O ritual da interpelação ideológica no Turismo LGBT e a impossibilidade do desejo que se desloca

Palavras-chave: Turismo, Análise do Discurso, LGBT, Ideologia, Desejo.

Resumo

No Turismo, as produções acadêmicas existentes sobre o segmento de Turismo LGBT têm validado práticas do mercado e apresentado, exclusivamente, como justificativas para esse tipo de segmentação, a definição de um perfil econômico desses sujeitos. Neste trabalho temos como objetivo a problematização do segmento de Turismo LGBT com base na análise dos mecanismos de interpelação do sujeito LGBT como um turista LGBT. Questiona o modo como a oferta de produtos se dá pelo mercado turístico às pessoas LGBT, frequentemente, com apelo ao sexo. Não se furta, contudo, de reconhecer a busca pelo prazer sexual através dos deslocamentos turísticos, apenas se propõe à exposição dos mecanismos de controle do desejo dos sujeitos LGBT através de sua interpelação como turistas LGBT. Para isso, assume o folheto promocional da campanha “¡TRAE TUS COLORES!” como a materialidade de onde quatro sequências discursivas são tomadas para compor o corpus de análise. Esta campanha, apoiada pelo Instituto Brasileiro de Turismo (EMBRATUR), promoveu o Brasil como um destino turístico LGBT em dezembro de 2014 nas cidades de Madrid e Valência, na Espanha. A análise do folheto promocional se filia aos pressupostos teórico-metodológicos da Análise de Discurso francesa teorizada por Michel Pêcheux, que articula conceitos oriundos de três campos teóricos: Psicanálise, Materialismo Histórico e Linguística. Por isso, aproxima os conceitos de sujeito e ideologia para discutir os mecanismos pelos quais a ideologia interpela esses sujeitos, autorizando alguns sentidos ao seu desejo inconsciente e desautorizando outros. Este processo, responsável por identificar o sujeito e censurar o desejo, produz deslocamentos de ordem psíquica e física, interpretados aqui como a busca pela realização do desejo através das viagens. Assumindo, portanto, que a impossibilidade de tomar uma posição, bem como de inscrever o desejo, é o que promove o deslocamento do sujeito, a pesquisa faz um retorno no campo do Turismo.

Biografia do Autor

Maicon Gularte Moreira, Universidade de Caxias do Sul (UCS), Rio Grande do Sul, Brasil.
Mestre em Turismo e Hospitalidade (PPGTURH/UCS). Doutorando em Turismo e Hospitalidade (PPGTURH/UCS), com bolsa de pesquisa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (FAPERGS).
Luciene Jung de Campos, Universidade de Caxias do Sul (UCS), Rio Grande do Sul, Brasil.
Doutora em Estudos da Linguagem: teorias do texto e do discurso (PPGLET/UFRGS). Psicóloga (PUCRS). Professora adjunta do Centro de Humanidades (UCS) e professora do corpo permanente do Programa de Pós-Graduação em Turismo e Hospitalidade - mestrado e doutorado PPGTURH /UCS.

Referências

Althusser, L. (1999). Sobre a reprodução. Petrópolis, RJ: Vozes.

Althusser, L. (2003). Aparelhos ideológicos de Estado: Nota sobre os aparelhos ideológicos de Estado (AIE) (9a ed.). Rio de Janeiro: Edições Graal.

Angeli, E. A. (1999). Turismo GLS. In Ansarah, M. G. R. (Ed.), Turismo: Segmentação de mercado (pp. 183-208). São Paulo: Futura.

Avena, D. T., & Rossetti, F. (2004). Homossexualidade, consumo, cidadania e hospitalidade. Caderno Virtual de Tu-rismo, 4(2), 9-16. Recuperado de http://www.ivt.coppe.ufrj.br/caderno/index.php/caderno/article/view/53.

Campos, L. J. (2010). Imagens à deriva: Interlocuções entre a arte, a psicanálise e a análise do discurso. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Recuperado de http://hdl.handle.net/10183/27958.

Chiochetta, A. S., & Avena, D. T. (2006). Parada gay de São Paulo: evento de compromisso social ou uma grande festa na Avenida Paulista? Caderno Virtual de Turismo, 6(2), 11-18. Recuperado de http://www.ivt.coppe.ufrj.br/caderno/index.php/caderno/article/view/116.

Debord, G. (1997). A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto.

Dias, I., Oliveira, B., Lucian, R., Barbosa, M., & Kovacs, É. (2009). Motivações do público homossexual na escolha dos destinos turísticos. Revista Acadêmica Observatório de Inovação do Turismo, 4(1), 1-20.

Freud, S. (1996a). A interpretação dos sonhos I (1900) (v. 4). Rio de Janeiro: Imago. Originalmente publicado em 1900.

Freud, S. (1996b). Os chistes e a sua relação com o inconsciente (1905) (v. 8). Rio de Janeiro: Imago. Originalmente publicado em 1905.

Freud, S. (1996c). Sobre a psicopatologia da vida cotidiana (1901) (v. 6). Rio de Janeiro: Imago. Originalmente publi-cado em 1901.

Gastal, S. (2006). Alegorias urbanas: O passado como subterfúgio. Campinas, SP: Papirus.

Grupo Gay da Bahia. (2013). Assassinato de homossexuais (LGBT) no Brasil: relatório 2013. Salvador: Grupo Gay da Bahia. Recuperado de https://homofobiamata.wordpress.com/estatisticas/relatorios/2013-2/.

Guiya Editora. (2014). Trae Tus Colores: Turismo LGBT (español). Recuperado de https://issuu.com/guiya-editora/docs/turismo_lgbt_brasil_espa__ol.

Guiya Editora. (n.d.). Quem somos. Recuperado de http://www.guiagaysaopaulo.com.br/quem-somos.

Henry, P. (2014). Os fundamentos teóricos da “análise automática do discurso” de Michel Pêcheux (1969). In Ga-det, F. & Hak, T. (Eds.), Por uma análise automática do discurso: Uma introdução à obra de Michel Pêcheux (5a ed., pp. 11-38). Campinas, SP: Editora da Unicamp.

Indursky, F. (2008). Unicidade, desdobramento, fragmentação: a trajetória da noção de sujeito em Análise do Discur-so. In Mittmann, S., Grigoletto, E. & Cazarin, E. (Eds.). Práticas Discursivas e identitárias: Sujeito & Língua (pp. 9-33). Porto Alegre: Nova Prova.

Lacan, J. (1992). O seminário, livro 8: A transferência (1960-1961). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (1998). A instância da letra no inconsciente ou a razão desde Freud. In Lacan, J. Escritos (pp. 96-103). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (1999). O familionário. In Lacan, J. O seminário, livro 5: As formações do inconsciente (1957-1958) (pp. 11-29). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (2016). O seminário, livro 6: o desejo e sua interpretação (1958-1959) (tradução de Claudia Berliner). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lanzarini, R. (2013). A viagem liberadora: para além das fronteiras sociais da sexualidade. Revista Rosa dos Ventos: Turismo e Hospitalidade. 5(4), 548-558. Recuperado de http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/rosadosventos/article/view/2138.

Marx, K. (2017). O capital: critica da economia política: livro I: processo de produção do capital (2a. ed., tradução de Rubens Enderle). São Paulo: Boitempo.

Moesch, M. M. (2000). A produção do saber turístico. São Paulo: Contexto.

Moreira, M. G., & Hallal, D. R. (2017). As Viagens e as Experiências de Fronteira na Transgressão do Armário Gay. Revista Rosa dos Ventos: Turismo e Hospitalidade. 9(1), 133-155. DOI: http://dx.doi.org/10.18226/21789061.v9i1p133

Oliveira, L. A. (2002). Turismo para Gays e Lésbicas: Uma viagem reflexiva. São Paulo: Roca.

Oliveira, L. A. (2016). Turismo Pós-moderno: o segmento LGBT no Brasil. Revista Turismo: Estudos & Práticas (RTEP/UERN), 5(1), 40-56. Recuperado de http://periodicos.uern.br/index.php/turismo/article/view/1963.

Orlandi, E. P. (2004). Cidade dos sentidos. Campinas, SP: Pontes.

Orlandi, E. P. (2010). Análise de discurso: princípios e procedimentos (9a ed.). Campinas, SP: Pontes.

Orlandi, E. P. (2011). A casa e a rua: uma relação política e social. Educação & Realidade, 36(3), 693-703. Recupera-do de http://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/18491.

Pêcheux, M. (2014a). Análise Automática do Discurso (AAD-69). In Gadet, F. & Hak, T. (Eds.), Por uma análise auto-mática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux (5a ed., pp. 59-158). Campinas, SP: Editora da Uni-camp.

Pêcheux, M. (2014b). Semântica e discurso: Uma crítica à afirmação do óbvio (5a ed.). Campinas, SP: Editora da Unicamp.

Pêcheux, M., & Fuchs, C. (2014). A propósito da Análise Automática do Discurso: atualização e perspectivas (1975). In Gadet, F. & Hak, T. (Eds.), Por uma análise automática do discurso: Uma introdução à obra de Michel Pêcheux (5a ed., pp. 159-250). Campinas, SP: Editora da Unicamp.

Sanches, T. C., Mancini, L. A., & Nascimento, M. A. N. (2011). Turismo GLS e o perfil do seu público consumidor na região norte do Paraná. Revista Turismo Visão e Ação - Eletrônica, 13(1), 81-95. DOI: http://dx.doi.org/10.14210/rtva.v13n1.p81-95

Soares, A. S. F. (2006). A homossexualidade e a AIDS no imaginário de revistas semanais (1985-1990). Tese de dou-torado, Universidade Federal Fluminense). Recuperado de http://www.bdtd.ndc.uff.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=835.

Tadioto, M. V. (2016). O lugar discursivo do sujeito no segmento turístico GLS. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Turismo e Hospitalidade, Universidade de Caxias do Sul. Recuperado de https://repositorio.ucs.br/xmlui/handle/11338/1679.

Trevisan, J. S. (2006). Turismo e orientação sexual. In Brasil. Ministério do Turismo. Turismo Social: Diálogos do Tu-rismo, uma viagem de inclusão (pp. 139-177). Rio de Janeiro: IBAM.

Trigo, L. G. G. (2009). Ascenção do prazer na sociedade atual: Turismo GLS. In Panosso Netto, A. & Ansarah, M. G. R. (Orgs.). Segmentação do mercado turístico: estudos, produtos e perspectivas (p. 141-163). Barueri, SP: Manole.

Žižek, S. (1992). Eles não sabem o que fazem: O sublime objeto da ideologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Publicado
13-05-2019
Seção
Artigos