Confiança em redes de cooperação do turismo

análise de seu papel e elementos vinculados em Parnaíba, Piauí, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v14i2.1535

Palavras-chave:

Confiança, Cooperação, Elementos Vinculados, Destino Turístico

Resumo

Este trabalho objetivou demonstrar o papel da confiança e dos elementos que se vinculam a ela – contratos, instituições de suporte e reciprocidade – na decisão de cooperar no setor turístico de Parnaíba, Piauí, Brasil. Para tanto, realizou-se uma pesquisa exploratória, com abordagem qualitativa, na qual foram entrevistados nove gestores de empresas do setor de hospedagem. Os dados foram analisados com o uso da técnica da Análise de Conteúdo. Os resultados apontaram que existem várias redes de cooperação interorganizacional no local, que as relações são informais e se traduzem na indicação, troca de conhecimento/informação e ações de promoção. A contribuição deste trabalho está em demonstrar que a confiança está presente nas redes locais, mas a confiabilidade, entendida como um atributo individual, mostrou-se também relevante na decisão de cooperar. Além disso, comprova-se que instituições de suporte e reciprocidade aparecem como complementares à confiança, enquanto contratos substituem a confiança e são usados somente nas relações fora do território. Por fim, são apresentadas oito proposições de pesquisa, como resultado do estudo empírico, a serem testadas em estudos futuros

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

David Leonardo Bouças da Silva, Universidade Federal do Maranhão (UFMA), São Luís, Maranhão, Brasil

Professor do Departamento de Turismo e Hotelaria da Universidade Federal do Maranhão (DETUH-UFMA). Doutor em Administração (FACE/UnB), com bolsa-sanduíche na Universitat Jaume I (Espanha). Mestre em Desenvolvimento Sustentável (CDS/UnB). 

Valmir Emil Hoffmann, Universidade de Brasília (UNB), Brasília, Distrito Federal, Brasil

Professor Titular Departamento de Administração e do Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade de Brasília (PPGA-UnB). Doutor em Administração de empresas (Universidad de Zaragoza). Contribuições no trabalho: orientação da pesquisa e da aplicação de campo, construção do referencial teórico, análise e interpretação dos dados, redação e revisão final.

Helena Araújo Costa, Universidade Federal do Maranhão (UFMA), São Luís, Maranhão, Brasil

Professora Associada I do Departamento de Administração da Universidade de Brasília (UnB), com atuação nos bacharelados em Administração, Turismo e no Mestrado em Turismo da UnB. Doutora em Desenvolvimento Sustentável (CDS/UnB).

Referências

André, M. (2004). Políticas Locales de Dinamización Turística y Grandes Atractivos Culturales: El Caso de Figu-res. In: Sentias, Josep F. Casos de Turismo Cultural: de la planificación estratégica a la gestión del producto. Barcelona: Ariel.

Andrighi, F.F. & Hoffmann, V.E. (2010). Redes e Cooperação na Destinação Turística de Urubici/SC. Turismo em Análise, 21(1), 149-164, abril. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v21i1p149-164

Asheim, B.T. & Isaksen, A. (2002). Regional innovation systems: The integration of local ‘sticky’ and global ‘ubiquitous’ knowledge. The Journal of Technology Transfer, 27, 77-86.https://doi.org/10.1023/A:1013100704794

Axelrod, R. (2010). A evolução da cooperação. São Paulo: Leopardo Editora.

Baggio, R. & Cooper, C. (2010). Knowledge transfer in a tourism destination: the effects of a network struc-ture. The Service Industries Journal, 30(10), 1757-1771. https://doi.org/10.1080/02642060903580649

Balestrin, A., & Vargas, L.M. (2004). A dimensão estratégica das redes horizontais de PMEs: teorizações e evidências. Revista de Administração Contemporânea, 8, 203-227. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552004000500011 https://doi.org/10.1590/S1415-65552004000500011

Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Barney, J.B. (1991). Firm Resources and Sustained Competitive Advantage. Journal of Management, 17, 99-120. https://doi.org/10.1177/014920639101700108https://doi.org/10.1177/014920639101700108

Barney, J.B. & Hansen, M.H. (1994). Trustworthiness as a source of competitive advantage. Strategic Man-agement Journal, 15, 175-190. https://doi.org/10.1002/smj.4250150912

Beritelli, P. (2011). Cooperation among prominent actors in a tourist destination. Annals of Tourism Research, 38(2), 607-629. https://doi.org/10.1016/j.annals.2010.11.015

Boari, C., Molina-Morales, F.X. & Martínez-Cháfer, L. (2017). Direct and Interactive Effects of Brokerage Roles on Innovation in Clustered Firms. Growth and Change – a Journal of Urban and Regional Policy, 48(3), Sep. 336-358. https://doi.org/10.1111/grow.12170

Bock, I.A.A. & Macke, J. (2014). The social capital and the development of collaborative networks in the tour-ism sector: a case study on the Grupo Gestor do Turismo Rural do Rio Grande do Sul (Rural Tourism Steering Group) – RS, Brazil. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 8(1), 23-41. http://dx.doi.org/10.7784/rbtur.v8i1.563

Bonet, L. (2004). La estrategia de Turisme de Barcelona. In: Sentias, J.F. Casos de Turismo Cultural: de la planificación estratégica a la gestión del producto. Barcelona: Ariel.

Borgatti, S. & Foster, P. (2003). The Network Paradigm in Organizational Research: a review and typology. Journal of Management, 29(6), p. 991-1013. https://doi.org/10.1016/S0149-2063(03)00087-4

Bouças da Silva, D.L. & Ribeiro, R.T. (2018). Passado, presente e futuro: os desafios para o desenvolvimento turístico sustentável do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. In: Nascimento, E. P. & Costa. H. A. (Org.). Turismo e Sustentabilidade: verso e reverso. Rio de Janeiro: Garamond, 1, 25-49.

Brandão, J.M.F., Temoteo, J.A.G. & Cândido, G.A. (2018). “Many hands make light work”: analysis of the inter-organizational learning process in a hotel chain in Paraíba, Brazil. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 12(2), 25-45, maio/ago. http://dx.doi.org/10.7784/rbtur.v12i2.1379

Brasil. Ministério do Turismo. (2008). Estudo de Competitividade dos 65 Destinos Indutores do Desenvolvi-mento Turístico Regional – Relatório Brasil. 2. ed. Brasília: Ministério do Turismo.

Brasil. Ministério do Turismo. (2015). Categorização dos Municípios das Regiões Turísticas do Mapa do Tu-rismo Brasileiro. Brasília-DF, 26p.

Brusco, S. (1993). Pequeñas Empresas y Prestación de Servicios Reales. In: Pyke, F.; Sergenberger, W. Los DI y las PYMEs: DI y Regeneración Económica Local. Madrid: MSSS.

Carrão, A.M.R. (2004). Cooperação entre empresas de pequeno porte em pólos industriais: um estudo com-parativo. R. Adm., São Paulo, 39(2), 186-195, abr./maio/jun.

Castro, M., Bulgacov, S. & Hoffmann, V.E. (2011). Relacionamentos Interorganizacionais e Resultados: Estudo em uma Rede de Cooperação Horizontal da Região Central do Paraná. Revista de Administração Contempo-rânea, Curitiba, 15(1), art 2, 25-46.https://doi.org/10.1590/S1415-65552011000100003

Cerqueira, A.C., Teixeira, R.M. & Sacramento, P.M. (2010). Redes de cooperação entre pequenas empresas do setor hoteleiro e a rede turística: um estudo de casos múltiplos em Aracaju, Sergipe. Revista Acadêmica Observatório de Inovação do Turismo, 5(1), 1-16. http://dx.doi.org/10.12660/oit.v5n1.5762

Chim-Miki, A. & Batista-Canino, R. (2016). La Investigación sobre Coopetición: Estado actual del conocomien-to y sus implicaciones en los estudios turísticos. Estudios y Perspectivas en Turismo, 25, 399-415.

Colet, D.S. & Mozzato, A. R. (2016). Um por Todos e Todos por Um: relações interorganizacionais na Rota das Salamarias – RS. Anais do IX EGEPE, Passo Fundo, RS, Brasil, 17p.https://doi.org/10.21714/2178-8030gep.v17i1.4446

Colquitt, J.A., Scott, B.A. & LePine, J.A. (2007). Trust, Trustworthiness, and Trust Propensity: A Meta-Analytic Test of Their Unique Relationships with Risk Taking and Job Performance. Journal of Applied Psychology, 92(4), 909-927. https://doi.org/10.1037/0021-9010.92.4.909

Costa, H.A. (2018). Olhares sobre a cooperação empresarial entre pequenas empresas em destinos turísti-cos: reflexões e aprendizados de pesquisa. In: Nascimento, E. P. & Costa, H. A. (Org.). Turismo e Sustentabili-dade: verso e reverso. Rio de Janeiro: Garamond, 1, 25-49.https://doi.org/10.26512/revistacenario.v6i10.18754

Costa, H.A. & Franco, A.F.O. (2018). Competitividade e cooperação entre pequenas empresas de hospeda-gem: um estudo de hostels no Rio de Janeiro. Revista Cenário, 6, 25-40. https://doi.org/10.26512/revistacenario.v6i10.18754

Costa, H.A., Nascimento, E.P., Hoffmann, V.E., & Bouças da Silva, D.L. (2017). ¿Por qué cooperan las micro y pequeñas empresas turísticas? Estudios y Perspectivas en Turismo, 26(4), 781-803.

Czernek, K., Czakon, W. & Marszałek, P. (2017). Trust and formal contracts: Complements or substitutes? A study of tourism collaboration in Poland. Journal of Destination Marketing & Management, 6(4), 318-326. http://dx.doi.org/10.1016/j.jdmm.2017.07.001

Denicolai, S., Cioccarelli, G. & Zucchella, A. (2010). Resource-based local development and networked core-competencies for tourism excellence. Tourism Management, 31(2), 260-266. https://doi.org/10.1016/j.tourman.2009.03.002

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed. 405p.

Fontanella, B.J.B., Ricas, J. & Turato, E.R. (2008). A mostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: Contribuições teóricas. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 24(1), 17-27, jan. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008000100003

Fortunato, R.A. & Garcez, M.L. (2016). As dinâmicas das redes no campo do turismo: uma aposta na diversi-dade. Caderno Virtual de Turismo, 16(3). http://dx.doi.org/10.18472/cvt.16n3.2016.1181

Franco, M.J.B. (2007). Tipologia de processos de cooperação empresarial: uma investigação empírica sobre o caso português. Revista de Administração Contemporânea, 11(3), 149-176.https://doi.org/10.1590/S1415-65552007000300008

Fratucci, A.C. (2009). Refletindo sobre a gestão dos espaços turísticos: perspectivas para as redes regionais de turismo. Revista Turismo em Análise, 20(3). https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v20i3p391-408

Gambetta, D. (1988). Can We Trust Trust? In: Gambetta, D. (ed.) Trust: Making and Breaking Cooperative Rela-tions. University of Oxford, 13, 213-237.

Giglio, E.M. & Carvalho, M.F. (2013). As transformações das redes de negócios na perspectiva da teoria soci-al: o caso da Vila de Paranapiacaba - SP. Revista Turismo em Análise, 24(2), 248-277. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v24i2p248-277

Gouldner, A. (1960). The Norm of Reciprocity: A Preliminary Statement. American Sociological Review, 25(2), 161-178, Apr. https://doi.org/10.2307/2092623

Gomes, B.M.A. (2010). Redes organizacionais e canais de distribuição no turismo. Turismo e Sociedade, 3(1), 37-50, abr. http://dx.doi.org/10.5380/tes.v3i1.17340

Granovetter, M.S. (1985). Economic Action and Social Structure: The Problem of Embeddedness. American Journal of Sociology, 91(3), 481-510.https://doi.org/10.1086/228311

Hocayen da Silva, A.J. & Teixeira, R.M. (2009). Análise dos relacionamentos interorganizacionais em empre-sas do setor hoteleiro de Curitiba/PR: estudo comparativo de casos. Revista Brasileira de Pesquisa em Turis-mo, 3(2), 24-48, ago. https://doi.org/10.7784/rbtur.v3i2.158

Hoffmann, V.E., & Campos, L.M.S. (2013). Instituições de Suporte, Serviços e Desempenho: um estudo em aglomeração turística de Santa Catarina. RAC, Rio de Janeiro, 17(1), art. 2, 18-41, Jan./Fev.https://doi.org/10.1590/S1415-65552013000100003

Hoffmann, V.E., Lopes, G.S.C. & Medeiros, J.J. (2014). Knowledge transfer among the small businesses of a Brazilian cluster. Journal of Business Research, 67, 856-864. http://dx.doi.org/10.1016/j.jbusres.2013.07.004

Hoffmann, V.E., Molina-Morales, F.X. & Martínez-Fernández, M.T. (2007). Redes de empresas: proposta de uma tipologia para classificação aplicada na indústria de cerâmica de revestimento. Revista de Administração Contemporânea, 11, 103-127.https://doi.org/10.1590/S1415-65552007000500006

Knupp, M.E.C.G. & Mafra, F.L.N. (2012). Redes do Turismo: uma análise da política de turismo do Estado de Minas Gerais - Brasil. Revista Turismo em Análise, 23(3).https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v23i3p663-690

Kylänen, M., & Rusko, R. (2011). Unintentional coopetition in the service industries: The case of Pyhä-Luosto tourism destination in the Finnish Lapland. European Management Journal, 29, 193-205. https://doi.org/10.1016/j.emj.2010.10.006https://doi.org/10.1016/j.emj.2010.10.006

Lanz, L.Q. & Tomei, P.A. (2015). Confiança nas organizações: como gerenciar a confiança interpessoal, orga-nizacional e interorganizacional. Rio de Janeiro: Elsevier: PUC-Rio.

Locke, R.M. (2001). Building trust. Annual Meetings of the American Political Science Association, S. Francis-co: California.

Luhmann, N. (1988). Familiarity, Confidence, Trust: Problems and Alternatives. In: Gambetta, D. (ed.) Trust: Making and Breaking Cooperative Relations, University of Oxford, 13, 127-141.

Lumineau, F. & Malhotra, D. (2011). Shadow of the contract: how contract structure shapes interfirm dispute resolution. Strategic Management Journal, 32, 532-555. https://doi.org/10.1002/smj.890

Maciel, M.L. (2001). Confiança, capital social e desenvolvimento. Econômica, 3(2).

Maggioni, I., Marcoz, E.M. & Mauri, C. (2014). Segmenting networking orientation in the hospitality industry: An empirical research on service bundling. International Journal of Hospitality Management, 42, 192-201. http://dx.doi.org/10.1016/j.ijhm.2014.07.002

Mayer, R.C., Davis, J.H. & Schoorman, F.D. (1995). An Integrative Model of Organizational Trust. The Academy of Management Review, 20(3), 709-734, Jul. https://doi.org/10.5465/amr.1995.9508080335

Miranda Júnior, N.S., Costa, H.A. & Hoffmann, V.E. (2016). Dificuldades para a Cooperação entre Hotéis Aglo-merados Territorialmente: um estudo da hotelaria em Brasília – DF. Turismo em Análise, 27(1), 153-177. http://dx.doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v27i1p153-177

Molina-Morales, F.X. & Martínez-Fernández, M.T. (2010). Social Networks: Effects of Social Capital on Firm Innovation. Journal of Small Business Management, 48(2), 258-279. https://doi.org/10.1111/j.1540-627X.2010.00294.x

Neumann, L., Hexsel, A. & Balestrin, A. (2011). Desafios à Cooperação em Aglomerados Produtivos: um estu-do de caso no segmento de malhas do sul do Brasil. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 8(3), 220-230, julho/setembro. http://doi.org/10.4013/base.2011.83.02

North, D.C. (1990). Institutions, institutional change and economic performance. Cambridge: Cambridge Uni-versity Press. https://doi.org/10.1017/CBO9780511808678

Nunkoo, R., & Ramkissoon, H. (2012). Power, Trust, Social Exchange and Community Support. Annals of Tour-ism Research, 39(2), 997-1023. https://doi.org/10.1016/j.annals.2011.11.017

Oliver, C. (1990). Determinants of interorganizational relationships: integration and future directions. Academy of Management Review, 15(2), 241-265. https://doi.org/10.2307/258156

Olson, M. (1999). A Lógica da Ação Coletiva: os benefícios públicos e uma teoria dos grupos sociais. São Paulo: EDUSP.

Pereira, A.S. & Lopes, F.D. (2010). Relação entre Ciclo de Vida do Produto Turístico e Estratégias de Coopera-ção na Faixa Litorânea Urbana do Município de Natal. Turismo em Análise, 21(1), abril. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v21i1p188-211

Perinotto, A.R.C. (2013). Investigando a Comunicação Turística de Parnaíba/Pi - Brasil: internet e redes soci-ais, descrição e análise. Revista Turydes. 6(15), dez.

Perinotto, A.R.C. & Santos, A.K.P. (2011). Patrimônio cultural e turismo: um estudo de caso sobre a relação entre a população parnaibana e o Complexo Porto das Barcas. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo. 5(2), 201-225, ago. https://doi.org/10.7784/rbtur.v5i2.413

Powell, W.W. (1990). Neither Market nor Hierarchy: Networks Forms of organization. Research in Organizatio-nal Behavior, 12, 295-336.

Putnam, R.D. (2005). Comunidade e Democracia: a experiência da Itália moderna. 5. Ed. Rio de Janeiro: FGV.

Ring, P.S. & Van de Ven, A.H. (1992). Structuring cooperative relationships between organizations. Strategic Management Journal, 13, 483-498. https://doi.org/10.1002/smj.4250130702

Ritchie, J.R.B. & Crouch, G.I. (2003). The competitive destination: a sustainable tourism perspective. Oxford, UK: CABI Publishing. https://doi.org/10.1079/9780851996646.0000

Rosas, J. & Camarinha-Matos, L.M. (2009). An approach to assess collaboration readiness. International Jour-nal of Production Research, 47(17), 4711-4735. https://doi.org/10.1080/00207540902847298

Scott, N., Cooper, C., & Baggio, R. (2008). Destination Networks: Four Australian Cases. Annals of TourismRe-search, 35(1), 169-188. https://doi.org/10.1016/j.annals.2007.07.004

SEBRAE, SENAC, & MTUR. (2006). Planejamento Roteiro Turístico Integrado: Jericoacoara, Delta do Parnaíba, Lençóis Maranhenses.

Selin, S. & Beason, K. (1991). Interorganization al Relations in Tourism. Annals of Tourism Research, 18(4), 639-652. https://doi.org/10.1016/0160-7383(91)90079-Q

Silva, G.M., Almeida, M.R. & Ferreira, R.V. (2014). Redes Interorganizacionais entre Fábricas de Objetos em Estanho no Mercado Turístico de São João del Rei - MG. Revista Turismo em Análise, 25(3), 677-699. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v25i3p677-699

Silva, P.M. & Flôr, S.L.B. (2010). A gestão da energia em redes de cooperação: Um Estudo de Caso da Versare Rede de Hotéis. Revista Hospitalidade, 7(2), 24-37.

Siqueira, M.M.M. (2005). Esquema mental de reciprocidade e influências sobre afetividade no trabalho. Es-tudos de Psicologia, 10(1), 83-93. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2005000100010

Stacke, A.R.N.P., Hoffmann, V.E., & Costa, H.A. (2012). Knowledge transfer among clustered firms: a study of Brazil. Anatolia: An International Journal of Tourism and Hospitality Research, 23(1), 90-106. http://dx.doi.org/10.1080/13032917.2011.653634

Thorelli, H.B. (1986). Networks: Between Markets and Hierarchies. Strategic Management Journal. 7(1), 37-51. https://doi.org/10.1002/smj.4250070105

Tremblay, P. (1999). An empirical investigation of tourism business relationships in Australia’s top end. Tour-ism and Hospitality, Canberra, Australia.

Tsai, W. & Ghoshal, S. (1998). Social Capital and Value Creation: The Role of Intrafirm Networks. The Academy of Management Journal, 41(4), 464-476. https://doi.org/10.5465/257085

Uzzi, B. (1996). The sources and consequences of embeddedness for the economic performance of organiza-tions. American Sociological Review. 61, 674-698.https://doi.org/10.2307/2096399

Vergara, S.C. (1997). Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. 9. ed. São Paulo: Atlas.

Verschoore, J.R., Balestrin, A. & Perucia, A. (2014). Small-Firm Networks: hybrid arrangementor organizational form? O&S – Salvador, 21(69), 275-292 – abril/junho. https://doi.org/10.1590/S1984-92302014000200005

Vieira, D.P. & Hoffmann, V.E. (2018). A Influência dos Relacionamentos para o Desempenho das Empresas de Hospedagem. Caderno Virtual de Turismo. Rio de Janeiro, 18(1), 187-204, abr. http://dx.doi.org/10.18472/cvt.18n1.2018.1325

Xavier, T.R., Inácio, R.O, Wittmann, M.L. & Flecha, A.C. (2012). A relação entre redes e turismo: uma análise bibliométrica sobre a emergência de um novo paradigma no planejamento turístico. Turismo & Sociedade, Curitiba, 5(2), 4443-465, out. http://dx.doi.org/10.5380/tes.v5i2.26970

Williamson, O.E. (1985). The economic institutions of capitalism. New York: Free Press.

Publicado

2020-04-28

Edição

Seção

Artigos