Representação e representatividade dos negros em uma revista de turismo de luxo do Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v16.2325

Palavras-chave:

Turismo, Elite, Revista, Negros, Racismo.

Resumo

O objetivo do artigo é analisar a representação social e a representatividade do negro em uma revista de turismo voltada ao consumo de luxo. O referencial teórico está centrado em discussões sobre representações sociais e racismo, mostrando como o turismo reforça estereótipos e vincula a atividade à branquitude. O corpus da pesquisa inclui as dez últimas edições (n. 17 a 26) da revista Viaje Mais Luxo, publicadas de 2017 a 2020. O método utilizado foi a análise de conteúdo. Foram examinadas as imagens veiculadas nas matérias das revistas, na publicidade e na capa. Como resultado, a pesquisa mostra que o negro aparece de três maneiras: como servidor do turismo, como atrativo e, em menor quantidade, como turista. Em várias seções, assim como na capa, não há imagens de negros, o que mostra como são invisibilizados na atividade. A publicidade da revista faz uso da imagem de negros para dar uma ideia de diversidade e são usados estereótipos para retratá-los, ligando-os ao continente africano ou vinculando-os de forma reducionista a determinado estilo musical. Acerca da representatividade, o negro aparece em 11,23% da publicidade e em 6,31% do conteúdo produzido pelo próprio periódico. O trabalho revela a associação entre branquitude e riqueza no turismo de luxo.

Biografia do Autor

Natália Araújo de Oliveira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS

Bacharela em Turismo (Universidade do Estado do Mato Grosso). Licenciada (Universidade de Franca) e Mestra (Universidade do Vale do Rio dos Sinos) em Ciências Sociais. Doutora em Sociologia (Universidade Federal do Rio Grande do Sul). Professora substituta no Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Referências

Albuquerque, C. G. (2016). A representação do negro no telejornalismo brasileiro [Monografia, Universidade Federal do Rio de Janeiro]. Recuperado de: https://pantheon.ufrj.br/bitstream/11422/6492/1/CAlbuquerque.pdf

Alfonso, L. P. (2006). Embratur: formadora de imagens da nação brasileira [Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Campinas]. Recuperado de: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/279143

Andrade, J. V. de. (2000). Turismo: fundamentos e dimensões (8ª ed.). Ática.

Ateljevic, I., & Doorne, S. (2002). Representing New Zealand. Annals of Tourism Research, 29(3), 648–667. https://doi.org/10.1016/S0160-7383(01)00077-9

Bairros, L. (1995). Nossos feminismos revisitados. Estudos Feministas, 3(2), 458–463.

Bardin, L. (2010). Análise de conteúdo. Edições 70.

Boldrini, A. (2020, Fevereiro 17). Brancos ainda são 78% dos representados em anúncios . GZH Economia. Recuperado de: https://gauchazh.clicrbs.com.br/economia/noticia/2020/02/brancos-ainda-sao-78-dos-representados-em-anuncios-ck6q8n58x004n01lbk2ey1tf0.html

Bond, L. (2020, Outubro 7). Negras são 28% dos brasileiros, mas tem baixa participação política | Agência Brasil. Agência Brasil. Recuperado de: https://agenciabrasil.ebc.com.br/eleicoes-2020/noticia/2020-10/negras-sao-28-dos-brasileiros-mas-tem-baixa-participacao-politica

Boyer, M. (2003). História do turismo de massa. Edusc.

Brito-Henriques, E. (2014). Visual tourism and post-colonialism: imaginative geographies of Africa in a Portuguese travel magazine. Journal of Tourism and Cultural Change, 12(4), 320–334. https://doi.org/10.1080/14766825.2014.887722

Britton, R. A. (1979). The image of the Third World in tourism marketing. Annals of Tourism Research, 6(3), 318–329. https://doi.org/10.1016/0160-7383(79)90106-3

Bruner, E. M. (1991). Transformation of self in tourism. Annals of Tourism Research, 18(2), 238–250. https://doi.org/10.1016/0160-7383(91)90007-X

Bruner, E. M. (2005). Culture on tour: ethnographies of travel. Editora da Universidade de Chicago.

Buzinde, C. N., Santos, C. A., & Smith, S. L. J. (2006). Ethnic representations: destination imagery. Annals of Tourism Research, 33(3), 707–728. https://doi.org/10.1016/j.annals.2006.03.008

Carrera, F. (2020). Raça e privilégios anunciados : ensaio sobre as sete manifestações da branquitude na publicidade brasileira. Revista Eptic, 22(1), 6–28. Recuperado de: https://seer.ufs.br/index.php/eptic/article/view/11235

Carter, P. L. (2008). Coloured places and pigmented holidays: racialized leisure travel. Tourism Geographies, 10(3), 265–284. https://doi.org/10.1080/14616680802236287

Carvalho, F. A. (2006). O lugar dos negros na imagem de Lisboa. Sociologia, Problemas e Práticas, 52, 87–108. Recuperado de: https://repositorio.iscte-iul.pt/bitstream/10071/598/1/Sociologia52Carvalho.pdf

Collins, P. H. (2019). Pensamento feminista negro. Boitempo.

Corrêa, L. G. (2019). Empoderar para quê? Corpos e cabelos das mulheres negras na publicidade. In F. Leite & L. L. Batista (Eds.), Publicidade antirracista: reflexões, caminhos e desafios (pp. 193–210). ECA/USP.

Dijk, T. A. van. (2008). Racismo e discurso na América Latina. Contexto.

Dillette, A. K. (2021). Black travel tribes: an exploration of race and travel in America. In C. P. Dowling & M. Volgger (Eds.), Consumer tribes in tourism: contemporary perspectives on special-interest tourism (pp. 39–52). Springer.

Dillette, A. K., & Benjamin, S. (2021). The Black Travel Movement: a catalyst for social change. Journal of Travel Research, 004728752199354. https://doi.org/10.1177/0047287521993549

Echtner, C. M. (2002). The content of Third World tourism marketing: a 4A approach. International Journal of Tourism Research, 4(6), 413–434. https://doi.org/10.1002/jtr.401

Echtner, C. M., & Prasad, P. (2003). The context of third world tourism marketing. Annals of Tourism Research, 30(3), 660–682. https://doi.org/10.1016/S0160-7383(03)00045-8

Edelheim, J. R. (2007). Hidden messages: a polysemic reading of tourist brochures. Journal of Vacation Marketing, 13(1), 5–17. https://doi.org/10.1177/1356766706071202

Editora Europa. (2020). Missão editorial Viaje Mais Luxo. Editora Europa. Recuperado de: https://www.europanet.com.br/site/index.php?cat_id=1620

Equipe Lupa. (2018, Abril 18). Pnad contínua: cinco verdades sobre a renda dos brasileiros em 2017. Lupa: a primeira agência de fact-checking do Brasil. Recuperado de: https://piaui.folha.uol.com.br/lupa/2018/04/13/cinco-verdades-renda-brasil/

Estarque, M., & Camazano, P. (2019, Outubro 6). Mulheres negras protagonizam só 7,4% dos comerciais. Folha de São Paulo. Recuperado de: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2019/10/mulheres-negras-protagonizam-so-74-dos-comerciais.shtml

Ferreira, M. A., & Casagrande, L. S. (2018). E quem disse que aqui não é o seu lugar? Por um turismo democrático e inclusivo para negros e negras. Revista Mundi: Social e Humanidades, 3(1), 1–21. https://doi.org/10.21575/25254774rmsh2018vol3n2665

Gastaldo, É. L. (2001). Publicidade e sociedade. In N. Jacks (Ed.), Tendências na comunicação 4 (pp. 80–92). L&PM.

Golzio, D. (2005). Exclusão informativa : representação e representatividade dos negros e afrodescendentes nas capas da revista Veja. III SOPCOM VI LUSOCOM. Recuperado de: http://www.bocc.ubi.pt/pag/golzio-derval-exclusao-informativa-representacao-e-representatividade-dos-negros-e-afrodescendentes-nas-capas-da-revista-veja.pdf

Gomes, M. S. (2010). A (des)(re)construção do Brasil como um Paraíso de Mulatas. Revista Eletrônica de Turismo Cultural, 04(02), 48–70.

González, L. (2018). Primavera para as rosas negras: Lélia Gonzalez em primeira pessoa. Diáspora Africana.

Guareschi, P. (2000). Representações sociais. In P. Guareschi (Ed.), Os construtores da informação: meios de comunicação, ideologia e ética (pp. 69–78). Vozes.

Hasenbalg, C. (1988). As imagens do negro na publicidade. In C. Hasenbalg (Ed.), Estrutura social, mobilidade e raça (pp. 183–200). Vértice.

Hasenbalg, C. A. (1982). O negro na publicidade. In L. Gonzalez & C. Hasenbalg (Eds.), Lugar de negro (pp. 103–114). Marco Zero.

Hintze, H., & Júnior, A. (2012). Estudos críticos em turismo: a comunicação turística e o mito da democracia racial no Brasil. Revista Turismo & Desenvolvimento, 1(17), 57–72. Recuperado de: https://www.ua.pt/ReadObject.aspx?obj=30573

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2019). Desigualdades sociais por cor ou raça no Brasil. Estudos e pesquisas: informação demográfica e socioeconômica. 41. Recuperado de: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101681_informativo.pdf

Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade. (2018). Análise dos resultados do GEM 2017 por raça/cor. Recuperado de: https://docplayer.com.br/111739323-Analise-dos-resultados-do-gem-2017-porraca-cor-marco-2018.html

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, & Fórum Brasileiro de Segurança Pública. (2019). Atlas da violência. In 2019. IPEA. Recuperado de: https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/19/atlas-da-violencia-2019

Kilomba, G. (2019). Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Cobogó.

Kolbe, R. H., & Burnett, M. S. (1991). Content-Analysis research: an examination of applications with directives for improving research reliability and objectivity. Journal of Consumer Research, 18(2), 243–250. Recuperado de: https://doi.org/10.1086/209256

Krippendorf, J. (2000). Sociologia do turismo: para uma nova compreensão do lazer e das viagens. Aleph.

Labor Movens. (2020, Setembro 30). Aula Virtual Labor Movens: desigualdade racial no mercado de trabalho do turismo. [Vídeo]. YouTube. Recuperado de: https://www.youtube.com/watch?v=WunMoPNjdos&ab_channel=LaborMovens

Leite, C. A. (2017). A representação da “mulher brasileira” construída pela Embratur entre 1966 e 1985 [Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília]. Recuperado de: https://repositorio.unb.br/handle/10482/23237

Leite, F. (2019). Para pensar uma publicidade antirracista: entre a produção e os consumos. In F. Leite & L. L. Batista (Eds.), Publicidade antirracista: reflexões, caminhos e desafios (pp. 17–66). ECA/USP. https://doi.org/10.11606/9788572052627

Leite, F., & Batista, L. L. (2011). A ameaça dos estereótipos e a publicidade contraintuitiva. Conexão - Comunicação e Cultura, v. 10(n. 20), 113–134. Recuperado de: http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/conexao/article/view/911/971

Leite, F., & Batista, L. L. (Org). (2019). Publicidade antirracista: reflexões, caminhos e desafios. ECA/USP. https://doi.org/10.11606/9788572052627

Liu, T., & Li, M. (2020). Leisure & travel as class signifier: distinction practices of China’s new rich. Tourism Management Perspectives, 33, 100627. https://doi.org/10.1016/J.TMP.2019.100627

Martins, A. C. S. (2017). A representatividade étnica negra na revista Vogue Brasil: uma análise comparativa (2009-2012 e 2013-2016). VIII Congresso Internacional de História, 1458–1464. https://doi.org/10.4025/8cih.pphuem.3454

Martins, C. A. de M. e. (2009). Negro, publicidade e o ideal de branqueamento da sociedade brasileira. Rumores, 3(5), 1–9. https://doi.org/10.11606/issn.1982-677x.rum.2009.51157

Matteis, N. (2021, Abril 1). Lideranças negras e a branquitude da hotelaria. Hotelier News. Recuperado de: https://www.hoteliernews.com.br/liderancas-negras-e-a-branquitude-da-hotelaria/

Monsma, K. (2017). Como pensar o racismo: o paradigma colonial e a abordagem da sociologia histórica. Revista de Ciências Sociais, 48(2), 53–82. Recuperado de: http://www.periodicos.ufc.br/revcienso/article/view/19494

Morgan, N., & Pritchard, A. (2001). Advertising in tourism and leisure. Butterworth-Heinemann.

Morgan, N., & Pritchard, A. (2018). Gender, advertising and ethics: marketing Cuba. Tourism Planning and Development, 15(3), 329–346. https://doi.org/10.1080/21568316.2017.1403372

Moscovici, S. (2012). Representações sociais: investigações em psicologia social. Vozes.

Nascimento, E. C. S. do. (2017). Representações dos homens negros nas telenovelas brasileiras: uma análise entre raça, masculinidade e mídia. 13o Mundo de Mulheres & Fazendo o Gênero 11: Transformações, Conexões, Deslocalmentos, 1–12. Recuperado de: http://www.en.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1499482092_ARQUIVO_EmanueleCristina_FazendoGenero.pdf

Oliveira, N. A. de. (2020). Afroempreender em turismo no Brasil: discussões iniciais. In P. D. L. de Menezes, A. Brambilla, & A. L. V. Soares (Eds.), Perspectivas da gestão em turismo e hotelaria II (pp. 397–435). Editora da CCTA. Recuperado de: http://www.ccta.ufpb.br/editoraccta/contents/titulos/hotelaria/perspectivas-da-gestao-em-turismo-e-hotelaria-1/perspectivas-da-gestao-em-turismo-e-hotelaria.pdf

Oliveira, N. A. de. (2021). Negros e turismo: análise da produção acadêmica sobre o tema em revistas vinculadas aos Programas de Pós-Graduação em Turismo no Brasil. Rosa Dos Ventos - Turismo e Hospitalidade, 13(1), 219–238. https://doi.org/10.18226/21789061.v13i1p219

Pereira, M. E. (2019). Estereótipos na publicidade: como a psicologia social pode nos ajudara identificá-los e evitá-los? In F. Leite & L. L. Batista (Eds.), Publicidade antirracista: reflexões, caminhos e desafios (pp. 87–110). ECA/USP.

Peters, C. (2021). Instagramming diasporic mobilities: the Black Travel Movement and differential spatial racialization. Communication, Culture and Critique, 1–19. https://doi.org/10.1093/ccc/tcaa033

Philipp, S. F. (1994). Race and tourism choice: a legacy of discrimination? Annals of Tourism Research, 21(3), 479–488. Recuperado de: https://doi.org/10.1016/0160-7383(94)90115-5

Pires, C. L. de L. (2008). Imagens de Pernambuco: uma análise semiolinguística do discurso publicitário turístico [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco]. Recuperado de: https://repositorio.ufpe.br/bitstream/123456789/7251/1/arquivo3529_1.pdf

Pritchard, A. (2001). Tourism and representation: a scale for measuring gendered portrayals. Leisure Studies, 20(2), 79–94. https://doi.org/10.1080/02614360110068651

Ribeiro, D. (2018). Quem tem medo do feminismo negro? Companhia das Letras.

Rodrigues, D. dos S. (2021, Fevereiro 23). Cidade em preto e branco: turismo, memória e as narrativas reivindicadas da São Paulo Negra . [Vídeo]. Youtube. Recuperado de: https://www.youtube.com/watch?v=eUK8HqZlFjI&list=LL&index=44&t=3495s&ab_channel=DenisedosSantosRodrigues

Rosa, M. V. de F. (2019). O priviégio da cor: administração pública, racialização e identidades brancas no Brasil escravista (1808-1850). 30o Seminário Nacional de História, 1–15. Recuperado de: https://www.snh2019.anpuh.org/resources/anais/8/1554751617_ARQUIVO_ROSAMarcus.Oprivilegiodacor.pdf

Rose, G. (2002). Visual methodologies: an introduction to the interpretation of visual material. Sage Publications Ltd.

Rydzik, A., Agapito, D., & Lenton, C. (2021). Visibility, power and exclusion: The (un)shifting constructions of normativity in wedding tourism brochures. Annals of Tourism Research, 86, 103090. https://doi.org/10.1016/j.annals.2020.103090

Salazar, N. B. (2009). Imaged or Imagined? Cultural Representations and the ‘Tourismification’ of Peoples and Places by Noel B. Salazar :: SSRN. Cahiers d’Études Africaines, XLIX(1–2), 49–71. Recuperado de: https://doi.org/10.4000/etudesafricaines.18628

Santos, D. V. dos, Bomfim, K. N., Viñal Junior, J. V., & Sá, N. S. C. de. (2020). Turismo e preconceito: as (inter) relações existentes no tratar do turista com os profissionais de turismo em Salvador-BA. Revista Iberoamericana de Turismo, 10(1), 85–106. Recuperado de: https://www.seer.ufal.br/index.php/ritur/article/view/9532

Santos, J. dos, & Sá, N. S. C. da. (2021). A mulher negra viajante: experiências e estratégias de combate à sua (in)visibilidade no turismo. Revista de Turismo Contemporâneo, 9(2), 252–269. Recuperado de: https://doi.org/10.21680/2357-8211.2021v9n2id23584

Santos, T. S. (2018). O viajante afro-brasileiro: enegrecendo o turismo [Monografia, Universidade de São Paulo]. Recuperado de: http://www3.eca.usp.br/sites/default/files/form/biblioteca/acervo/textos/tc4087-Santos.pdf

Silva, S. D. S., Cardoso, D. de B. P., & Sousa, B. B. (2018). O papel do marketing no turismo LGBT: um contributo exploratório no contexto português. Turismo e Sociedade, 11(2), 236–260. https://doi.org/10.5380/tes.v11i2.59436

Stepchenkova, S., & Zhan, F. (2013). Visual destination images of Peru: Comparative content analysis of DMO and user-generated photography. Tourism Management, 36, 590–601. https://doi.org/10.1016/j.tourman.2012.08.006

Stephenson, M. L., & Hughes, H. L. (2005). Racialised boundaries in tourism and travel: a case study of the UK black Caribbean community. Leisure Studies, 24(2), 137–160. https://doi.org/10.1080/0261436052000308811

Taufiqqurrachman. (2020). Representation of Third-World tourism place in Instagram. Open Journal of Social Sciences, 8(4), 336–354. https://doi.org/ 10.4236/jss.2020.84024

Trindade, L. V. de P. (2008). Participação e representação social de indivíduos afro-descendentes retratados em anúncios publicitários de revistas: 1968-2016 [Dissertação de Mestrado, Universidade Nove de Julho]. Recuperado de: https://bibliotecatede.uninove.br/bitstream/tede/609/1/B_Luiz_Valerio_Paula_Trindade.pdf

Urry, J. (2001). O olhar do turista. Studio Nobel.

Vaz, P. B. F., & Mendonça, R. F. (2002). A representação visual do negro no jornal impresso. XXV Congresso Brasileiro de Ciências Da Comunicação, 1–18. Recuperado de: http://www.portcom.intercom.org.br/pdfs/61313941123136382550073801735930638563.pdf.

Williamson, K., Given, L. M., & Scifleet, P. (2018). Qualitative data analysis. In K. Williamson & G. Johanson (Eds.), Research methods: information, systems, and contexts (2nd ed., pp. 453–476). Elsevier. https://doi.org/10.1016/B978-0-08-102220-7.00019-4.

Downloads

Publicado

2021-11-17

Edição

Seção

Artigos - Turismo e Sociedade