routledge. DOI: https://doi.org/10.4324/9780203299968

Cheong, S., & Miller, M. (2000). Power and Tourism: a foucauldian observation. Annals of Tourism Research, 27(2), 371–390. DOI: https://doi.org/10.1016/S0160-7383(99)00065-1

Collier, M., & Scott, M. (2009). Conflicting rationalities, knowledge and values in scarred landscapes. Journal of Rural Studies, 25, 267–277. https://doi.org/10.1016/j.jrurstud.2008.12.002

Conlin, M. V., & Jolliffe, L. (2010). Mining Heritage and Tourism: A Global Synthesis. London: Routledge. DOI: https://doi.org/10.4324/9780203865507

Coriolano, L., & Mendes, E. (2009). As Interfaces do Turismo nas Praias de Jericoacoara e Tatajuba: políticas, conflitos e gestões. Turismo em Análise, 20(1), 96–115. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v20i1p96-115

Crossa, V. (2012). Play for Protest, Protest for Play: artisan and vendors’ resistance to displacement in Mexico city. Antipode, 45(4), 826–843. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1467-8330.2012.01043.x

Dardot, P., & Laval, C. (2017). Comum: ensaio sobre a revolução no século XXI. São Paulo: Boitempo.

De Grazia, S. (1973). Of time, work, and leisure. In: Millwood, N.Y Kraus: Reprint Co.

de Paula, S., & Castro, P. (2015). Geomorfologia antropogênica em função da mineração de ouro no século XVIII: bases científicas e educativas na proposição de uma Trilha Geoturística Urbana na Sede no Município de Ouro Preto (MG). Revista Brasileira de Ecoturismo, 8(4), 432–443. http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/6726

Diversus. (2011). Diagnóstico Socioeconômico: Área Diretamente Afetada (ADA) e Área de Influência Direta (AID) da Mina da Anglo Ferrous Minas-Rio Mineração S/A - Conceição do Mato Dentro, Alvorada de Minas e Dom Joaquim.

Escobar, A. (1995). Encountering Development: the making and unmaking of the third world. Princeton: Princeton University Press.

Escobar, A. (1996). Constructing Nature: elements for a poststructural political ecology. In R. Peet & M. Watts (Orgs.), Liberation Ecologies. London: Routledge.

Faria, D., Freitas Neto, J., & Ferreira, J. (2016). Turismo, mineração e desenvolvimento: relações complexas. Revista de Turismo Contemporâneo, 4(2), 307–330.

Fazito, M. (2013). Competing Rationalities of Tourism Development in the Espinhaço Range Biosphere Reser-ve (Tese de Doutorado). University College Dublin, Dublin.

Fazito, M. (2015). Modernização Turística: o papel do turismo nos discursos dominantes de desenvolvimento. In Figueiredo, S., Azevedo, F. & Nóbrega, W. (Orgs.), Perspectivas Contemporâneas de Análise em Turismo. Belém: NAEA.

Fazito, M., Rodrigues, B., & Nascimento, E. (2017). O Papel do Turismo no Desenvolvimento Humano. Apre-sentado em Enanppas 2017, Natal.

Fazito, M., Scott, M., & Russell, P. (2016). The Dynamics of Tourism Discourses and Policy in Brazil. Annals of Tourism Research, 57, 1–17. DOI: https://doi.org/10.1016/j.annals.2015.11.013

Feindt, P., & Oels, A. (2005). Does Discourse Matter? Discourse Analysis in Environmental Policy Making. Does Discourse Matter? Discourse Analysis in Environmental Policy Making, 7(3), 161–173. DOI: https://doi.org/10.1080/15239080500339638

Ferreira, H. (2014). Turismo Comunitário, Tradicionalidade e Reserva de Desenvolvimento Sustentável na Defesa do Território Nativo: aventureiro-Ilha Grande/RJ. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 8(2), 361–379. DOI: https://doi.org/10.7784/rbtur.v8i2.689

Flyvbjerg, B., & Richardson, T. (2002). Planning and Foucault: in search of the dark side of planning theory. In Allmendinger, P. & Tewdwr-Jones, M. (Orgs.), Planning Futures: new directions for planning theory (p. 44–62). London: Routledge.

Foucault, M. (1978). The History of Sexuality (Vol. 1). New York: Pantheon.

Foucault, M. (1991). Politics and the Study of Discourse. In Burchell, G., Gordon, C. & Miller, P. (Orgs.). The Foucault Effect: studies in governmentality (p. 53–72). Chicago: Chicago University Press.

Franklin, A., & Crang, M. (2001). The Trouble with Tourism and Travel Theory. Tourist Studies, 1(1), 5–22. DOI: https://doi.org/10.1177/146879760100100101

Freire, P. (1973). Education for Critical Cousciousness. London: Sheed and Ward.

Freire, P. (1996). Pedagogy of the Opressed. London: Penguin Books.

Gómez, C., Falcão, M., Cherem, L., & Silva, T. (2016). A Participação da Comunidade no Turismo de Base Co-munitária: um estudo de múltiplos casos. Caderno Virtual de Turismo, 16(2). DOI: http://dx.doi.org/10.18472/cvt.16n2.2016.1190

Green, E. (1998). “Women Doing Friendship”: an analysis of women’s leisure as a site of identity construction, empowerment and resistance. Leisure Studies, 17, 171–185. DOI: https://doi.org/10.1080/026143698375114

Hajer, M. (1995). The politics of environmental discourse : ecological modernization and the policy process. Oxford: Oxford University Press, c.

Hajer, M., & Versteeg, W. (2005). A Decade of Discourse Analysis of Environmental Politics: achievements, challenges and perspectives. Journal of Environmental Policy and Planning, 7(3), 175–184. DOI: https://doi.org/10.1080/15239080500339646

Hannam, K., & Knox, D. (2010). Understanding tourism: a critical introduction. Los Angeles; London: SAGE. DOI: https://doi.org/10.4324/9780203868782

Harvey, D. (2011). The Future of the Commons. Radical History Review, 2011(109), 101–107. DOI: https://doi.org/10.1215/01636545-2010-017

Haworth, J. T., & Veal, A. J. (Orgs.). (2005). Work and Leisure (New Ed). Routledge.

Higgins-Desbiolles, F. (2006). More than an “Industry”: the forgotten power of tourism as a social force. Tour-ism Management, 27, 1192–1208. DOI: https://doi.org/10.1016/j.tourman.2005.05.020

Hultsman, J. (1995). Just Tourism: an ethical framework. Annals of Tourism Research, 22(3), 553–567. DO: https://doi.org/10.1016/0160-7383(95)00011-T

Jessup, G., Bundy, A., & Cornell, E. (2013). To Be or To Refuse To Be? Exploring the concept of leisure as re-sistance for young people who are visually impaired. Leisure Studies, 32(2), 191–205.DOI: https://doi.org/10.1080/02614367.2012.695388

Kleiber, D. A. (1999). Leisure Experience and Human Development: A Dialectical Interpretation. Basic Books.

Krippendorf, J. (1989). Sociologia do Turismo: para uma nova compreensão do lazer e das viagens. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Krippendorf, J. (1999). The Holiday Makers: Understanding the Impact of Leisure and Travel. Oxford: Butter-worth-Heinemann.

Lafargue, P. (1999). O Direito à Preguiça. São Paulo: Hucitec.

Marcellino, N. (1983). Lazer e Humanização. Papirus.

Marcellino, N. (2006). Estudos do Lazer: uma introdução (4o ed). Campinas: Autores Associados.

Marcellino, N. (2008). Lazer e Sociedade: algumas aproximações. In: N. Marcellino (Org.), Lazer e Sociedade: multiplas relações (p. 11–26). Campinas: Alinea.

Marcellino, N. (2010). Lazer e Educação (16o ed). Papirus Editora.

Matos, C., Araújo, M., & Teixeira, M. (2013). Interesses, Políticas Públicas e Desenvolvimento do Turismo de Base Comunitária no Ceará. Turismo, Visão e Ação, 15(3), 419–433. DOI: https://doi.org/10.14210/rtva.v15i3

Medeiros, C., Gomes, C., & Nascimento, M. (2015). Gestão em Geoparques: desafios e realidades. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 9(2), 342–359. DOI: http://dx.doi.org/10.7784/rbtur.v9i2.798

Medeiros, V., Macedo, R., Costa, F., & Dantas, A. (2010). Economia Solidária e Turismo: um estudo comparati-vo nos municípios de Natal/RN e Recife/PE. Caderno Virtual de Turismo, 10(2).

Mendonça, T., Santos, R., Lopes, P., Andrade, S., & Moraes, A. (2017). Turismo de Base Comunitária na Costa Verde (RJ): caiçaras, quilombolas e indígenas. Revista Brasileira de Ecoturismo, 10(2), 328–356.

Minari, M., & Rabinovici, A. (2014). Diálogo, Participação e Projetos de Turismo com Comunidades em Unida-des de Conservação na Amazônia Brasileira. Revista Brasileira de Ecoturismo, 7(1).

Moufakkir, O., & Reisinger, Y. (Orgs.). (2013). The Host Gaze in Global Tourism. Oxfordshire: CABI. DOI: https://doi.org/10.1079/9781780640211.0000

MOVSAM, UNICOM, AMD, ASCOR, Labcen/PUC Minas, CPT-MG, … Associação Comunitária São Sebastiao do Bom Sucesso e Região. (2012). Violações de Direitos Humanos na ADA e AID - Projeto Minas-Rio – Abril/2012.

Nascimento, A., Gomes, C., & Brito, A. (2015). Geoparque como forma de gestão territorial interdisciplinar apoiada no geoturismo: o caso do Projeto Geoparque Seridó. Revista Brasileira de Ecoturismo, 8(2), 347–364.

Oliveira, C., & Blos, W. (2012). Ecoturismo: desenvolvimento, comunidades tradicionais e participação. Ca-derno Virtual de Turismo, 12(2). Recuperado de http://each.usp.br/turismo/publicacoesdeturismo/ref.php?id=569

Ostrom, E. (1990). Governing the commons: the evolution of institutions for collective action. Cambridge; New York: Cambridge University Press. DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9780511807763

Peet, R., & Watts, M. (1996). Liberation Ecologies. London: Routledge. DOI: https://doi.org/10.4324/9780203286784

Pereira, L., & Almeida, M. (2015). Paisagens construídas, mineração e turismo conforme a percepção dos moradores em Minaçu- GO. Cultur - revista de cultura e turismo, 3(1). Recuperado de http://each.usp.br/turismo/publicacoesdeturismo/ref.php?id=1824

Perinotto, A. R. C., & Queiroz, O. (2008). Território, ambiente, exploração e decadência da atividade minerado-ra e o processo atual de turistificação do espaço na Chapada Diamantina/BA. Global Tourism, 4(1), 1–19.

Pinto, L. (2008). Lazer e Educação: os desafios da atualidade. In Marcellino, N. (Org.), Lazer e Sociedade: múl-tiplas relações (p. 11–26). Campinas: Alinea.

Sampaio, C., Zechner, T., Henríquez, C., Coriolano, L., & Fernandes, S. (2014). Turismo Comunitário a Partir de Experiências Brasileiras, Chilenas e Costarriquenha. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 8(1). https://doi.org/10.7784/rbtur.v8i1.575

Santos, B. (2002). A Crítica da Razão Indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez.

Santos, B. (2004). The WSF: toward a counter-hegemonic globalization. In Sen, J., Anand, A., Escobar, A. & Waterman, P. (Orgs.) (p. 235–245). New Delhi: The Viveka Foundation.

Sharp, L., & Richardson, T. (2001). Reflections on Foucauldian Discourse Analysis in Planning and Environmen-tal Policy Research. Journal of Environmental Policy and Planning, 3, 193–209. DOI: https://doi.org/10.1002/jepp.88

Shaw, G., & Williams, A. (1994). Critical issues in tourism: a geographical perspective. Oxford: Blackwell.

Shaw, S. (2001). Conceptualizing Resistance: women’s leisure as political practice. Journal of Leisure Re-search, 33(2), 186–201. DOI: https://doi.org/10.1080/00222216.2001.11949937

Soares, E., & Silva, M. (2009). O Turismo como Alternativa para a Recuperação de Áreas Degradadas pela Mineração. Turismo e Sociedade, 2(1), 90–104. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/tes.v2i1.14305

United Nations. (1948). Universal Declaration of Human Rights. Recuperado de http://www.ohchr.org/EN/UDHR/Documents/UDHR_Translations/eng.pdf

UNWTO. (2009). World Tourism Barometer Interim Update. World Tourism Organization

Valle, R. (2009). Conceição: Guarde nos Olhos II. Recuperado de http://www.youtube.com/watch?v=oysDR7sf5RU&feature=youtube_gdata_player

Wearing, B. (1990). Beyond the Ideology of Motherhood: leisure as resistance. New Zealand Journal of Sociol-ogy, 21(1), 309–314. DOI: https://doi.org/10.1177/144078339002600102

Wearing, B. (1998). Leisure and Feminist Theory. London: Sage. DOI: https://doi.org/10.4135/9781446278970

Publicado
13-05-2019
Seção
Artigos