O papel do turismo nas transformações espaciais no litoral da região metropolitana de salvador

o caso de Mata de São João

Palavras-chave: Produção do Espaço, Mata de São João, Atividades imobiliárias turísticas, Hospedagem, Desenvolvimento turístico.

Resumo

A borda atlântica da Região Metropolitana de Salvador (RMS) sofreu e vem sofrendo grandes transformações, sobretudo nas últimas décadas. Reflexo das atividades imobiliárias e turísticas que estão em crescente ascensão e são os principais fomentadores desta área. Neste contexto, o objetivo central da pesquisa foi analisar como ocorreu o processo de produção do espaço neste litoral, por meio do turismo, e sobre quais foram os principais elementos que influenciaram essa produção, utilizando como estudo de caso o município de Mata de São João. Em relação aos aspectos conceituais e metodológicos, o trabalho fundamenta-se nos conceitos de espaço e turismo, e utiliza-se dos procedimentos metodológicos: monográfico-descritivo, histórico e estatístico, bem como análises através de observações semiestruturadas in loco. Os resultados evidenciaram que as áreas urbanas isoladas, Praia do Forte, Imbassaí e Sauípe foram as mais afetadas pelas atividades turísticas e, consequentemente, sofreram profundas mudanças socioespaciais. Isto ocorreu, principalmente, por causa da construção da BA-099, além de outras infraestruturas criadas pelo Estado.

Biografia do Autor

Mariana de Oliveira Santana, Universidade Católica do Salvador (UCSAL), Salvador, Bahia, Brasil.

Licenciada e bacharel em Geografia pela Universidade Católica do Salvador (UCSAL) (2014-2019). Mestranda em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social na mesma instituição. Pesquisadora do Grupo de Estudo e Pesquisa em Geografia Política e Geopolítica (GEPOGEO) e do Grupo de Estudos de Áreas Metropolitanas (GAM).

Maina Pirajá Silva, Universidade Católica do Salvador (UCSAL), Salvador, Bahia, Brasil.

Licenciada (2008), bacharel (2009), mestre (2012) e doutora (2017) em Geografia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Pós-doutora pelo PPG em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social da Universidade Católica do Salvador (PPTDS/UCSAL) (2019). Atualmente é professora do PPTDS/UCSAL. Professora do Curso de Geografia/UCSAL. Coordena o grupo de pesquisa GAM - Grupo de estudos de Áreas Metropolitanas/UCSAL. Pesquisadora associada da Rede INCT/CNPq Observatório das Metrópoles - Núcleo de Salvador. Pesquisadora do Grupo GEOPLAN - Geoprocessamento Aplicado ao Planejamento Territorial e Ambiental – UCSAL

Dante Severo Giudice, Universidade Católica do Salvador (UCSAL), Salvador, Bahia, Brasil.

Licenciado e bacharel em Geografia (2002) pela Universidade Federal da Bahia, graduado em Administração Hoteleira pelo Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia (1981), graduado em Geologia pela Universidade Federal da Bahia (1976). Mestre em Geografia pela Universidade Federal da Bahia (1999). Doutor em Geografia pelo Núcleo de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal de Sergipe - NPGEO/UFS (2011). Atualmente é professor assistente da Universidade Católica do Salvador e Geólogo da Companhia Baiana de Pesquisa Mineral. Líder do GEPOGEO/UCSAL - Grupo de Estudo e Pesquisas em Geografia Política e Geopolítica. Líder do GeoAmbiental/UCSAL - Grupo de Geografia Ambiental. Pesquisador do GEOPLAN - Grupo de Geoecologia e Planejamento Territorial - UFS e do GPTURIS - Grupo de Pesquisa em Turismo e Meio Ambiente – UNIFACS.

Referências

Alves, K. M. da S. (2009). O papel do residente na produção do espaço turístico em Natal/RN. Revista de Cultura e Turismo. Santa Catarina, 3(3), 1–18.

Bahia. (2011). Observatório de Turismo da Bahia. Mercados Emissores. Salvador. Retrieved jun. 5, 2019, from http://observatorio.turismo.ba.gov.br/indicadores/mercados-emissores/.

Bahia. (2015). Superintendência de Investimentos em Polos Turísticos – SUINVEST. Listagem de Investimen-tos Privados Previstos. Salvador. Retrieved jul. 2, 2019, from http://www.setur.ba.gov.br/arquivos/File/investimentosprivadosprevistos04052015.pdf.

Bahia. ([2020]). Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos – INEMA. APA Litoral Norte do Estado da Bahia. Salvador. Retrieved jan. 5, 2020, from http://www.inema.ba.gov.br/gestao-2/unidades-de-conservacao/apa/apa-litoral-norte-do-estado-da-bahia/.

Barbosa, F. F. (2005). O turismo como um fator de desenvolvimento local e/ou regional. Caminhos de Geo-grafia. Uberlândia, 10(14), 107–114.

Becker, B. K. (1995). Levantamento e avaliação da política federal de turismo e seu impacto na região cos-teira. Brasília: MMA/PNMA.

Becker, B. K. (2001). Políticas e planejamento do turismo no Brasil. Caderno Virtual de Turismo. Rio de Janei-ro, 1(1), 1–7.

Booking.com. (2019). Imagem. Tivoli Ecoresort Praia do Forte.

Booking.com. (2020). Acomodações. Mata de São João.

Brasil. (2019). Ministério do Turismo. Prestadores de serviços turísticos/CADASTUR. Brasília. Retrieved abr. 3, 2019, from http://dados.turismo.gov.br/cadastur.

Castells, M. (1983). A questão urbana. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Coriolano, L. N. M. T (2001). Do local ao global: o turismo litorâneo cearense. 2. ed. São Paulo: Papirus.

Coriolano, L. N. M. T., Barbosa, L. M. & Sampaio, C. F. (2010). Veraneio, turismo e especulação imobiliária no Porto das Dunas – litoral cearense. Aportes y Transferencias. Mar del Plata, Argentina, 14(1), 43–58.

Corrêa, R. L. (2000). Espaço, um conceito-chave da Geografia. In: Castro, I. E. de; Costa, P. C. da; Corrêa, R. L. Geografia: conceitos e temas. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand, 15–47.

Corrêa, R. L. (2011). Sobre agentes sociais, escala e produção do espaço: um texto para discussão. In: Carlos, A. F. A.; Souza, M. L. de; Sposito, M. E. B. (Org.). A produção do espaço urbano: agentes e processos, escalas e desafios. São Paulo: Contexto, 41–51.

Cruz, R. (2002). Política de turismo e território. 3. ed. São Paulo: Contexto.

Faria, G. A. (2013). Natureza, apropriação e resistência: contradições na dinâmica de ocupação territorial da zona litorânea de Mata de São João – Bahia. 280 f. Dissertação (Mestrado em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social) – Universidade Católica do Salvador. Salvador.

Fernandez, M G. i. (2003). Las viviendas de segunda residencia. ¿Ocio o negocio? Scripta Nova. Barcelona, 7(146), não paginado.

Fonteles, J. O. (2004). Turismo e impactos socioambientais. São Paulo: Aleph.

Fotos Antigas de Salvador. (1975). A vila da Praia do Forte em 1975. Salvador. Facebook: Fotos Antigas de Salvador. Retrieved jul. 2, 2019, from https://www.facebook.com/FotosAntigasDeSalvador/photos/pcb.714338578590620/714337821924029/?type=3&theater.

García, M. O. (2005). Hacia la construccion del objeto de estúdio del turismo desde uma perspectiva materia-lista critica. PASOS-Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, 3(1), 41–61. https://doi.org/10.25145/j.pasos.2005.03.002 DOI: https://doi.org/10.25145/j.pasos.2005.03.002

Gastal, S. de A. & Dall’Agnol, S. (2012). Turismo em Laguna (SC): impactos e atitude. Revista Brasileira de Pesquisa e Turismo – RBTUR. São Paulo, 6(1), 16–31. https://doi.org/10.7784/rbtur.v6i1.481 DOI: https://doi.org/10.7784/rbtur.v6i1.481

Gomes, R. dos S. E. G., Pinto, H. E. dos R. S. da C. & Almeida, C. M. B. R. de. (2017). Second home tourism in the Algarve: the perception of public sector managers. Revista Brasileira de Pesquisa e Turismo – RBTUR. São Paulo, 11(2), 197–217. https://doi.org/10.7784/rbtur.v11i2.1246 DOI: https://doi.org/10.7784/rbtur.v11i2.1246

Google. Google Earth Pro. ([2015]). [Localização de imagens]. [S.l.].

Google. Google Earth Pro. ([2018]). [Localização de imagens]. [S.l.].

Google. Google Earth Pro. ([2019]). [Localização de imagens]. [S.l.].

Hall, C. M. & Page, S. J. (2014). The geography of tourism and recreation: environment, place and space. 4. ed. London: Routledge. https://doi.org/10.4324/9780203796092 DOI: https://doi.org/10.4324/9780203796092

Holloway, J. (1994). The business of tourism. 4. ed. England: Longon Group Limited, England.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). ([2010a]). Estrutura territorial. Distritos e localidades. Rio de Janeiro. Retrieved abr. 20, 2019, from https://www.ibge.gov.br/geociencias/downloads-geociencias.html.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). ([2010b]). SIDRA. Domicílios particulares de uso ocasio-nal. Rio de Janeiro. Retrieved abr. 2, 2019, from https://sidra.ibge.gov.br/Tabela/1310.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). ([2010c]) SIDRA. População residente. Rio de Janeiro. Retrieved abr. 2, 2019, from https://sidra.ibge.gov.br/Tabela/202.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2010d). Sinopse do Censo Demográfico 2010. Popula-ção nos Censos Demográficos, segundo os municípios das capitais - 1872/2010. Rio de Janeiro. Retrieved abr. 20, 2019, from https://censo2010.ibge.gov.br/sinopse/index.php?dados=6.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2016). Contas Nacionais. Produto Interno Bruto dos Municípios. Rio de Janeiro. Retrieved maio 10, 2019, from https://www.ibge.gov.br/estatisticas/economicas/contas-nacionais/9088-produto-interno-bruto-dos-municipios.html?=&t=downloads.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2019). Cidades@. Mata de São João. Rio de Janeiro. Retrieved jan. 7, 2020, from https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/mata-de-sao-joao/panorama.

Larsson, L. (2019). Coping with second home tourism: responses and strategies of private and public service providers in western Sweden. Current Issues in Tourism, 22(16), 1958–1974. https://doi.org/10.1080/13683500.2017.1411339 DOI: https://doi.org/10.1080/13683500.2017.1411339

Lefebvre, H. (2008). Espaço e política. 2. reimp. Belo Horizonte: UFMG.

Lopes, A. de O. B., Tinôco, D dos S & Araújo, R. M. de. (2012). Turismo como vetor de desenvolvimento local: um olhar através das ideias de Theodor Adorno e Max Horkheimer. Turismo em Análise, 23(1), 104-127. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v23i1p104-127 DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v23i1p104-127

Machado, C. N. (2008). Turismo, direito ambiental e conflitos na produção do espaço: o caso da Reserva Imbassai e seu entorno, na APA Litoral Norte da Bahia. 136 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Univer-sidade Federal da Bahia. Salvador.

Magalhães, D. S. (2015). Fragmentação e segregação sócio-espacial no processo de urbanização do litoral nordeste da Bahia: os dois lados da rodovia BA-099 − “Estrada do Coco”. 332 f. Tese (Doutorado em Geogra-fia) – Universidade Federal da Bahia. Salvador.

Martínez, J. M. S. (2003). Las viviendas de segunda residência em la sociedade del bienestar. El caso de um país turístico: España. Cuadernos de Turismo, 12, 53−75.

Mattedi, M. R. M. (2001). Pesquisa e planejamento ambiental no Litoral Norte da Bahia. Gestão & Planeja-mento. Salvador, 3, 9−34.

Mattedi, M. R. M. (2002). Espaço e sociedade na Área de Proteção Ambiental do Litoral Norte da Bahia. RDE - Revista de Desenvolvimento Econômico. Salvador, 5, p. 104−113.

Moreira, R. (1985). O que é geografia. 5. ed. São Paulo: Brasiliense.

Muricy, I. T. (2010). Turismo e desenvolvimento no Litoral Norte da Bahia. In: XVII Encontro Nacional de Estu-dos Populacionais - ABEP, Caxambú-MG. Anais eletrônicos... Retrieved jan. 3, 2020, from http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:qP55vq98ZgAJ:www.abep.org.br/~abeporgb/publicacoes/index.php/anais/article/download/2339/2293+&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br

Nicolás, D. H. (2001). Elementos para um análisis sociogeográfico del turismo. In: Rodrigues, A. A. B. (Org.). 3. ed. Turismo e geografia: reflexões teóricas e enfoques regionais. São Paulo: Hucotec, Ed. da Universidade de São Paulo.

Organização Mundial do Turismo (OMT). (2001). Retrieved abr. 4, 2019, de http://www2.unwto.Org/.

Queiroz, R. L. de. (2016). As implicações dos investimentos do PRODETUR no processo de produção do espa-ço em Imbassaí (Mata De São João-BA). 170 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Rabahy, W. A. (2019). Análise e perspectivas do turismo no Brasil. Revista Brasileira de Pesquisa e Turismo – RBTUR. São Paulo, 14(1), 1–13. https://doi.org/10.7784/rbtur.v14i1.1903 DOI: https://doi.org/10.7784/rbtur.v14i1.1903

Ramos, D. M.; Costa, C. M. (2017). Turismo: tendências de evolução. PRACS: Revista Eletrônica de Humani-dades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP. Amapá, 10(1), 21–33. https://doi.org/10.18468/pracs.2017v10n1.p21-33 DOI: https://doi.org/10.18468/pracs.2017v10n1.p21-33

Santos, M. (1978). Por uma Geografia nova: da crítica da geografia a uma geografia crítica. São Paulo: Huci-tec, Ed. da Universidade de São Paulo.

Santos, C. A. J. (2007). A produção e o consumo de espaços turísticos. In: IX Coloquio Internacional de Geocrí-tica. Barcelona, Espanha. Anais eletrônicos... Retrieved dez. 20, 2019, from http://www.ub.edu/geocrit/9porto/crisalc.htm.

Santos, M. (2008). Técnica, espaço, tempo: Globalização e meio técnico-científico-informacional. 5. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Sharma, B. & Dyer, P. (2012). A longitudinal study of the residents’ perceptions of tourism impacts using data from the sunshine coast Australia. PASOS-Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, 10(2), 37-26. https://doi.org/10.25145/j.pasos.2012.10.025 DOI: https://doi.org/10.25145/j.pasos.2012.10.025

Silva, C. H. da. (2012). O turismo e a produção do espaço: perfil geográfico de uma prática socioespacial. Geografia Ensino & Pesquisa. Santa Maria, 16(2), 47–63. https://doi.org/10.5902/223649947334 DOI: https://doi.org/10.5902/223649947334

Silva, M. N. de F. (2013). O imobiliário-turístico no nordeste brasileiro: o turismo residencial e a macrourbani-zação turística a partir da expansão e expressão dos resorts residenciais no litoral. 143 f. Dissertação (Mes-trado em Geografia) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

Silva, S. B.de M. e., Silva, B. C. N. & Carvalho, S. S. de. (2009). Globalização, turismo e residências secundá-rias: o exemplo de Salvador-Bahia e de sua região de influência. Observatório de Inovação do Turismo. Rio de Janeiro, 4(3), 1–15.

Sivieiro, A. P. (2006). Os elementos do espaço turístico urbano no processo de planejamento: reflexões teóri-cas e articulações. R.RA´EGA. Curitiba, 11, 51–59. https://doi.org/10.5380/raega.v11i0.7747 DOI: https://doi.org/10.5380/raega.v11i0.7747

Souza Júnior, X. S. de S. & Ito, C. A. (2005). Turismo e espaço: uma leitura geográfica da interferência da ativi-dade turística no processo de (re)organização sócio-espacial do município de João Pessoa-PB. Scripta Nova. Barcelona, 9 (194), não paginado.

Souza, S. do R., Bahl, M. & Kushano, E. S. (2013). O espaço do turismo: produção, apropriação e transforma-ção do espaço social. Revista Hospitalidade. São Paulo, 10(3), 313–331.

Souza, P. G. de, Matias, E. M. & Selva, V. S. F. (2016). Do turismo residencial aos Complexos Turísticos Imobi-liários: a apropriação da zona costeira do nordeste brasileiro pela atividade turística imobiliária. Ambiente & Sociedade. São Paulo, 19(3), 177–198. https://doi.org/10.1590/1809-4422ASOC141673V1932016 DOI: https://doi.org/10.1590/1809-4422ASOC141673V1932016

Souza, A. C., Noia, A. C. & Pinheiro, L. I. F. (2016). Evolução das Políticas Públicas de Turismo no Estado da Bahia. In: Seminário da ANPTUR. Anais eletrônicos... Retrieved dez. 22, 2019, from https://www.anptur.org.br/anais/anais/files/13/493.pdf.

Turisforte. ([2017]). Mata de São João. Salvador. Retrieved maio 05, 2019, from http://praiadoforte.org.br.

Turisforte. ([2019]). Mata de São João. Salvador. Retrieved maio 05, 2019, from http://praiadoforte.org.br/.

Valença, M. R. (2015). A apropriação mercadológica da natureza na produção do espaço pelo turismo de segunda residência em Gravatá-PE. Revista Movimentos Sociais e Dinâmicas Espaciais. Recife, 4(1), 129–149.

Publicado
01-09-2020