Cartografias imaginativas do Brasil nas brochuras turísticas alemãs e francesas: da exotização à mercantilização turística

Palavras-chave: Turismo, Exotização, Mercantilização, Brasil.

Resumo

À luz dos Estudos Culturais e da teoria pós-colonial, o presente estudo propôs-se investigar de que forma a imagem do Brasil em brochuras turísticas que o promovem na Alemanha e na França nas temporadas 2014 e 2015 está condicionada pela mercantilização e exotização. A análise centrada no conteúdo visual das brochuras turísticas permitiu acessar as representações simbólicas envolvidas na percepção do Brasil como um Outro. Além disso, foi possível identificar o que se designou indistintamente, por cartografias ou paisagens culturais imaginativas nas representações do Brasil, centradas em três dimensões: cultura  urbana, cultura rural e paisagem natural e, ainda, uma vertente social e humana. Em linhas gerais, as cartografias ou paisagens forneceram um conjunto de referências responsáveis pela caracterização dos destinos: a cartografia da cultura urbana vinculou-se diretamente com o patrimônio material, as manifestações culturais e os espaços “turistificados” que suportam a atividades; a cartografia  da cultura rural e a paisagem natural relacionaram-se com a forma como a natureza foi representada e as múltiplas possibilidades do visitante vivenciar experiências; já a cartografia social humana ligou-se ao comportamento e estilo de vida do povo brasileiro.

Biografia do Autor

Lélian Patrícia de Oliveira Silveira, CEFET/RJ, Petrópolis, RJ, Brasil.
Doutora em Estudos Culturais, Professora do CEFET/RJ/Petrópolis e membro do Centro de Investigação do Departamento de Línguas e Culturas da Universidade de Aveiro – Portugal.
Maria Manuel Baptista, Universidade de Aveiro, Aveiro, Portugal.
Doutora em Cultura, Professora Catedrática e Diretora do Programa Doutoral em Estudos Culturais no Departamento de Línguas e Culturas da Universidade de Aveiro – Portugal.

Referências

Achkar, A. El (2009). A cultura do simulacro na sociedade do espetáculo e os novos mecanismos de simulação espe-tacular. In Anais do XVIII Congresso Nacional do CONPEDI, São Paulo.

Aitchison, C. (2001). Theorizing other discourses of tourism, gender and culture: can the subaltern speak (in tour-ism)? Tourist Studies, 1(2), pp. 133-147. DOI: https://doi.org/10.1177/146879760100100202

Andsager, J. & Drzewiecka, J. (2002). Desirability of differences in destinations. Annals of Tourism Research, 2(29), pp. 401-421. DOI: https://doi.org/10.1016/S0160-7383(01)00064-0

Alves, V. (2011). O olhar das palavras do turista britânico. Representação de Portugal nos livros de viagens: 1950-2000. Tese de Doutoramento. Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Coimbra.

Aoun, S. (2001). A Procura do paraíso no universo do turismo. São Paulo: Papirus.

Augé, M. (1994). Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. (Tradução Maria Lúcia Pereira). Campinas, SP: Papirus.

Bardin, L. (1991). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Barker, C. (2003). Cultural Studies: Theory and Practice. SAGE Publication. 2o Ed.

Barthes, R. (1982). A retórica da imagem. In: O obvio e o obtuso. (Tradução Isabel Pascoal) Lisboa: edições 70.

Brito-Henriques, E. (2014). Visual Tourism and post-colonialism: imaginative geographies of África in a portuguese travel magazine. Journal of Tourism and Cultural Change, 12(4), pp. 320-334. DOI: https://doi.org/10.1080/14766825.2014.887722

Campos, C. J. G. (2004). Método de análise de conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem. Brasília (DF), 57(5), pp. 611-614. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-71672004000500019

Carvalho, A. (s/d). A imagem do brasil sob a visão do outro: uma análise das fotografias sobre o Brasil no site www.boston.com/bigpicture. In 7o Interporgramas de Mestrado. Faculdade de Comunicação Cásper Líbero, São Pau-lo, SP.

Carvalho, D. T. et al., (2016). Experiência em website de marca-país e a formação da imagem de destino turístico: um estudo na Islândia. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo. São Paulo, 10 (1), pp. 108-128, jan./abr. DOI: https://doi.org/10.7784/rbtur.v10i1.1019

Caton, K. & Santos, C. A. (2008). Closing the hermeneutic circle? Photographic encounters with the other. Annals of Tourism Research, 35(1), pp. 7-26. DOI: https://doi.org/10.1016/j.annals.2007.03.014

Chetty, D. (2011). The Exotic “Orient” in Gender and Tourism. In Morady, F. & Siriner, I. (Eds.). Globalisation, Religion & Development. I JOPEC Publication, London.

Cohen, E. (1988). Authenticity and commoditization in tourism. Annals of Tourism Research, 15(3), pp. 371-386. DOI: https://doi.org/10.1016/0160-7383(88)90028-X

Cordeiro, M. J. (2010). Olhares alemães: Portugal na literatura turística – guias de viagem e artigos de imprensa (1980-2006). Universidade Nova de Lisboa, Lisboa: Colibri.

Debord, G. (2003). A sociedade do espetáculo. (Tradução Estela dos Santos Abreu). Rio de Janeiro: Contraponto.

Echtner, C. M. & Pasad, P. (2003). The context of third world tourism marketing. Annals of Tourism Research, 30(3), pp. 660-682. DOI: https://doi.org/10.1016/S0160-7383(03)00045-8

Ferreira, G. M. (2007). Análise da imagem na imprensa – um percurso em busca da discursividade na fotografia. In Mattos, S. (Org.). Comunicação plural [online]. Salvador: EDUFBA. n.4. ISBN 978-85-232-0442-6.

Gomes, M. (2009). La construcion del Brasil como un paraíso de mulatas: del imaginário colonial al marketing tu-rístico. Sociedade Hoy, n.17, pp. 75-87.

Guerra, I. (2010). Pesquisa Qualitativa e Análise de Conteúdo. Sentidos e formas de uso. Cascais: Princípia Editora.

Hall, S. (1992). A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP & A.

Hall, S. (2003). Da diáspora - identidades e mediações culturais. Organização Livro Sovik (Tradução Adelaide La Guar-diã̃ Resende, Ana Carolina Escosleguy, Cláudia Álvares, Francisco Rudiger e Sayinara Amaral). Belo Horizonte: Editora UFMG.

Hassan, H. (2014). The representation of Malaysian cultures in tourism brochures. Procedia – Social and Behavioral Sciences, 118, pp. 140-151. DOI: http://dx.org/10.1016/j.sbspro. 2014.02.019

Jenkins, O. (2003). Photography and travel brochures: the circle of representation. Tourism Geographies, An Interna-tional Journal of Tourism Space, Place and Environment, 5(3), pp. 305- 328. DOI: http://dx.org/10.1080/14616680309715

Joly, M. (2007). Introdução à análise da imagem. Lisboa: Ed. 70.

Krippendorf, J. (2000). A sociologia do turismo – para uma nova compreensão do lazer e das viagens. São Paulo: Aleph.

MacCannell, D. (1992). Empty meeting grounds. New York: Routledge & Kegan Paul.

MacCannell, D. (1999). The tourist: a new theory of the leisure class. Berkeley: University of California Press.

Maia, S. V. (2016). Relações de poder e identidade(s) de gênero: a sociedade “matriarcal” de Ílhavo na década de 1950. Tese de Doutoramento. Aveiro: Universidade de Aveiro; Braga: Universidade do Minho.

Matos, M. M. L. (2010). Postigos para o mundo. Cultura turística e livros de viagem na República Democrática Alemã̃ (1989/1990). Tese de Doutoramento. Universidade do Minho.

Mello, C. (s/d). Mais do que os olhos veem: análise e leitura sensorial de fotografias turísticas. Disponível em: https://www.anptur.org.br/anais/anais/v.11/DFP1_pdf/45.pdf. Acesso em 24 de fevereiro de 2017.

Metz, C. (1973). Para além da analogia. In: Análise das imagens. Col. Novas perspectivas em comunicação 8, Petrópo-lis: Vozes

Moassab, A. (2012). Território e identidade de Cabo Verde: debate sobre a (frágil) construção identitária em contextos recém independentes no mundo globalizado. In Lima, A. F. (Org.). Psicologia Social Crítica: praxes do contemporâneo. Porto Alegre: Sulina.

Mota-Ribeiro, S. (2005). Retratos de mulher: Construções sociais e representações visuais no feminino. Coleção Comunicação e Sociedade, vol.2. Porto: Campo das Letras.

Name, L. (2016). Geografias e imagens: notas decoloniais para uma agenda de pesquisa. Espaço e cultura, UFRJ, RJ, n.39, p.59-80, jan./jun.

Nash, D. (1989). Tourism as a form of imperialism. In: Smith, V. L. (Ed.). Hosts and guest: the anthropology of tour-ism. Philadelphia: University of Pennsylvania Press. DOI: https://doi.org/10.1016/0160-7383(89)90041-8

Pratt, M. L. (1999). Os olhos do império: relatos de viagem e transculturação. São Paulo: EDUSC.

Rodrigues, A. (1996). Lugar, não-lugar e realidade virtual no turismo globalizado. Revista do Departamento de Geogra-fia. São Paulo: Departamento de Geografia da FFLCH/USP.

Said, E. W. (2007). Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. (Tradução Rosaura Eichenberg). São Paulo: Companhia das Letras.

Santos, M. C. (2008). Imagem de um destino turístico: o caso de Cabo Verde. In Fórum Sociológico [online], 18. DOI: https://doi.org/10.4000/sociologico.285

Urry, J. (1996). O olhar do turista: lazer e viagens nas sociedades contemporâneas. (Tradução Carlos Eugenio Mar-condes de Moura). São Paulo: Studio Nobel.

Silva, S. K. M. & Alves, M. L. B. (2014). Fotografias da “Cidade do Sol”: um registro de revelações e ocultações. Revis-ta Brasileira de Pesquisa em Turismo. São Paulo, 8(3), pp. 456-475, set./dez. DOI: https://doi.org/10.7784/rbtur.v8i3.807

Yázigi, E.; Carlos, A. F. A.; Cruz, R. C. & Ribeiro, A. C. T. (1999). Turismo: Espaço, Paisagem e Cultura. Editora Hucitec.

Zucco, D. F. et al. (2017). Imagem e identidade turísticas relacionadas às práticas e bens culturais percebidas pelos residentes: perspectivas a partir da cidade de Blumenau, Santa Catarina, Brasil. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo. São Paulo, 11(2), pp. 320-346, maio/ago. DOI: https://doi.org/10.7784/rbtur.v11i2.1309

Referências Brochuras Turísticas

Aventoura (2014). Brasilien. Rehlingstraße: aventoura.

Best Of (2014/2015). Sudamerika. Stuttigart: Best Of Tavel Group.

Clio (2015). Amerique, Pacifique, Afrique. Paris: Clio Voyages Culturels.

Du Monde (2014). Voyageurs au Bresil. Paris: Voyageurs du Monde.

Explorer (2014/2015). Mittel - & Sudamerika, Karibik. Schlier: Explorer.

Gateway (2014). Brasilien. Leipzing: Gatewaybrazil

Ruppert (2014). Brasilien neu entdecken ... Munique: Ruppertbrasil.

Terre Voyages (2014). Terre Bresil. Paris, Terre Voyages.

Publicado
13-05-2019
Seção
Artigos