Confiança em redes de cooperação do turismo

análise de seu papel e elementos vinculados em Parnaíba, Piauí, Brasil

Palavras-chave: Confiança, Cooperação, Elementos Vinculados, Destino Turístico

Resumo

Este trabalho objetivou demonstrar o papel da confiança e dos elementos que se vinculam a ela – contratos, instituições de suporte e reciprocidade – na decisão de cooperar no setor turístico de Parnaíba, Piauí, Brasil. Para tanto, realizou-se uma pesquisa exploratória, com abordagem qualitativa, na qual foram entrevistados nove gestores de empresas do setor de hospedagem. Os dados foram analisados com o uso da técnica da Análise de Conteúdo. Os resultados apontaram que existem várias redes de cooperação interorganizacional no local, que as relações são informais e se traduzem na indicação, troca de conhecimento/informação e ações de promoção. A contribuição deste trabalho está em demonstrar que a confiança está presente nas redes locais, mas a confiabilidade, entendida como um atributo individual, mostrou-se também relevante na decisão de cooperar. Além disso, comprova-se que instituições de suporte e reciprocidade aparecem como complementares à confiança, enquanto contratos substituem a confiança e são usados somente nas relações fora do território. Por fim, são apresentadas oito proposições de pesquisa, como resultado do estudo empírico, a serem testadas em estudos futuros

Biografia do Autor

David Leonardo Bouças da Silva, Universidade Federal do Maranhão (UFMA), São Luís, Maranhão, Brasil
Professor do Departamento de Turismo e Hotelaria da Universidade Federal do Maranhão (DETUH-UFMA). Doutor em Administração (FACE/UnB), com bolsa-sanduíche na Universitat Jaume I (Espanha). Mestre em Desenvolvimento Sustentável (CDS/UnB). 
Valmir Emil Hoffmann, Universidade de Brasília (UNB), Brasília, Distrito Federal, Brasil
Professor Titular Departamento de Administração e do Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade de Brasília (PPGA-UnB). Doutor em Administração de empresas (Universidad de Zaragoza). Contribuições no trabalho: orientação da pesquisa e da aplicação de campo, construção do referencial teórico, análise e interpretação dos dados, redação e revisão final.
Helena Araújo Costa, Universidade Federal do Maranhão (UFMA), São Luís, Maranhão, Brasil
Professora Associada I do Departamento de Administração da Universidade de Brasília (UnB), com atuação nos bacharelados em Administração, Turismo e no Mestrado em Turismo da UnB. Doutora em Desenvolvimento Sustentável (CDS/UnB).

Referências

André, M. (2004). Políticas Locales de Dinamización Turística y Grandes Atractivos Culturales: El Caso de Figu-res. In: Sentias, Josep F. Casos de Turismo Cultural: de la planificación estratégica a la gestión del producto. Barcelona: Ariel.

Andrighi, F.F. & Hoffmann, V.E. (2010). Redes e Cooperação na Destinação Turística de Urubici/SC. Turismo em Análise, 21(1), 149-164, abril. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v21i1p149-164

Asheim, B.T. & Isaksen, A. (2002). Regional innovation systems: The integration of local ‘sticky’ and global ‘ubiquitous’ knowledge. The Journal of Technology Transfer, 27, 77-86.https://doi.org/10.1023/A:1013100704794

Axelrod, R. (2010). A evolução da cooperação. São Paulo: Leopardo Editora.

Baggio, R. & Cooper, C. (2010). Knowledge transfer in a tourism destination: the effects of a network struc-ture. The Service Industries Journal, 30(10), 1757-1771. https://doi.org/10.1080/02642060903580649

Balestrin, A., & Vargas, L.M. (2004). A dimensão estratégica das redes horizontais de PMEs: teorizações e evidências. Revista de Administração Contemporânea, 8, 203-227. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552004000500011 https://doi.org/10.1590/S1415-65552004000500011

Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Barney, J.B. (1991). Firm Resources and Sustained Competitive Advantage. Journal of Management, 17, 99-120. https://doi.org/10.1177/014920639101700108https://doi.org/10.1177/014920639101700108

Barney, J.B. & Hansen, M.H. (1994). Trustworthiness as a source of competitive advantage. Strategic Man-agement Journal, 15, 175-190. https://doi.org/10.1002/smj.4250150912

Beritelli, P. (2011). Cooperation among prominent actors in a tourist destination. Annals of Tourism Research, 38(2), 607-629. https://doi.org/10.1016/j.annals.2010.11.015

Boari, C., Molina-Morales, F.X. & Martínez-Cháfer, L. (2017). Direct and Interactive Effects of Brokerage Roles on Innovation in Clustered Firms. Growth and Change – a Journal of Urban and Regional Policy, 48(3), Sep. 336-358. https://doi.org/10.1111/grow.12170

Bock, I.A.A. & Macke, J. (2014). The social capital and the development of collaborative networks in the tour-ism sector: a case study on the Grupo Gestor do Turismo Rural do Rio Grande do Sul (Rural Tourism Steering Group) – RS, Brazil. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 8(1), 23-41. http://dx.doi.org/10.7784/rbtur.v8i1.563

Bonet, L. (2004). La estrategia de Turisme de Barcelona. In: Sentias, J.F. Casos de Turismo Cultural: de la planificación estratégica a la gestión del producto. Barcelona: Ariel.

Borgatti, S. & Foster, P. (2003). The Network Paradigm in Organizational Research: a review and typology. Journal of Management, 29(6), p. 991-1013. https://doi.org/10.1016/S0149-2063(03)00087-4

Bouças da Silva, D.L. & Ribeiro, R.T. (2018). Passado, presente e futuro: os desafios para o desenvolvimento turístico sustentável do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. In: Nascimento, E. P. & Costa. H. A. (Org.). Turismo e Sustentabilidade: verso e reverso. Rio de Janeiro: Garamond, 1, 25-49.

Brandão, J.M.F., Temoteo, J.A.G. & Cândido, G.A. (2018). “Many hands make light work”: analysis of the inter-organizational learning process in a hotel chain in Paraíba, Brazil. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 12(2), 25-45, maio/ago. http://dx.doi.org/10.7784/rbtur.v12i2.1379

Brasil. Ministério do Turismo. (2008). Estudo de Competitividade dos 65 Destinos Indutores do Desenvolvi-mento Turístico Regional – Relatório Brasil. 2. ed. Brasília: Ministério do Turismo.

Brasil. Ministério do Turismo. (2015). Categorização dos Municípios das Regiões Turísticas do Mapa do Tu-rismo Brasileiro. Brasília-DF, 26p.

Brusco, S. (1993). Pequeñas Empresas y Prestación de Servicios Reales. In: Pyke, F.; Sergenberger, W. Los DI y las PYMEs: DI y Regeneración Económica Local. Madrid: MSSS.

Carrão, A.M.R. (2004). Cooperação entre empresas de pequeno porte em pólos industriais: um estudo com-parativo. R. Adm., São Paulo, 39(2), 186-195, abr./maio/jun.

Castro, M., Bulgacov, S. & Hoffmann, V.E. (2011). Relacionamentos Interorganizacionais e Resultados: Estudo em uma Rede de Cooperação Horizontal da Região Central do Paraná. Revista de Administração Contempo-rânea, Curitiba, 15(1), art 2, 25-46.https://doi.org/10.1590/S1415-65552011000100003

Cerqueira, A.C., Teixeira, R.M. & Sacramento, P.M. (2010). Redes de cooperação entre pequenas empresas do setor hoteleiro e a rede turística: um estudo de casos múltiplos em Aracaju, Sergipe. Revista Acadêmica Observatório de Inovação do Turismo, 5(1), 1-16. http://dx.doi.org/10.12660/oit.v5n1.5762

Chim-Miki, A. & Batista-Canino, R. (2016). La Investigación sobre Coopetición: Estado actual del conocomien-to y sus implicaciones en los estudios turísticos. Estudios y Perspectivas en Turismo, 25, 399-415.

Colet, D.S. & Mozzato, A. R. (2016). Um por Todos e Todos por Um: relações interorganizacionais na Rota das Salamarias – RS. Anais do IX EGEPE, Passo Fundo, RS, Brasil, 17p.https://doi.org/10.21714/2178-8030gep.v17i1.4446

Colquitt, J.A., Scott, B.A. & LePine, J.A. (2007). Trust, Trustworthiness, and Trust Propensity: A Meta-Analytic Test of Their Unique Relationships with Risk Taking and Job Performance. Journal of Applied Psychology, 92(4), 909-927. https://doi.org/10.1037/0021-9010.92.4.909

Costa, H.A. (2018). Olhares sobre a cooperação empresarial entre pequenas empresas em destinos turísti-cos: reflexões e aprendizados de pesquisa. In: Nascimento, E. P. & Costa, H. A. (Org.). Turismo e Sustentabili-dade: verso e reverso. Rio de Janeiro: Garamond, 1, 25-49.https://doi.org/10.26512/revistacenario.v6i10.18754

Costa, H.A. & Franco, A.F.O. (2018). Competitividade e cooperação entre pequenas empresas de hospeda-gem: um estudo de hostels no Rio de Janeiro. Revista Cenário, 6, 25-40. https://doi.org/10.26512/revistacenario.v6i10.18754

Costa, H.A., Nascimento, E.P., Hoffmann, V.E., & Bouças da Silva, D.L. (2017). ¿Por qué cooperan las micro y pequeñas empresas turísticas? Estudios y Perspectivas en Turismo, 26(4), 781-803.

Czernek, K., Czakon, W. & Marszałek, P. (2017). Trust and formal contracts: Complements or substitutes? A study of tourism collaboration in Poland. Journal of Destination Marketing & Management, 6(4), 318-326. http://dx.doi.org/10.1016/j.jdmm.2017.07.001

Denicolai, S., Cioccarelli, G. & Zucchella, A. (2010). Resource-based local development and networked core-competencies for tourism excellence. Tourism Management, 31(2), 260-266. https://doi.org/10.1016/j.tourman.2009.03.002

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed. 405p.

Fontanella, B.J.B., Ricas, J. & Turato, E.R. (2008). A mostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: Contribuições teóricas. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 24(1), 17-27, jan. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008000100003

Fortunato, R.A. & Garcez, M.L. (2016). As dinâmicas das redes no campo do turismo: uma aposta na diversi-dade. Caderno Virtual de Turismo, 16(3). http://dx.doi.org/10.18472/cvt.16n3.2016.1181

Franco, M.J.B. (2007). Tipologia de processos de cooperação empresarial: uma investigação empírica sobre o caso português. Revista de Administração Contemporânea, 11(3), 149-176.https://doi.org/10.1590/S1415-65552007000300008

Fratucci, A.C. (2009). Refletindo sobre a gestão dos espaços turísticos: perspectivas para as redes regionais de turismo. Revista Turismo em Análise, 20(3). https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v20i3p391-408

Gambetta, D. (1988). Can We Trust Trust? In: Gambetta, D. (ed.) Trust: Making and Breaking Cooperative Rela-tions. University of Oxford, 13, 213-237.

Giglio, E.M. & Carvalho, M.F. (2013). As transformações das redes de negócios na perspectiva da teoria soci-al: o caso da Vila de Paranapiacaba - SP. Revista Turismo em Análise, 24(2), 248-277. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v24i2p248-277

Gouldner, A. (1960). The Norm of Reciprocity: A Preliminary Statement. American Sociological Review, 25(2), 161-178, Apr. https://doi.org/10.2307/2092623

Gomes, B.M.A. (2010). Redes organizacionais e canais de distribuição no turismo. Turismo e Sociedade, 3(1), 37-50, abr. http://dx.doi.org/10.5380/tes.v3i1.17340

Granovetter, M.S. (1985). Economic Action and Social Structure: The Problem of Embeddedness. American Journal of Sociology, 91(3), 481-510.https://doi.org/10.1086/228311

Hocayen da Silva, A.J. & Teixeira, R.M. (2009). Análise dos relacionamentos interorganizacionais em empre-sas do setor hoteleiro de Curitiba/PR: estudo comparativo de casos. Revista Brasileira de Pesquisa em Turis-mo, 3(2), 24-48, ago. https://doi.org/10.7784/rbtur.v3i2.158

Hoffmann, V.E., & Campos, L.M.S. (2013). Instituições de Suporte, Serviços e Desempenho: um estudo em aglomeração turística de Santa Catarina. RAC, Rio de Janeiro, 17(1), art. 2, 18-41, Jan./Fev.https://doi.org/10.1590/S1415-65552013000100003

Hoffmann, V.E., Lopes, G.S.C. & Medeiros, J.J. (2014). Knowledge transfer among the small businesses of a Brazilian cluster. Journal of Business Research, 67, 856-864. http://dx.doi.org/10.1016/j.jbusres.2013.07.004

Hoffmann, V.E., Molina-Morales, F.X. & Martínez-Fernández, M.T. (2007). Redes de empresas: proposta de uma tipologia para classificação aplicada na indústria de cerâmica de revestimento. Revista de Administração Contemporânea, 11, 103-127.https://doi.org/10.1590/S1415-65552007000500006

Knupp, M.E.C.G. & Mafra, F.L.N. (2012). Redes do Turismo: uma análise da política de turismo do Estado de Minas Gerais - Brasil. Revista Turismo em Análise, 23(3).https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v23i3p663-690

Kylänen, M., & Rusko, R. (2011). Unintentional coopetition in the service industries: The case of Pyhä-Luosto tourism destination in the Finnish Lapland. European Management Journal, 29, 193-205. https://doi.org/10.1016/j.emj.2010.10.006https://doi.org/10.1016/j.emj.2010.10.006

Lanz, L.Q. & Tomei, P.A. (2015). Confiança nas organizações: como gerenciar a confiança interpessoal, orga-nizacional e interorganizacional. Rio de Janeiro: Elsevier: PUC-Rio.

Locke, R.M. (2001). Building trust. Annual Meetings of the American Political Science Association, S. Francis-co: California.

Luhmann, N. (1988). Familiarity, Confidence, Trust: Problems and Alternatives. In: Gambetta, D. (ed.) Trust: Making and Breaking Cooperative Relations, University of Oxford, 13, 127-141.

Lumineau, F. & Malhotra, D. (2011). Shadow of the contract: how contract structure shapes interfirm dispute resolution. Strategic Management Journal, 32, 532-555. https://doi.org/10.1002/smj.890

Maciel, M.L. (2001). Confiança, capital social e desenvolvimento. Econômica, 3(2).

Maggioni, I., Marcoz, E.M. & Mauri, C. (2014). Segmenting networking orientation in the hospitality industry: An empirical research on service bundling. International Journal of Hospitality Management, 42, 192-201. http://dx.doi.org/10.1016/j.ijhm.2014.07.002

Mayer, R.C., Davis, J.H. & Schoorman, F.D. (1995). An Integrative Model of Organizational Trust. The Academy of Management Review, 20(3), 709-734, Jul. https://doi.org/10.5465/amr.1995.9508080335

Miranda Júnior, N.S., Costa, H.A. & Hoffmann, V.E. (2016). Dificuldades para a Cooperação entre Hotéis Aglo-merados Territorialmente: um estudo da hotelaria em Brasília – DF. Turismo em Análise, 27(1), 153-177. http://dx.doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v27i1p153-177

Molina-Morales, F.X. & Martínez-Fernández, M.T. (2010). Social Networks: Effects of Social Capital on Firm Innovation. Journal of Small Business Management, 48(2), 258-279. https://doi.org/10.1111/j.1540-627X.2010.00294.x

Neumann, L., Hexsel, A. & Balestrin, A. (2011). Desafios à Cooperação em Aglomerados Produtivos: um estu-do de caso no segmento de malhas do sul do Brasil. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 8(3), 220-230, julho/setembro. http://doi.org/10.4013/base.2011.83.02

North, D.C. (1990). Institutions, institutional change and economic performance. Cambridge: Cambridge Uni-versity Press. https://doi.org/10.1017/CBO9780511808678

Nunkoo, R., & Ramkissoon, H. (2012). Power, Trust, Social Exchange and Community Support. Annals of Tour-ism Research, 39(2), 997-1023. https://doi.org/10.1016/j.annals.2011.11.017

Oliver, C. (1990). Determinants of interorganizational relationships: integration and future directions. Academy of Management Review, 15(2), 241-265. https://doi.org/10.2307/258156

Olson, M. (1999). A Lógica da Ação Coletiva: os benefícios públicos e uma teoria dos grupos sociais. São Paulo: EDUSP.

Pereira, A.S. & Lopes, F.D. (2010). Relação entre Ciclo de Vida do Produto Turístico e Estratégias de Coopera-ção na Faixa Litorânea Urbana do Município de Natal. Turismo em Análise, 21(1), abril. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v21i1p188-211

Perinotto, A.R.C. (2013). Investigando a Comunicação Turística de Parnaíba/Pi - Brasil: internet e redes soci-ais, descrição e análise. Revista Turydes. 6(15), dez.

Perinotto, A.R.C. & Santos, A.K.P. (2011). Patrimônio cultural e turismo: um estudo de caso sobre a relação entre a população parnaibana e o Complexo Porto das Barcas. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo. 5(2), 201-225, ago. https://doi.org/10.7784/rbtur.v5i2.413

Powell, W.W. (1990). Neither Market nor Hierarchy: Networks Forms of organization. Research in Organizatio-nal Behavior, 12, 295-336.

Putnam, R.D. (2005). Comunidade e Democracia: a experiência da Itália moderna. 5. Ed. Rio de Janeiro: FGV.

Ring, P.S. & Van de Ven, A.H. (1992). Structuring cooperative relationships between organizations. Strategic Management Journal, 13, 483-498. https://doi.org/10.1002/smj.4250130702

Ritchie, J.R.B. & Crouch, G.I. (2003). The competitive destination: a sustainable tourism perspective. Oxford, UK: CABI Publishing. https://doi.org/10.1079/9780851996646.0000

Rosas, J. & Camarinha-Matos, L.M. (2009). An approach to assess collaboration readiness. International Jour-nal of Production Research, 47(17), 4711-4735. https://doi.org/10.1080/00207540902847298

Scott, N., Cooper, C., & Baggio, R. (2008). Destination Networks: Four Australian Cases. Annals of TourismRe-search, 35(1), 169-188. https://doi.org/10.1016/j.annals.2007.07.004

SEBRAE, SENAC, & MTUR. (2006). Planejamento Roteiro Turístico Integrado: Jericoacoara, Delta do Parnaíba, Lençóis Maranhenses.

Selin, S. & Beason, K. (1991). Interorganization al Relations in Tourism. Annals of Tourism Research, 18(4), 639-652. https://doi.org/10.1016/0160-7383(91)90079-Q

Silva, G.M., Almeida, M.R. & Ferreira, R.V. (2014). Redes Interorganizacionais entre Fábricas de Objetos em Estanho no Mercado Turístico de São João del Rei - MG. Revista Turismo em Análise, 25(3), 677-699. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v25i3p677-699

Silva, P.M. & Flôr, S.L.B. (2010). A gestão da energia em redes de cooperação: Um Estudo de Caso da Versare Rede de Hotéis. Revista Hospitalidade, 7(2), 24-37.

Siqueira, M.M.M. (2005). Esquema mental de reciprocidade e influências sobre afetividade no trabalho. Es-tudos de Psicologia, 10(1), 83-93. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2005000100010

Stacke, A.R.N.P., Hoffmann, V.E., & Costa, H.A. (2012). Knowledge transfer among clustered firms: a study of Brazil. Anatolia: An International Journal of Tourism and Hospitality Research, 23(1), 90-106. http://dx.doi.org/10.1080/13032917.2011.653634

Thorelli, H.B. (1986). Networks: Between Markets and Hierarchies. Strategic Management Journal. 7(1), 37-51. https://doi.org/10.1002/smj.4250070105

Tremblay, P. (1999). An empirical investigation of tourism business relationships in Australia’s top end. Tour-ism and Hospitality, Canberra, Australia.

Tsai, W. & Ghoshal, S. (1998). Social Capital and Value Creation: The Role of Intrafirm Networks. The Academy of Management Journal, 41(4), 464-476. https://doi.org/10.5465/257085

Uzzi, B. (1996). The sources and consequences of embeddedness for the economic performance of organiza-tions. American Sociological Review. 61, 674-698.https://doi.org/10.2307/2096399

Vergara, S.C. (1997). Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. 9. ed. São Paulo: Atlas.

Verschoore, J.R., Balestrin, A. & Perucia, A. (2014). Small-Firm Networks: hybrid arrangementor organizational form? O&S – Salvador, 21(69), 275-292 – abril/junho. https://doi.org/10.1590/S1984-92302014000200005

Vieira, D.P. & Hoffmann, V.E. (2018). A Influência dos Relacionamentos para o Desempenho das Empresas de Hospedagem. Caderno Virtual de Turismo. Rio de Janeiro, 18(1), 187-204, abr. http://dx.doi.org/10.18472/cvt.18n1.2018.1325

Xavier, T.R., Inácio, R.O, Wittmann, M.L. & Flecha, A.C. (2012). A relação entre redes e turismo: uma análise bibliométrica sobre a emergência de um novo paradigma no planejamento turístico. Turismo & Sociedade, Curitiba, 5(2), 4443-465, out. http://dx.doi.org/10.5380/tes.v5i2.26970

Williamson, O.E. (1985). The economic institutions of capitalism. New York: Free Press.

Publicado
28-04-2020
Seção
Artigos