Epistemologia do Turismo

um estudo sobre as correntes teóricas predominantes nas publicações em Turismo Ibero-Americanas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v16.2361

Palavras-chave:

Turismo, Epistemologia, Análise de Discurso, Arquivo.

Resumo

O presente artigo organiza-se em torno das produções sobre epistemologia em turismo no contexto ibero-americano. O fio condutor desta reflexão está fundado em dois pilares teórico-metodológicos: a produção de autores que identificam correntes ou escolas teóricas para a epistemologia do turismo – e mais especificamente o trabalho de Panosso Netto e Castillho Nechar (2014) – e o dispositivo teórico, analítico e metodológico da Análise de Discurso pecheutiana, em especial no conceito de arquivo. Esses aspectos direcionaram a busca de textos de epistemologia do turismo no site Publicações de Turismo, tido aqui como objeto de análise, resultando na formulação do objetivo do presente artigo: observar quais são as correntes teóricas predominantes sobre epistemologia do turismo em um arquivo elaborado a partir do site Publicações de Turismo. Na etapa de análise, recorreu-se ao levantamento quantitativo e à filtragem dos artigos que tratam do tema epistemologia no referido site, resultando em 60 artigos que compõe a base do arquivo. Na análise foram identificadas como abordagens teóricas predominantes a Fenomenologia, o Positivismo e o Sistemismo e no processo analítico foi constatada uma outra abordagem, nomeada de Complexa/Ecossistêmica.

Biografia do Autor

Luciene Jung de Campos, Universidade de Caxias do Sul (UCS), Caxias do Sul, RS, Brasil.

Doutora, Docente no Programa de Pós-Graduação em Turismo e Hospitalidade da Universidade
de Caxias do Sul. Caxias do Sul, RS, Brasil. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-7427-742X. E-mail: ljcampos@gmail.com.

Silvio Luiz Gonçalves Vianna, Universidade de Caxias do Sul (UCS), Caxias do Sul, RS, Brasil.

Doutor. Professor no Programa de Pós-Graduação em Turismo e Hospitalidade, Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, RS, Brasil. Orcid: http://orcid.org/0000-0001-8588-3823 E-mail: slgvianna@ucs.br

Referências

Ateljevic, I., Pritchard, A. & Morgan, N. (2007). The critical turn in Tourism studies. Oxford: Elsevier.

Althusser, L. (2015). Por Marx. Editora da Unicamp.

Barbosa Filho, F. R. (2019). O discurso antiafricano na Bahia no século XIX. Pedro & João Editores.

Barretto, M. (2000). As ciências sociais aplicadas ao turismo. Olhares contemporâneos sobre o turismo. Papirus.

Beni, M. C. (1997). Análise estrutural do turismo. SENAC.

Beni, M. C. & Moesch, M. M. (2017). A teoria da complexidade e o ecossistema do turismo. Revista Turismo - visão e ação, 19(3). 430-457. https://doi.org/10.14210/rtva.v19n3.p430-457.

Canguilhem, G. (2006). O cérebro e o pensamento. Natureza humana, 8(1), 183-210. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-24302006000100006&lng=pt&tlng=pt.

Campodónico, R. & Chalar, L. (2013). El turismo como construcción social: un enfoque epistemo-metodológico. Anuario Turismo y Sociedad, vol. XIV, 47-63. https://revistas.uexternado.edu.co/index.php/tursoc/article/view/3714/4065

Caton, K., & Santos, C. A. (2008). Closing the hermeneutic circle? Photographic encounters with the other. Annals of Tourism Research, 35(1), 7-26. https://doi.org/10.1016/j.annals.2007.03.014.

Castillo Nechar, M. (2007). La investigación y epistemología del turismo: aporte y retos. Revista Hospitalidade, 4(2), 79-95. https://www.revhosp.org/hospitalidade/article/view/234

Comte, A. (1978). Curso de filosofia positiva. Abril Cultural.

Conde Gaxiola, N. (2008). ¿Es posible una teoría hermenéutica dialéctica en el estudio del turismo? Teoría y Praxis, v. 5, 197-211. https://doi.org/10.22403/UQROOMX/TYP05/15

Cooper, C., Fletcher, J., Gilbert, D., Shepherd, R., & Wanhill, S. (1998). Tourism: Principles and practices. Addison-Wesley, Longman.

Cordazzo, E. G., Mazzioni, S., Poli, O. L. & Zanin, A. (2017). Estudo bibliométrico da produção científica sobre o Siste-ma Nacional de Avaliação da Educação Superior. [Apresentação de Trabalho]. Anais do XVII Colóquio Inter-nacional de Gestão Universitária, Universidade, desenvolvimento e futuro na Sociedade do Conhecimento, Mar del Plata, Argentina. https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/181094/102_00008.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Daltoé, A. S., Fernandes, C. & Fonseca, R. O. (2019). A contemporaneidade dos estudos de Pêcheux: ressonâncias e atualizações em solo brasileiro. Linguagem em (Dis)curso, 19(1), 125-131. https://doi.org/10.1590/1982-4017-1901doap-0000

Darbellay, F. & Stock, M. (2012). Tourism as complex interdisciplinary research object, Annals of Tourism Research, v. 39(1), 441-458. https://doi.org/10.1016/j.annals.2011.07.002.

Diodato V. (1994). Dictionary of Bibliometrics. Haworth Press.

Fernandez Fuster, L. (1967). Teoria y tecnica del turismo. Nacional.

Glänzel, W. (2003). Bibliometrics as a research field: A course on theory and application of bibliometric indicators. Course Handouts.

Heidegger, M. (1998). Ser y tiempo. Universitaria.

Hjørland, B. (2002). Domain analysis in information science: Eleven approaches - Traditional as well as innovative. Journal of Documentation 58(4), 422-462. https://doi.org/10.1108/00220410210431136.

Husserl, E. (1990). A ideia da fenomenologia. Edições 70.

Pernecky, T.; Jamal, T.; (2010). (Hermeneutic) phenomenology in tourism studies. Annals of Tourism Research, 37(4), 1055-1075. https://doi.org/10.1016/j.annals.2010.04.002.

Kadri, B. & Bédard, F. (2006). Vers les sciences du tourisme? Complexité et transdisciplinarité. Téoros, 25(1). 62-64. http://journals.openedition.org/teoros/1339 páginas - 62-64

Kuhn, T. (2006). A estrutura das revoluções científicas. Ed. Perspectivas.

Krippendorf, J. (1989). Sociologia do turismo: para uma nova compreensão do lazer e das viagens. Civilização Brasi-leira.

Lage, B. H. G. & Milone, P. C. (1991). Economia do turismo. Papirus.

Leiper, N. (1979). The framework of tourism: towards a definition of tourism, tourist, and the tourist industry. Annals of Tourism Research, 6 (4), 390-407. https://doi.org/10.1016/0160-7383(79)90003-3.

Lima, B. D. T. C. & Santos, E. A. C. (2020). De Luckaks à escola de Frankfurt. Trans/Form/Ação 43(Ed. Especial), 379-410. http://dx.doi.org/10.1590/0101-3173.2020.v43esp.27.p379.

Levy, P. (1999). Cibercultura. Editora 34.

Luchiari, M. T. D.P. (1998): Urbanização Turística: um novo nexo entre o Lugar e o mundo. In L. C. Lima (Org.). Da Ci-dade ao Campo: A diversidade do saber-fazer turístico. UECE.

Moesch, M. (2002). O fazer-saber turístico: possibilidades e limites de superação. In S. Gastal (Org.). Turismo: 9 pro-postas para um saber-fazer. (3.ed.). EDIPUCRS.

Molina, S. (1991). Conceptualización del turismo. Limusa.

Moraes, L. L. de, & Kafure, I. (2020). Bibliometria e ciência de dados. RDBCI: Revista Digital De Biblioteconomia E Ciência Da Informação, 18, 1-20. https://doi.org/10.20396/rdbci.v19i0.8658521.

Morin, E. (2005). Introdução ao pensamento complexo. Sulina.

Muñoz de Escalona, F. (2014). La epistemología y el turismo. Turismo y Sociedad, XV, 187-203. https://doi.org/10.18601/01207555.n15.11.

Nugara, S. (2010). Entrevista com Jean-Jacques Courtine. Trad. Carolina Fernandes. Organon: Revista do instituto de Letras da UFRGS, 24(48). https://doi.org/10.22456/2238-8915.28682

Orlandi, E. P. (2006). Análise de Discurso. In S. Rodrigues-Lagazzi & E. P. Orlandi (Orgs.). Introdução às ciências da linguagem: discurso e textualidade. Pontes.

Ouriques, H. R. (1998). Turismo em Florianópolis: uma crítica à “indústria pós-moderna”. UFSC.

Ouriques, H. R. (2005). A produção do turismo: fetichismo e dependência. Alínea.

Panosso Netto, A., Noguero, F. T. & Jager, M. (2011). Por uma Visão Crítica nos Estudos Turísticos. Turismo em Aná-lise. 22(3): 539 –560. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v22i3p539-560

Panosso Netto, A., Arias Castañeda, E., & Castillo Nechar, M. (2012). Análise das Visões de Turismo no Méxi-co. Revista Turismo Em Análise, 23(2), 286-307. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v23i2p286-307

Panosso Netto, A. & Castillo Nechar, M. (2014). Epistemologia do turismo: escolas teóricas e proposta crítica. Revis-ta Brasileira de Pesquisa em Turismo 8(1), 120-144. https://doi.org/10.7784/rbtur.v8i1.719.

Pêcheux, M. (2014a). Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Editora da Unicamp.

Pêcheux, M. (2014b) Ler o arquivo hoje. In E. P. Orlandi (Org.). Gestos de leitura: da história no discurso. Editora da Unicamp. 57-67.

Publicações de Turismo. (2020). Pesquisa em periódicos científicos iberoamericanos de turismo. Recuperado de http://www.each.usp.br/turismo/publicacoesdeturismo/

Robin, R. (2016). A memória saturada. Editora da Unicamp.

Rodrigues, A. A. (1997). Turismo e espaço: rumo a um conhecimento transdisciplinar. Editora Hucitec.

Romão, L. M. S. (2005), De areia e de silício: as tramas do discurso no livro eletrônico. Revista de Estúdios Literários Especulo, (31). http://www.ucm.es/info/ especulo/ numero31/silicio.html

Ruschmann, D. M. (1997). Turismo e planejamento sustentável: a proteção do meio ambiente. Papirus.

Santos, M. M. C., Possamai, A. M. P., Marinho, M. F. (2009). Pesquisa em turismo: panorama das teses de doutora-do produzidas no Brasil de 2005 a 2007. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo. 3(3), 3-33. https://doi.org/10.7784/rbtur.v3i3.258

Tribe, J. (1997). The indiscipline of tourism. Annals of Tourism Research, 24(3), 638-657. https://doi.org/10.1016/S0160-7383(97)00020-0

Tribe, J.; (2008). Tourism: a critical business. Journal of Travel Research, 46(3), 245-255. https://doi.org/10.1177/0047287507304051

Yázigi, E. (1999). Turismo: uma esperança condicional. Global Editora.

Young, S. G. B. (1973). Tourism: blessing or blight?. Penguin Books.

Zanella, A. S. (2017). Um gesto de leitura em Pêcheux: sobre máquinas, informática e arquivo. Entremeios. Revista de Estudos do Discurso, on-line, 14, 135-147. http://doi.org/10.20337

Downloads

Publicado

2021-11-22

Edição

Seção

Artigos - Turismo e Sociedade