Revisão sistemática da literatura sobre Turismo Científico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v15i2.1981

Palavras-chave:

Turismo Científico, Revisão Sistemática, Bibliometria

Resumo

Este trabalho tem como objetivo apresentar uma revisão sistemática da literatura sobre Turismo Científico, nos contextos nacional e internacional. Por meio de pesquisa exploratória e de revisões sistemática e bibliométrica da literatura, nas bases de dados “Web of Science”, “Scopus” e “Publicações de Turismo”, buscou-se verificar a produção em formato de artigo científico relacionada ao termo “Turismo Científico”. Foram analisados quali-quantitativamente 32 artigos científicos, por meio da utilização dos softwares Mendeley, Excel, QGIS e IRAMUTEQ. Foram também verificadas as leis que regem os estudos bibliométricos. Os principais resultados apontam para uma concentração de estudos no ano de 2016 e oriundos de países europeus, sobretudo da Polônia. Os artigos foram publicados em 23 periódicos de 13 países, com destaque para: “Ido Movement for Culture”, “Annals of Tourism Research” e “Revista Brasileira de Ecoturismo”. Foram identificados 65 autores ou coautores, sendo os principais os poloneses Wojciech J. Cynarski e Krzysztof Kubala. A categorização dos temas em torno do Turismo Científico reúne discussões sobre eventos e viagens científicas, turismo de natureza, educação, geoturismo e desenvolvimento socioeconômico. Por fim, evidencia-se a necessidade de publicações que aprofundem a discussão teórica sobre Turismo Científico.

Biografia do Autor

Bruna Ranção Conti, Universidade Federal do Estado Rio de Janeiro (UNIRIO); Universidade Federal Fluminense (UFF), Rio de Janeiro, RJ, Brazil.

Professora Adjunta do Departamento de Turismo e Patrimônio da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO); Professora Permanente do Programa de Pós-Graduação em Turismo da Universidade Federal Fluminense (UFF). Graduação em Turismo (Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF). Mestre em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social (Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ). Doutora em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento (Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ).

Maria Jaqueline Elicher, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brazil.

Professora Adjunta do Departamento de Turismo e Patrimônio da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Bacharel e Licenciada em Geografia (Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC). Mestre em Geografia (Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC). Doutora em Geografia (Universidade Federal Fluminense - UFF).

Joice Lavandoski, Universidade Federal do Estado Rio de Janeiro (UNIRIO); Universidade Federal Fluminense (UFF), Rio de Janeiro, RJ, Brazil.

Bacharel, Mestre e Doutora em Turismo. Professora Adjunta no Departamento de Turismo e Patrimônio (DETUR), Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Pesquisadora colaboradora dos Grupos de pesquisa: "Pesquisas Interdisciplinares em Turismo e Cidades" (INTERTUR), na linha "Turismo, cultura e cidades" e no Grupo de Pesquisa: "Turismo e Geografi-cidades", na linha "Turismo científico", ambos da UNIRIO. Colaboradora no Grupo de Pesquisa "Turismo, Gestão e Desenvolvimento Regional", na linha "Enoturismo, paisagem e patrimônio", vinculado ao Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS-BG). Professora colaboradora no Programa de Pós-Graduação em Turismo da Universidade Federal Fluminense (UFF), na linha de pesquisa "Turismo, cultura e ambiente". Professora colaborado em projetos de extensão vinculados ao Departamento de Turismo e Patrimônio (DETUR/UNIRIO). Membro da ABRATUR, Brasil. Coordenadora do Laboratório de Eventos em Turismo (LABETUR) da UNIRIO. Áreas de interesse: Turismo, Enoturismo, Turismo gastronômico, Planejamento e Gestão do turismo, Eventos, Teorias organizacionais.

Referências

Albach, V.M. (2015). A difusão da pesquisa em geografia do turismo na ibero-américa [Tese de Doutorado, Universidade Federal do Paraná]. Recuperado mar. 3, 2019, de https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/41332.

Benson, A. (2005). Research tourism: professional travel for useful discoveries. In: M. Novelli, Niche Tourism: contemporary issues, trends and cases (pp. 133-142). Oxford: Elsevier.

Bosak, K. (2015). Scientific tourism and sustainable development in the Aysén region of Chile. In: S. Slocum, C. Kline, A. Holden, Scientific tourism: researchers as travellers (pp. 117-130). New York: Routledge.

Bourlon, F., Mao, P., & Osorio, M. (2011). El turismo científico en Aysén, un modelo de valorización territorial, basado en el patrimonio y actores locales. Revista Sociedad Hoy – Universidad de Concepcion. Recu-perado nov. 10, 2020, de https://www.researchgate.net/publication/281447886_Turismo_cientifico_modelo_de_valorizacion_territorial_Sociedad_Hoy_2011.

Bravo, E.F.O., Cuadrado, C.E.A., Belema, L.A.A., & Sáenz, M.A.V. (2017). El turismo científico y su contribución al desarrollo local sostenible en Ecuador. Caso de estudio. Revista DELOS: Desarrollo Local Sosteni-ble, n. 29. Recuperado nov. 10, 2018, de http://www.eumed.net/rev/delos/29/turismo-ecuador.html.

Busalim, A.H., & Hussin, A.R.C. (2016). Understanding social commerce: A systematic literature review and directions for further research. International Journal of Information Management, 36 (6), 1075-1088. https://doi.org/10.1016/j.ijinfomgt.2016.06.005

Campos, S.A. (2018). O turismo científico na região Alentejo: estudo exploratório acerca do perfil e motiva-ções do visitante dos Centros Ciência Viva [Dissertação de Mestrado, Universidade de Évora], (pp. 309). Recuperado mar. 03, 2019 de https://dspace.uevora.pt/rdpc/handle/10174/23162.

Chueke, G.V., & Amatucci, M. (2015). O que é bibliometria? Uma introdução ao Fórum. Intertext. 10(2), 1-5. https://doi.org/10.18568/1980-4865.1021-5

Corneloup, J. (2009). Comment est abordée la question de l’innovation dans les sciences sociales? Revue de Géographie Alpine, 97(1), 113-128. https://doi.org/10.4000/rga.828

Cynarski, W., Ďuricek, M. (2014). Scientific tourism. Self-realisation, dialogue-cultural and sacral dimensions. IDO Movement For Culture. Journal of Martial Arts Anthropology, 14(4), 39-45. https://doi.org/10.14589/ido.14.4.5

Day, P. (2019). Scientific Tourism: Some Places on the Way. Independently Published.

Ereshko F.I. (2006). Nauchnyiy turizm - tsel i sredstvo progressa v razvitii regionov [Scientific tourism — the purpose and means of progress in development of the regions]. apud Filippova, V., Savvinova, A., Danilov, Y., Gadal, S., & Kamičaityté-Virbašienéi, J. (2017). The Study of Cultural Landscapes of Cen-tral Yakutia for the Development of Scientific Tourism, Journal of Sustainable Architecture and Civil Engineering, 4(21), 5-16.

Filippova, V., Savvinova, A., Danilov, Y., Gadal, S., & Kamičaityté-Virbašienéi, J. (2017). The Study of Cultural Landscapes of Central Yakutia for the Development of Scientific Tourism, Journal of Sustainable Ar-chitecture and Civil Engineering, 4(21), 5-16. https://doi.org/10.5755/j01.sace.21.4.19501

Galvão, T.F., & Pereira, M.G. (2014). Revisões sistemáticas da literatura: Passos para sua elaboração. Epide-miol. Serv. Saúde, 23(1), 183-184. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742014000100018

Ganong L.H. (1987). Integrative reviews of nursing research. Res Nurs Health, 10(1), 1-11. https://doi.org/10.1002/nur.4770100103

Laarman, J., & Perdue, R. (1989). Science tourism in Costa Rica. Annals of Tourism Research, 16(2), 205-2015. https://doi.org/10.1016/0160-7383(89)90068-6

Laing, J.H. (2010). Science tourism: exploring the potential for astrobiology funding and outreach. Astrobiology Science Conference. Recuperado nov. 10, 2018, de https://www.lpi.usra.edu/meetings/abscicon2010/pdf/5047.pdf.

Laville, C., & Dionne, J. (1999). A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências hu-manas. Porto Alegre: Artmed; Belo Horizonte: Editora UFMG.

Margoni, C.C. (2015). Turismo científico: conhecimento produzido em viagens. In: P. A. Netto, & M. G. R. Ansa-rah, Produtos turísticos e novos segmentos de mercado: planejamento, criação e comercialização (pp. 163-173). São Paulo: Manole.

Medeiros, M.A.M., & Polck, M.A.R. (2017). Geoturismo Paleontológico no centro histórico do Rio de Janeiro, Geociências, 36(1), 118-137.

MieczkowskiI, Z. (1995). Environmental Issues of Tourism and Recreation. United States of América: Univer-sity Press of América.

Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). Popularização da ciência e tecnologia. Recuperado mar. 10, 2020 de https://www.mctic.gov.br/mctic/opencms/ciencia/SEPED/popularizacaoCeT/_cientifica/A_popularizacao_da_ciencia_e_tecnologia_e_a_divulgacao_cientifica.html.

Moesch, M.; Beni, M.C. (2015). Do discurso sobre a ciência do turismo para a ciência do turismo. Recuperado jan. 02, 2020, de https://www.anptur.org.br/anais/anais/files/12/48.pdf

Molokacova, L., & Molokac, S. (2011). Scientific tourism: tourism in science or science in tourism? Acta Geo-turistica, 2(1), 41-45.

Montaner Montejano, J. (2001). Estrutura do mercado turístico. São Paulo: Roca.

Moreira, J.C. (2014). Geoturismo e interpretação ambiental. 1st ed. rev. and enl. Ponta Grossa: Editora UEPG. ISBN 978-85-7798-213-4. Recuperado mar. 13, 2020, de http://books.scielo.org/id/v4ddr/pdf/moreira-9788577982134.pdf.

Morse, M.A. (1997). All the world’s a field: a history of the scientific study tour. Progress in Tourism and Hospi-tality Research, 3, 257-269. https://doi.org/10.1002/(SICI)1099-1603(199709)3:3<257::AID-PTH72>3.0.CO;2-U

Nascimento, M.A. L., Gomes, C.S.C.D., & Soares, A.S. (2015). Geoparque como forma de gestão territorial interdisciplinar apoiada no geoturismo: caso do Projeto Geoparque Seridó́. Revista Brasileira de Eco-turismo, 8(2), 347-365. https://doi.org/10.34024/rbecotur.2015.v8.6451

Novelli, M. (2005). Niche Tourism: contemporary issues, trends and cases. Oxford: Elsevier.

Organização das Nações Unidas (ONU). (2015). Transformando nosso mundo: a agenda 2030 para o desen-volvimento sustentável. Recuperado mar. 13, 2020, de https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/.

Panosso-Netto, A., & Nechar, M.C. (2014). Epistemologia do Turismo: escolas teóricas e proposta crítica. Re-vista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 8(1), 120-144. https://doi.org/10.7784/rbtur.v8i1.719

Revilla, M.R.G, & Moure, O.M. (2017). Turismo científico y ciudades del futuro. International Journal of Scien-tific Management and Tourism, 3(1), 123-130.

Salvati, M.E (2017). Manual do Aplicativo Iramuteq. Recuperado mar. 03, 2020, de http://www.iramuteq.org/documentation/fichiers/manual-do-aplicativo-iramuteq-par-maria-elisabeth-salviati.

Sonego, M., & Echeveste, M.S. (2016). Seleção de métodos para modularização no desenvolvimento de pro-dutos: Revisão sistemática. Production, 26(2), 476-487. http://dx.doi.org/10.1590/0103-6513.138413

Souza, M.T., Silva, M.D., & Carvalho, R. (2010). Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein, 8(1), 102-106. http://dx.doi.org/10.1590/s1679-45082010rw1134

Schlindwein, M.N., Akaki, A.T., & Laganaro, N.M. (2011). Atividades de observação do comportamento de Sotalia guianensis como subsídio para o Turismo Científico no Parque Estadual Ilha do Cardoso - Ca-nanéia (SP). Revista Brasileira de Ecoturismo, 4(2), 196-207. https://doi.org/10.34024/rbecotur.2011.v4.5914

Publicado

2021-03-15

Edição

Seção

Artigos