As leis da hospitalidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v15i2.2112

Palavras-chave:

Hospitalidade, Hospitabilidade, Leis não escritas, Turismo.

Resumo

Na sociedade de mobilidade crescente, que vem substituindo a sociedade à dominante sedentária, o contato com estranhos/estrangeiros/desconhecidos aumenta velozmente, alterando instituições basilares da sociedade como casa, vizinhança, família, trabalho.  A garantia de ser bem recebido em todos os lugares para onde vamos torna-se uma necessidade. A urbanidade, o tratamento polido, mas impessoal não é mais suficiente. Crescem as reivindicações por uma hospitalidade mais carregada de calor humano. Mesmo no comércio, termos como customização, fidelização são marcas da aspiração de pessoalidade no encontro.  A discussão desses temas é o contexto para o propósito deste artigo de, com base nas reflexões de Jacques Derrida, Marcel Mauss, Julian Pitt-Rivers e Anne Gotman, desvelar as quatro leis básicas da hospitalidade: a incondicionalidade, a reciprocidade, a assimetria e a compensação. Adicionalmente, pretende levantar outras questões que surgem à margem da atual discussão, em especial o caso do turismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Octávio de Lima Camargo, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil.

Programa de Graduação em Turismo (EACH-USP).

Referências

Augé, Marc (2010). Por uma antropologia da mobilidade. Ed.UNESP

Benveniste, E. (1975). O vocabulário das instituições indo-europeias. Economia, parentesco, sociedade. Campinas: UNICAMP.

Bessone, Magali (2015). Le vocabulaire de l’hospitalité est-il républicain? Ethique Publique, 17(1), s/p https://doi.org/10.4000/ethiquepublique.1745

Borradori, Giovana (2004). Filosofia em tempo de terror: diálogos com Habermas e Derrida. Zahar.

Bourdieu, Pierre (1996). Razões práticas. Sobre a teoria da ação. Papirus, 1996.

Buber, Martin (1979). Eu e Tu. Cortez & Moraes, 1979

Camargo, Luiz, O.L. (2015). Os interstícios da hospitalidade. Revista Hospitalidade. 12 (especial), p. 48-69.

Camargo, Luiz, O.L. (2019). Hospitalidade, turismo e lazer. RBTUR, 13 (3), p. 1-13 https://doi.org/10.7784/rbtur.v13i3.1749

Derrida, Jacques. (1999) Manifeste pour l´hospitalité. Grigny: Paroles d´Aube.

Derrida, Jacques. (1997) Il n´y a pas de culture ni de lien social sans um principe d´hospitalité. Le Monde, mardi 2 décembre 1997(Horizons-entretiens).

Dumazedier, Joffre (1995). A revolução cultural do tempo livre. Studio Nobel, 1995

Éliade, Mircéa (2010). História das crenças e das ideias religiosas: Volume 1: Da Idade da Pedra aos mistérios de Elêusis. Zahar.

Elias, Norbert (1994). O processo civilizador. 2 vols. Zahar

Engels, Friedrich (2002). A origem da família, da propriedade privada e do Estado. Bertrand Brasil.

Dumazedier, Joffre. A revolução cultural do tempo livre. Studio Nobel, 1995

Friedman. Georges (1972). O trabalho em migalhas. Perspectiva

Godbout, Jacques (1997). Récevoir c´est donner. Communications, 65, p. 35-48. https://doi.org/10.3406/comm.1997.1985

Gotman, Anne (2008). O turismo e a encenação da hospitalidade. In: Bueno e Camargo. Cultura e consumo: estilos de vida na contemporaneidade. Senac, p. 115-134

Gotman, Anne. (2009) O Comércio da Hospitalidade é Possível? Revista Hospitalidade, v. 6 (2), p. 3-27

Gotman, Anne. (2011) Les perils de l´asymétrie. La mondialisation et la fin de l’étranger. Collège des Études juives de l’Alliance universelle, p.15-36

Guattari, Felix (1991). As três ecologias. Papirus.

Guimarães, Gilberto A. (2019) Hospitabilidade: avaliação das características e motivações que determinam a capacidade de ser hospitaleiro. Tese (Doutorado) - Universidade Anhembi Morumbi - Programa de Pós-Graduação em Hospitalidade.

Homero (2014). Odisséia. Cosac Naify. https://doi.org/10.1515/9783050095530

Jabès, Edmond (1991). Le livre de l´hospitalité. Gallimard.

Kant, Immanuel (1995). Fundamentação da metafísica dos costumes. Ed.70

Klossowski, Pierre (1995). Les lois de l´hospitalité. Galimard

Krippendorf, Jost (1989). Sociologia do turismo. Civilização Brasileira

Jabès, Edmond (1991). Le livre de l´hospitalité. Gallimard.

Lafargue, Paul (2000). O direito à preguiça. São Paulo: Hucitec

Lanselle, Rainier (2011). A hospitalidade como o impensado. In: Montandon, A. (Org.) O livro da hospitalidade: Acolhida do Estrangeiro na História e nas Culturas. Senac, p. 221-245.

Lashley, Conrad (2015). Hospitalidade e hospitabilidade. Revista Hospitalidade, 12 (especial), p. 70-92.

Lauand, Jean (2019). “Obrigado”,“Perdoe-me”: a Filosofia de S. Tomás de Aquino Subjacente à nossa Linguagem do Dia-a-Dia. Revista Hospitalidade,16(2), p. 138-148 https://doi.org/10.21714/2179-9164.2019.v16n2.007

Le Bras, Hervé (2005). La démographie. Odile Jacob.

Leroi-gourhan, André (1964). O gesto e a palavra. 2 v. Ed.70.

Levinas, Emmanuel (1996). Autrement qu'être: au-delà de l'essence. Le livre de poche

Lugosi, Peter (2008). Hospitality spaces, hospitable moments: consumer encounters and affective experiences in commercial settings. Journal of Foodservice, 19, p. 139–149 https://doi.org/10.1111/j.1745-4506.2008.00092.x

Massignon, Louis (1987). L´hospitalité sacrée. Paris: Nouvelle cité

Mauss, Marcel (1974). Ensaio sobre a Dádiva - forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. In: Sociologia e Antropologia. EPU/Edusp.

Nietzsche, Friedrich (1981). Assim falou Zaratustra. Civilização Brasileira

Perez, Daniel O. (2007). Os significados dos conceitos de hospitalidade em Kant e a problemática do estrangeiro. Konvergencias: filosofia y cultura en dialogo, 4 (15), p.23-34

Pitt-rivers, Julian (2012). The law of hospitality. HAU: Journal of Ethnographic Theory. 2(1), p. 501-517. https://doi.org/10.14318/hau2.1.022

Sanselle, Rainier (2011). A hospitalidade como o impensado. In: Montandon (org). O livro da hospitalidade. Senac, 2011, p.221-245

Schérer, René (1993). Zeus hospitalier: l’éloge de l’hospitalité. Armand Colin

Simmel,Georg. A metrópole e a vida mental. In: VELHO, Otávio (org.). O fenômeno urbano. Zahar Editores.

Simmel,Georg. 2004. Fidelidade e Gratidão e Outros Textos. Relógio D’Água.

Smith, V. (1977). Hosts and Guests: The Anthropology of Tourism. Oxford Basil Blackwell.

Urry, John. (2001) O olhar do turista. SESC/Studio Nobel

Publicado

2021-03-15

Edição

Seção

Artigos