“Incômodo e assustador”

Visitação e experiência no Museu da Loucura de Barbacena - MG (Brasil)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v16.2634

Palavras-chave:

Dark Tourism, Museu, Experiência, Conteúdo Gerado pelo Usuário (CGU), Museu da Loucura – MG

Resumo

Os museus viabilizam a democratização do acervo como um direito social, enquanto o turismo assume parte do diálogo da instituição com a sociedade. Alguns museus remetem as exibições de Dark Tourism e possuem o objetivo de conscientizar o público. Esta pesquisa objetivou analisar a experiência de visitação no Museu da Loucura de Barbacena – MG, bem como identificar os componentes característicos e marcantes. Mediante abordagem qualitativa e delineamento de pesquisa documental, trabalhou a partir da análise de conteúdo aplicada a comentários e fotografias compartilhados por usuários do TripAdvisor e Google Local Guides. Para refletir sobre a experiência, foram considerados elementos da experiência museológica propostos por Falk e Dierking (2016) e dimensões da experiência de Pine e Gilmore (2011). Os resultados apontam que o museu proporciona a transformação pessoal, o que influencia no desejo de mudanças sociais e políticas. Afirma-se que museu é apto a proporcionar experiências memoráveis, devido a identificação de componentes que se relacionam com todas as dimensões propostas na pesquisa. O estudo demonstra relevância ao apresentar resultados provenientes de duas plataformas de compartilhamento e duas fontes de dados. O estudo também identifica elementos similares entre ambas as experiências: transformação pessoal, preservação patrimonial, boca-a-boca eletrônico e temporalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anne Louise Pinheiro, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, PR, Brasil.

Mestre em Turismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Bacharel em Turismo pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Integrante do Grupo de Pesquisa CNPq Turismo, Território e Desenvolvimento. Contribuições: Concepção da pesquisa, Revisão da literatura, Coleta de dados, Análise de dados, Discussão.

Marcelo Chemin, Universidade Federal do Paraná

Doutor em Geografia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Mestre em Turismo e Hotelaria pela Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI). Bacharel em Turismo pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Professor Titular da Universidade Federal do Paraná (UFPR/Setor Litoral). Docente do quadro permanente do Programa de Pós-Graduação em Turismo da UFPR. Integrante dos Grupos de Pesquisa CNPq Turismo, Território e Desenvolvimento e TerroirTUR. Contribuições: Concepção da pesquisa, Revisão da literatura, Discussão

Referências

Alonso, C., Brandão, C., & Gonçalves, S. (2021). Análise temática qualitativa com o apoio do MaxQda–O impacto da COVID-19 no setor da restauração. New Trends in Qualitative Research, 9(1), p. 312-319. https://doi.org/10.36367/ntqr.9.2021.312-319

Araújo, C. M. D., Oliveira, M. C. S. L. D., & Rossato, M. (2018). O sujeito na pesquisa qualitativa: desafios da investigação dos processos de desenvolvimento. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 33(1), p. 1-7. https://doi.org/10.1590/0102.3772e33316

Arbex, D. (2012). Holocausto brasileiro. Intrinseca.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Edições 70.

Bezerra, D. B., & Serres, J. C. P. (2015). A estetização política dos lugares de memória. Revista história, histórias, 3(6), p. 173-188. https://doi.org/10.26512/hh.v3i6.10915

Borges, J. P. de A., & Almeida, M. M. (2016). Turismo e museus locais: Desafios e inovações contemporâneas. In T.

P. Ribeiro, R. V. Ferreira, A. A. Alcântara, F. Coelhoso, N. Abranja, & A. R. Marques (Eds.), Produtos, Mercados e Destinos Turísticos (pp. 396–426). Edições Pedago.

Borges, V. T. (2012). A nossa sociedade produziu esse tipo de instituição: o Museu da Loucura e seu acervo. Casa Aberta Editora.

Buhalis, D. (2019). Technology in tourism-from information communication technologies to eTourism and smart tourism towards ambient intelligence tourism: a perspective article. Tourism Review, 75(1), p. 267–272. https://doi.org/10.1108/TR-06-2019-0258

Camargo, B. V., & Justo, A. M. (2013). Tutorial para uso do software de análise textual IRAMUTEQ. http://www.iramuteq.org/documentation/fichiers/tutoriel-en-portugais

Cechinel, E., & Santos, A. R. (2018). Comi, Gostei e Postei: Tripadvisor e Experiências Marcantes em Restaurantes. Rosa dos Ventos - Turismo e Hospitalidade, 10(3), p. 538-557. http://doi.org/10.18226/21789061.v10i3p538

Chagas, M. (1999). Há uma gota de sangue em cada museu: a ótica museológica de Mário de Andrade. Cadernos de Sociomuseologia, 13 (13), p. 1-134. https://revistas.ulusofona.pt/index.php/cadernosociomuseologia/issue/view/30

Chagas, M. S. (2011). Museus, memórias e movimentos sociais. Cadernos de sociomuseologia, 41(41), pp. 5-16. https://revistas.ulusofona.pt/index.php/cadernosociomuseologia/article/view/2654

Chagas, M. D. S., & Pires, V. S. (2018). Território, museus e sociedade: práticas, poéticas e políticas na contemporaneidade. UNIRIO.

Cisne, R., & Gastal, S. (2010). Turismo e sua história: rediscutindo periodizações. Anais do VI Seminário de Pesquisa em Turismo do Mercosul. Caxias do Sul-RS.

Coelho, M. F., & Gosling, M. S. (2020). The essence of memorable experience. In S. K. Dixit (Ed.). The Routledge Handbook of Tourism Experience Management and Marketing (pp. 88-98). Routledge.

Coelho, M. F., & Gosling, M. S. (2019). Uma Revisão sobre Estudos de Experiência Turística (2005-2016). Caderno Virtual de Turismo, 19(2), p. 1-16. http://dx.doi.org/10.18472/cvt.19n2.2019.1485

Costa, W. F., Tito, A. L. A., Brumatti, P. N. M., & Alexandre, M. L. O. (2018). Uso de instrumentos de coleta de dados em pesquisa qualitativa: um estudo em produções científicas de turismo. Turismo-Visão e Ação, 20(1), p. 02-28. https://www.redalyc.org/journal/2610/261058528001/movil/

Cruz, F. M. D. S., & Freitas, A. A. F. D. (2021). Me senti em casa: análise das revisões de experiências de hospedagem colaborativa no site Airbnb sob o prisma da confiança. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 15(3), p. 1-17. https://doi.org/10.7784/rbtur.v15i3.2026

Desvallées, A., & Mairesse, F. (Eds.). (2013). Conceitos-chave de Museologia. Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Museus.

Dinis, G., Costa, C., & Pacheco, O. (2016). Os canais de marketing digital no processo de tomada de decisão de compra em turismo. International Business and Economics Review: Revista Internacional de Gestão e Comunicação, 7(1), p. 49-61. http://hdl.handle.net/10437/8027

Dogo, G. (2015). O jornalismo cultural e o espetáculo dos museus no século XXI. Anais do III Seminário Comunicação, Cultura e Sociedade Do Espetáculo. Faculdade Cásper Líbero.

Donaire, J. A., & Galí, N. (2011). La imagen turística de Barcelona en la comunidad de flickr. Cuadernos de turismo, 27(1), p. 291-303. https://revistas.um.es/turismo/article/view/139961

Falk, J. H., & Dierking, L. D. (2016). The museum experience revisited.

Routledge. Felicidade, L. A., & da Silva, E. L. (2020). Experiência turística em cidades Patrimônio da Humanidade: a interpretação patrimonial e estudo de satisfação do turista cultural em Diamantina/Minas Gerais. In C. H. Henriques (Ed.). Turismo e História–Perspectivas sobre o Patrimônio da Humanidade no Espaço Ibero-Americano, p. 173-198. Educs.

Fernandes, E. M. S (2019). Linhas Gerais de Gestão Museológica. Citalia restauro.

Freire-Medeiros, B., Vilarouca, M. G., & Menezes, P (2012). Gringos no Santa Marta: quem são, o que pensam e como avaliam a experiência turística na favela. In A. P. Santos, G. Marafon & M. J. G. Sant’anna (Org.). Rio de Janeiro: Um território em mutação (pp. 183-205). Gramma Livraria e Editora.

Godoy, K. E., Morettoni, M. M. (2017). Aumento de público em museus: a visitação turística como realidade controversa. Caderno Virtual de Turismo, 17(2), p. 133-147. http://dx.doi.org/10.18472/cvt.17n2.2017.1163

Gonçalves, A. (2015). A experiência turística e os museus a Sul. In Centro de Estudos em Património, Paisagem e Construção (Ed). Fragmentos para a História do Turismo no Algarve, (pp. 41-63). Universidade do Algarve.

Haddaway, N. R., Collins, A. M., Coughlin, D., & Kirk, S. (2015). The role of Google Scholar in evidence reviews and its applicability to grey literature searching. PloS one, 10(9), p. 1-17. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0138237

Hodalska, M. (2017). Selfies at horror sites: Dark tourism, ghoulish souvenirs and digital narcissism. Zeszyty Prasoznawcze, 2(230), pp. 405-423. https://doi.org/10.4467/22996362PZ.17.026.7306

Lozano, Z. M., & Malerba, R. C. (2017). Turismo sombrio: análise da satisfação dos visitantes do Museu Estatal Auschwitz-Bierkenau com base em avaliações online. Revista Turismo & Desenvolvimento, 2(27/28), pp. 475-477. https://doi.org/10.34624/rtd.v2i27/28.20996

Marres, N., & Weltevrede, E. (2012). Scraping the social? Issues in real-time research. Journal of Cultural Economy, 6(3), pp. 313-335. https://doi.org/10.1080/17530350.2013.772070

Marzano, M. C. R (2008). Do Trem Dos Doidos Ao Memorial De Rosas: representações da loucura em Barbacena. [Dissertação de Mestrado não publicada]. Curso de Letras, Universidade Federal de São João Del-Rei.

Mazumdar, S., Ceccaroni, L., Piera, J., Hölker, F., Berre, A., Arlinghaus, R., & Bowser, A. (2018). Citizen science technologies and new opportunities for participation. In S. Hecker, M. Haklay, A. Bowser, Z. Makuch, J. Vogel & A. Bonn. (eds.) Citizen Science -Innovation in Open Science, Society and Policy (pp. 303-320). UCL Press.

Medeiros, M., Nascimento, D. S. C., Ferreira, L. V. F., & Dantas, A. S. (2018). Imagen del destino Natal, Brasil: un análisis a partir del contenido generado por los usuarios en Tripadvisor. Estudios y perspectivas en turismo, 27(3), p. 533-549. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6491081

Nascimento, F. B. D., Flores, L. C. D. S., & Limberger, P. F. (2019). Análise do posicionamento dos restaurantes de São Paulo estrelados pelo guia Michelin com base nas On-line Travel Reviews (OTRS). Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 13(2), p. 1-15.

Nogueira, C. G. (2020). Museu dos Direitos Humanos do Mercosul: Perspectivas e fronteiras no processo de criação de uma instituição cultural mercosulina. Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade, 6(3), p. 1-16. https://doi.org/10.23899/relacult.v6i3.2026

Nunes, D. B., Simeão, E., & Pereira, O. (2020) A prática da pesquisa documental em Psicologia. Revista IberoAmericana de Ciência da Informação, 13(1), p. 339–359. https://doi.org/10.26512/rici.v13.n1.2020.29608

Oliveira, G. C. D., & Frossard, M. S. (2017). A sociedade do espetáculo e o ato de fotografar nas viagens. PASOS. Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, 15(1), p. 261-272. http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=88149387016

Patias, N. D., & Hohendorff, J. V. (2019). Critérios de qualidade para artigos de pesquisa qualitativa. Psicologia em estudo, 24(2), p. 1-14. https://doi.org/10.4025/psicolestud.v24i0.43536

Pedro, R. M. M. (2021). Sentidos das Emoções e das Memórias na Experiência Turística: Uma Revisão. Rosa Dos Ventos, 13(2), p. 538-563. http://dx.doi.org/10.18226/21789061.v13i2p538

Pereira, T., & Limberger, P. F. (2020). Turismo Cemiterial: um estudo sobre as experiências no cemitério da Consolação a partir do Tripadvisor. Revista Reuna, 25(1), p. 1-19. http://dx.doi.org/10.21714/2179-8834/2020v25n1p1-19

Pezzi, E., & Santos, R. J. (2012). A experiência turística e o turismo de experiência: aproximações entre a antropologia e o marketing. In Anais do VII Seminário de pesquisa em turismo do Mercosul (pp. 1-13). Caxias do Sul.

Pimentel, A. F. (2018). Os museus e o turismo. Forças, oportunidades, fraquezas e ameaças. Revista de MuseusRM, 1(1), pp. 98 111. http://hdl.handle.net/10316/85056

Pine, B. J., & Gilmore, J. H. (2011). The experience economy. Harvard Business Press.

Piñol, C. M. (2011). Estudio analítico descriptivo de los centros de interpretación patrimonial en España. [Tese de Doutorado]. Curso de Didàctica de Les Ciències Socials, Universitat de Barcelona. https://www.tdx.cat/handle/10803/38355

Proetti, S. (2018). As pesquisas qualitativa e quantitativa como métodos de investigação científica: Um estudo comparativo e objetivo. Revista Lumen, 2(4), p. 1-23. http://dx.doi.org/10.32459/revistalumen.v2i4.60

Poulot, D. (2013). Museu e museologia. Autêntica.

Rasoolimanesh, S. M., Seyfi, S., Rather, R. A., & Hall, C. M. (2021). Investigating the mediating role of visitor satisfaction in the relationship between memorable tourism experiences and behavioral intentions in heritage tourism context. Tourism Review, 77(2), p. 687-709. https://doi.org/10.1108/TR-02-2021-0086

Richards, G. (2009) Turismo Cultural: Padrões e implicações. In Camargo, P., Cruz, G. (eds) Turismo Cultural: Estrategias, sustentabilidade e tendencias. UESC.

Sampaio, R. C., Lycarião, D., Codato, A., Marioto, D., Bittencourt, M., & Nichols, B. (2021). Uma técnica parada no tempo? Mapeamento da produção científica baseada em análise de conteúdo na SciELO Brasil (2002- 2019). SciELO Preprints. https://doi.org/10.1590/SciELOPreprints.1913

Santos, E., & Joaquim, G. (2018). Experiência Turística, Autenticidade e Dark Tourism: reflexões em torno da Área Metropolitana de Lisboa. X Congresso Português de Sociologia (1-17). Covilhã.

Silva, A. H., & Fossá, M. I. T. (2015). Análise de conteúdo: exemplo de aplicação da técnica para análise de dados qualitativos. Qualitas Revista Eletrônica, 17(1), p. 1-14. https://doi.org/10.18391/qualitas.v16i1.2113

Silva, E. M., Freitas, G. A. D., & Rebouças, S. M. D. P. (2021). Qualidade dos meios de hospedagem cearenses: Um estudo baseado nas avaliações do consumidor evidenciadas no site TripAdvisor. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 15 (3), p. 1-21. https://doi.org/10.7784/rbtur.v15i3.2011

Souza, S. C., & Machado, D. F. C. (2017). Uso e influência das mídias sociais no planejamento de viagens: Um estudo quantitativo. Revista Turismo em Análise, 28(2), p. 254-270. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v28i2p254-270

Souza, M. A. R. D., Wall, M. L., Thuler, A. C. D. M. C., Lowen, I. M. V., & Peres, A. M. (2018). O uso do software IRAMUTEQ na análise de dados em pesquisas qualitativas. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 52(1), p. 1-7. https://doi.org/10.1590/S1980-220X2017015003353

Stone, P. R. (2006). A dark tourism spectrum: Towards a typology of death and macabre related tourist sites, attractions and exhibitions. Tourism: An International Interdisciplinary Journal, 54(2), p. 145-160. http://clok.uclan.ac.uk/27720/

Tripadvisor (2019). Sobre o Tripadvisor. https://tripadvisor.mediaroom.com/br-about-us

UNESCO (2020). COVID-19: UNESCO e ICOM preocupados com a situação enfrentada pelos museus do mundo. https://pt.unesco.org/news/covid-19-unesco-e-icom-preocupados-com-situacao-enfrentada-pelos-museus-do-mundo

UNWTO (2021). Tourism and COVID-19-unprecedented economic impacts. https://www.unwto.org/tourism-and-covid-19 unprecedented-economic-impacts

Vasconcellos, C. M (2006). Turismo e Museus. Aleph.

Vergopoulos, H. (2016). The tourist experience: an experience of the frameworks of the tourist experience? Tourism Review, 10(1), p. 1-14. https://doi.org/10.4000/viatourism.1352

Zalewska, M. (2017). Selfies from Auschwitz: Rethinking the relationship between spaces of memory and places of commemoration in the digital age. Studies in Russian, Eurasian and Central European New Media, 18(1), p. 95-116. https://www.digitalicons.org/wp-content/uploads/2018/06/DI18_6_Zalewska.pdf

Zanirato, S. H. (2019). Turismo em “patrimônios de sofrimento”: história e memórias. Revista Confluências Culturais, 8(2), p. 9 18. https://doi.org/10.21726/rcc.v8i2.178

Downloads

Publicado

2022-08-01

Edição

Seção

Artigos - Turismo e Sociedade