Gestão regional do turismo – participação e representatividade no Conselho Regional de Turismo das Agulhas Negras- RJ

Palavras-chave: Políticas de Turismo, Regionalização, Governança Turística, Região das Agulhas Negras, RJ.

Resumo

Esse artigo objetiva analisar empiricamente um dos instrumentos de tomada de decisão e gestão de destinos turísticos indicado pelas políticas públicas brasileiras: a instância de governança regional. A relevância desse estudo reside no fato de que no caso do setor de turismo brasileiro, os estudos de políticas públicas abrangendo a composição dos agentes participantes, arenas, processos decisórios e seus efeitos ainda são incipientes. A instância aqui estudada apresenta-se em formato de Conselho Regional de Turismo (CONRETUR) da região Agulhas Negras- RJ, que se destaca por ter sido pioneira no Estado do Rio de Janeiro na constituição de um colegiado participativo em nível regional. Os resultados aqui apresentados são parciais de uma pesquisa de dissertação de mestrado e foram alcançados a partir de pesquisa bibliográfica acerca do turismo na Região das Agulhas Negras, análise documental em registros regionais, estaduais e federais e de entrevistas em profundidade realizada com lideranças do CONRETUR no primeiro semestre de 2017. A falta de participação e de representatividade dos membros do Conselho alinhados às dificuldades de gerir um território regionalizado e a alta dependência de membros da esfera pública constituem-se fatores decisivos para que essa instância de governança passe por momentos de dificuldade atualmente.  

Biografia do Autor

Natasha Ribeiro Bantim, FAETEC - Fundação de Apoio à Escola Técnica
Professora substituta do Departamento de Administração e Turismo da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Coordenadora técnica do eixo Turismo, Hospitalidade e Lazer na Fundação de Apoio à Escola Técnica do Estado do Rio de Janeir.  Doutoranda em Planejamento Urbano e Regional pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mestre e Bacharel em Turismo pela Universidade Federal Fluminense. 
Aguinaldo Cesar Fratucci, Universidade Federal Fluminense
Professor Associado da Faculdade de Turismo e Hotelaria da Universidade Federal Fluminense. Doutor e mestre em Geografia (UFF). Coordenador do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Turismo da Universidade Federal Fluminense, líder do Grupo de Pesquisa CNPq “Turismo, gestão e territórios”.

Referências

Bantim, N. (2017). Politica e gestão pública do turismo: análise da instância de governança das Agulhas Ne-gras – RJ. (Dissertação de Mestrado). Curso de Turismo, Universidade Federal Fluminense, Niterói.

Bauman, Z. Bordoni, C. (2016). Estado de Crise. Rio de Janeiro: Zahar.

Bodernave, J. E. (1994). O que é participação. São Paulo: Brasiliense.

Brasil. (2003). Plano Nacional de Turismo 2003-2007. Brasília: Ministério do turismo.

______. (2004). Programa de Regionalização do Turismo: roteiros do Brasil: diretrizes operacionais. Brasília: Ministério do Turismo.

______. (2007a). Plano Nacional de Turismo 2007-2010: uma viagem de inclusão. Brasília: Ministério do turismo.

______. (2007c). Programa de Regionalização do Turismo - Roteiros do Brasil: Módulo Operacional 3: Institu-cionalização da Instância de Governança Regional. Brasília: Ministério do Turismo._____. (2013). Plano Naci-onal de Turismo 2013-2016: o turismo fazendo muito mais pelo Brasil. Brasília: Ministério do turismo.

______. (2015). Categorização dos municípios das regiões turísticas do mapa turístico brasileiro. Brasília: Ministério do turismo.

______. (2018). Plano Nacional de Turismo 2018-2022: mais emprego e renda para o Brasil. Brasília: Minis-tério do turismo.

Cerqueira, R. R. (2009). As Instâncias de Governança de Turismo no Brasil. In: Zapata, T. Desenvolvimento local e a nova governança (p. 201-229). Recife: Instituto de Assessoria para o Desenvolvimento Humano – IADH.

Cidades Maravilhosas (2017). Mapa Agulhas Negras . Consultado em julho, 2017 em http://www.cidadesmaravilhosas.rj.gov.br/agulhasnegras.asp

Dagnino, E. (2002). Sociedade civil e espaços públicos no Brasil. In: Dagnino, E. Sociedade civil e espaços públicos no Brasil (p. 9-16). São Paulo: Paz e Terra.

Estatuto das Agulhas Negras. (2009). Região das Agulhas Negra.

Fratucci, A. C. (2008). A dimensão espacial nas políticas públicas Brasileiras de turismo. (Tese de Doutorado). Curso de Geografia, Universidade Federal Fluminense, Niterói.

______. (2009). Refletindo sobre a gestão dos espaços turísticos: perspectivas para as redes regionais de turismo. Turismo em Análise, 10(3), 391-408. Rio de Janeiro.

Ferreira, H. C. H. (2010). A dinâmica da participação na construção de territórios sociais e do patrimônio am-biental da Ilha Grande-RJ (Tese de doutorado), Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Frey, K. (2000). Políticas públicas: um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de políti-cas públicas no Brasil. Planejamento e políticas públicas, 21.

Gohn, M. D. G. (2004). Os conselhos municipais e a gestão urbana. Governança democrática e poder local: a experiência dos conselhos municipais no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, Fase, 57-93.

Gomes, B. M. A. Santos, A. C. (2007) Influências das políticas públicas de Turismo nas transações entre os agentes: uma análise sob a ótica da ECT. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo. 1 (2), 72-100. https://doi.org/10.7784/rbtur.v1i2.87

Gonçalves, A. (2005). O conceito de governança. XIV Encontro do Conpedi, 16.

González, M. V. (2014). Gobernanza turística:¿ Políticas públicas innovadoras o retórica banal?. Caderno Virtual de Turismo, 14.

Hall, C. M. (2004). Planejamento turístico: políticas, processos e relacionamentos (2ª ed). São Paulo: Contex-to.

IBGE. Cidades. Homepage. Consultado em maio 12, 2017 em: http://cidades.ibge.gov.br

Irving, M. A. (2009). Reinventando a reflexão sobre turismo de base comunitária. Bartholo, R; Bursztyn, I; San-solo, D. Turismo de Base Comunitária: diversidade de olhares e experiências brasileiras. Ed. Letra e Imagem, 108-121.

Machado, A. L.; Tomazzoni, E. L. (2011) A regionalização turística do Rio Grande do Sul e sua contribuição como referência para a gestão regionalizada do turismo no Brasil. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo. 5 (2),226-247. https://doi.org/10.7784/rbtur.v5i2.386

Menicucci, G. L. (2011). Conexão regional: o caso do Conselho Regional de Turismo da Região das Agulhas Negras e suas inter-relações com o Programa de Regionalização do Turismo. (Monografia – Graduação). Fa-culdade de Administração, Ciências Contábeis e Turismo, Universidade Federal Fluminense, Niterói.

Minasi, S. (2015). Planejamento do turismo na perspectiva territorial na região extremo sul do RS/Brasil. Revista de Turismo Contemporâneo, 3(1).

Oliveira, M.(2016, Julho 14).Homepage. Rio de Janeiro tem novo mapa turístico. Página oficial do Ministério do Turismo. Consultado em fevereiro 15, 2017 em http://www.turismo.gov.br/%C3%BAltimas-not%C3%ADcias/6459-rio-de-janeiro-tem-novo-mapa-tur%C3%ADstico.html .

Pimentel, M. P. C. (2014) A dimensão institucional das políticas públicas de turismo no Brasil. In: Pimentel, T. D., Emmendoerfer, M. L. Tommazzoni, E. L. Gestão Pública do turismo no Brasil: teorias, metodologias e apli-cações (p. 15-38). Caxias do Sul.

Rhodes, R. A. W. (1996). The new governance: governing without government. Political studies, 44(4), 652-667. https://doi.org/10.1111/j.1467-9248.1996.tb01747.x

______. (2007). Understanding governance: Ten years on. Organization studies, 28(8), 1243-1264. https://doi.org/10.1177/0170840607076586

Rodrigues, S. L., Souza, M. (2015). O papel da Governança na regionalização do turismo. Capa, 8(2).

Santos, T. S., Pereira, R. S. (2018). Governança do Turismo no Campo das Vertentes (MG): garantia de desen-volvimento regional?. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 12(2), 83-111. https://doi.org/10.7784/rbtur.v12i2.1415

Santos Junior, O., Azevedo, S., Ribeiro, L. C. Q. (2004). Democracia e gestão local: a experiência dos conse-lhos municipais no Brasil. IN: Santos Junior, O. A., Ribeiro, L. C. Q., Azevedo, S. Governança democrática e po-der local: a experiência dos conselhos municipais no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, Fase.

Scott, N. Baggio, R. Cooper, C. (2008). Network Analysis and Tourism: from theory to practice. Channel View Publications.

SEPDET/TURISRIO .(2001). Plano diretor de turismo do estado do Rio de Janeiro. Disponível em http://www.prodetur.rj.gov.br/arquivos/Volume1.pdf Acesso em: 15 fev 2017

Sette, I. R., do Valle, M. I. M., & Coutinho, M. P. C. (2014). O Programa de Regionalização do Turismo de Minas Gerais: uma abordagem da política pública estadual de turismo. Revista Turismo em Análise, 25(3), 608-627. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v25i3p608-627

Silva, F. C., Lima, A. A. T. F. C.; Teixeira, M. A. C. (2012). A cooperação intermunicipal nos circuitos turísticos de Minas Gerais. Revista Acadêmica Observatório de Inovação do Turismo, 7(1), 2-5.

Silveira, C. E. Paixão, D. L. D., & Cobos, V. J. (2006). Políticas públicas de turismo e a política no Brasil: singula-ridades e (des)continuidade. Ciência e Opinião 3(1), 120-135. Curitiba. Recuperado de .

Souza, C. (2006) Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias.8, (16), 20-45. Porto Alegre. https://doi.org/10.1590/S1517-45222006000200003

Tatagiba, L. (2002). Os conselhos gestores e a democratização das políticas públicas no Brasil. Sociedade civil e espaços públicos no Brasil. São Paulo: Paz e Terra, 47-103.

Tomio, M., & Schmidt, C. M. (2015). Governança e ações coletivas no turismo regional: a experiência dos empreendedores da Região Oeste do Paraná. Turismo, Visão e Ação, 16(3), 710-739. https://doi.org/10.14210/rtva.v16n3.p710

Trentin, F, & Fratucci, A. C. (2011). Política Nacional de Turismo no Brasil: da municipalização à regionaliza-ção. International Conference On Tourism & Management Studies, 1, 839-848. Algarve.

Trentin, F.; Moraes, C.C. A. (2014).La inserción de la idea de gobernanza y redes de actores en la política de turismo en Brasil. In: XVIII Congresso AECIT INVAT-TUR, 2014, Benidorm/ES. Turismo: liderazgo, innovación y emprendimiento XVIII Congresso AECIT.1. Valencia: Instituto Valenciano de las Tecnologias Turísticas.

Turisrio. Homepage. Projetos. Consultado em fevereiro 03, 2017 em: http://www.TurisRio.rj.gov.br/projetos.asp

Virginio, D. F., Delgado, A. K. C., & Fortes, L. (2011). Microfísica do poder no turismo: reflexões sobre as rela-ções de poder no Conselho Estadual de Turismo do Rio Grande do Norte. Caderno Virtual de Turismo, 11(2).

Virginio, D. F., & Ferreira, L. V. (2013). Gestão pública do turismo: uma análise da política de regionalização no período 2004-2011 no Rio Grande do Norte, Brasil. Caderno Virtual de Turismo, 13(2).

Visite Agulhas Negras (2017). Homepage. Guia oficial. Consultado em maio, 12, 2017, em http://visiteagulhasnegras.com.br/

Wan, Y. K. P., & Bramwell, B. (2015). Political economy and the emergence of a hybrid mode of governance of tourism planning. Tourism Management, 50, 316-327. https://doi.org/10.1016/j.tourman.2015.03.010

World Bank (1992). Governance and Development. Washington DC: World Bank. https://doi.org/10.1596/0-8213-2094-7

Zapata, T. (2009). A importância da nova governança para construir uma outra cultura política no Brasil. In: Zapata, T. Desenvolvimento local e a nova governança (p. 9-29). Recife: IADH.

Publicado
01-03-2019
Seção
Artigos