O ritual da interpelação ideológica no Turismo LGBT e a impossibilidade do desejo que se desloca

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v13i2.1542

Palavras-chave:

Turismo, Análise do Discurso, LGBT, Ideologia, Desejo.

Resumo

No Turismo, as produções acadêmicas existentes sobre o segmento de Turismo LGBT têm validado práticas do mercado e apresentado, exclusivamente, como justificativas para esse

tipo de segmentação, a definição de um perfil econômico desses sujeitos. Neste trabalho temos como objetivo a problematização do segmento de Turismo LGBT com base na análise dos mecanismos de interpelação do sujeito LGBT como um turista LGBT. Questiona o modo como a oferta de produtos se dá pelo mercado turístico às pessoas LGBT, frequentemente, com apelo ao sexo. Não se furta, contudo, de reconhecer a busca pelo prazer sexual através dos deslocamentos turísticos, apenas se propõe à exposição dos mecanismos de controle do desejo dos sujeitos LGBT através de sua interpelação como turistas LGBT. Para isso, assume o folheto promocional da campanha “¡TRAE TUS COLORES!” como a materialidade de onde quatro sequências discursivas são tomadas para compor o corpus de análise. Esta campanha, apoiada pelo Instituto Brasileiro de Turismo (EMBRATUR), promoveu o Brasil como um destino turístico LGBT em dezembro de 2014 nas cidades de Madrid e Valência, na Espanha. A análise do folheto promocional se filia aos pressupostos teórico-metodológicos da Análise de Discurso francesa teorizada por Michel Pêcheux, que articula conceitos oriundos de três campos teóricos: Psicanálise, Materialismo Histórico e Linguística. Por isso, aproxima os conceitos de sujeito e ideologia para discutir os mecanismos pelos quais a ideologia interpela esses sujeitos, autorizando alguns sentidos ao seu desejo inconsciente e desautorizando outros. Este processo, responsável por identificar o sujeito e censurar o desejo, produz deslocamentos de ordem psíquica e física, interpretados aqui como a busca pela realização do desejo através das viagens. Assumindo, portanto, que a impossibilidade de tomar uma posição, bem como de inscrever o desejo, é o que promove o deslocamento do sujeito, a pesquisa faz um retorno no campo do Turismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maicon Gularte Moreira, Universidade de Caxias do Sul (UCS), Rio Grande do Sul, Brasil.

Mestre em Turismo e Hospitalidade (PPGTURH/UCS). Doutorando em Turismo e Hospitalidade (PPGTURH/UCS), com bolsa de pesquisa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (FAPERGS).

Luciene Jung de Campos, Universidade de Caxias do Sul (UCS), Rio Grande do Sul, Brasil.

Doutora em Estudos da Linguagem: teorias do texto e do discurso (PPGLET/UFRGS). Psicóloga (PUCRS). Professora adjunta do Centro de Humanidades (UCS) e professora do corpo permanente do Programa de Pós-Graduação em Turismo e Hospitalidade - mestrado e doutorado PPGTURH /UCS.

Referências

Althusser, L. (1999). Sobre a reprodução. Petrópolis, RJ: Vozes.

Althusser, L. (2003). Aparelhos ideológicos de Estado: Nota sobre os aparelhos ideológicos de Estado (AIE) (9a ed.). Rio de Janeiro: Edições Graal.

Angeli, E. A. (1999). Turismo GLS. In Ansarah, M. G. R. (Ed.), Turismo: Segmentação de mercado (pp. 183-208). São Paulo: Futura.

Avena, D. T., & Rossetti, F. (2004). Homossexualidade, consumo, cidadania e hospitalidade. Caderno Virtual de Tu-rismo, 4(2), 9-16. Recuperado de http://www.ivt.coppe.ufrj.br/caderno/index.php/caderno/article/view/53.

Campos, L. J. (2010). Imagens à deriva: Interlocuções entre a arte, a psicanálise e a análise do discurso. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Recuperado de http://hdl.handle.net/10183/27958.

Chiochetta, A. S., & Avena, D. T. (2006). Parada gay de São Paulo: evento de compromisso social ou uma grande festa na Avenida Paulista? Caderno Virtual de Turismo, 6(2), 11-18. Recuperado de http://www.ivt.coppe.ufrj.br/caderno/index.php/caderno/article/view/116.

Debord, G. (1997). A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto.

Dias, I., Oliveira, B., Lucian, R., Barbosa, M., & Kovacs, É. (2009). Motivações do público homossexual na escolha dos destinos turísticos. Revista Acadêmica Observatório de Inovação do Turismo, 4(1), 1-20.

Freud, S. (1996a). A interpretação dos sonhos I (1900) (v. 4). Rio de Janeiro: Imago. Originalmente publicado em 1900.

Freud, S. (1996b). Os chistes e a sua relação com o inconsciente (1905) (v. 8). Rio de Janeiro: Imago. Originalmente publicado em 1905.

Freud, S. (1996c). Sobre a psicopatologia da vida cotidiana (1901) (v. 6). Rio de Janeiro: Imago. Originalmente publi-cado em 1901.

Gastal, S. (2006). Alegorias urbanas: O passado como subterfúgio. Campinas, SP: Papirus.

Grupo Gay da Bahia. (2013). Assassinato de homossexuais (LGBT) no Brasil: relatório 2013. Salvador: Grupo Gay da Bahia. Recuperado de https://homofobiamata.wordpress.com/estatisticas/relatorios/2013-2/.

Guiya Editora. (2014). Trae Tus Colores: Turismo LGBT (español). Recuperado de https://issuu.com/guiya-editora/docs/turismo_lgbt_brasil_espa__ol.

Guiya Editora. (n.d.). Quem somos. Recuperado de http://www.guiagaysaopaulo.com.br/quem-somos.

Henry, P. (2014). Os fundamentos teóricos da “análise automática do discurso” de Michel Pêcheux (1969). In Ga-det, F. & Hak, T. (Eds.), Por uma análise automática do discurso: Uma introdução à obra de Michel Pêcheux (5a ed., pp. 11-38). Campinas, SP: Editora da Unicamp.

Indursky, F. (2008). Unicidade, desdobramento, fragmentação: a trajetória da noção de sujeito em Análise do Discur-so. In Mittmann, S., Grigoletto, E. & Cazarin, E. (Eds.). Práticas Discursivas e identitárias: Sujeito & Língua (pp. 9-33). Porto Alegre: Nova Prova.

Lacan, J. (1992). O seminário, livro 8: A transferência (1960-1961). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (1998). A instância da letra no inconsciente ou a razão desde Freud. In Lacan, J. Escritos (pp. 96-103). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (1999). O familionário. In Lacan, J. O seminário, livro 5: As formações do inconsciente (1957-1958) (pp. 11-29). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (2016). O seminário, livro 6: o desejo e sua interpretação (1958-1959) (tradução de Claudia Berliner). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lanzarini, R. (2013). A viagem liberadora: para além das fronteiras sociais da sexualidade. Revista Rosa dos Ventos: Turismo e Hospitalidade. 5(4), 548-558. Recuperado de http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/rosadosventos/article/view/2138.

Marx, K. (2017). O capital: critica da economia política: livro I: processo de produção do capital (2a. ed., tradução de Rubens Enderle). São Paulo: Boitempo.

Moesch, M. M. (2000). A produção do saber turístico. São Paulo: Contexto.

Moreira, M. G., & Hallal, D. R. (2017). As Viagens e as Experiências de Fronteira na Transgressão do Armário Gay. Revista Rosa dos Ventos: Turismo e Hospitalidade. 9(1), 133-155. DOI: http://dx.doi.org/10.18226/21789061.v9i1p133

Oliveira, L. A. (2002). Turismo para Gays e Lésbicas: Uma viagem reflexiva. São Paulo: Roca.

Oliveira, L. A. (2016). Turismo Pós-moderno: o segmento LGBT no Brasil. Revista Turismo: Estudos & Práticas (RTEP/UERN), 5(1), 40-56. Recuperado de http://periodicos.uern.br/index.php/turismo/article/view/1963.

Orlandi, E. P. (2004). Cidade dos sentidos. Campinas, SP: Pontes.

Orlandi, E. P. (2010). Análise de discurso: princípios e procedimentos (9a ed.). Campinas, SP: Pontes.

Orlandi, E. P. (2011). A casa e a rua: uma relação política e social. Educação & Realidade, 36(3), 693-703. Recupera-do de http://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/18491.

Pêcheux, M. (2014a). Análise Automática do Discurso (AAD-69). In Gadet, F. & Hak, T. (Eds.), Por uma análise auto-mática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux (5a ed., pp. 59-158). Campinas, SP: Editora da Uni-camp.

Pêcheux, M. (2014b). Semântica e discurso: Uma crítica à afirmação do óbvio (5a ed.). Campinas, SP: Editora da Unicamp.

Pêcheux, M., & Fuchs, C. (2014). A propósito da Análise Automática do Discurso: atualização e perspectivas (1975). In Gadet, F. & Hak, T. (Eds.), Por uma análise automática do discurso: Uma introdução à obra de Michel Pêcheux (5a ed., pp. 159-250). Campinas, SP: Editora da Unicamp.

Sanches, T. C., Mancini, L. A., & Nascimento, M. A. N. (2011). Turismo GLS e o perfil do seu público consumidor na região norte do Paraná. Revista Turismo Visão e Ação - Eletrônica, 13(1), 81-95. DOI: http://dx.doi.org/10.14210/rtva.v13n1.p81-95

Soares, A. S. F. (2006). A homossexualidade e a AIDS no imaginário de revistas semanais (1985-1990). Tese de dou-torado, Universidade Federal Fluminense). Recuperado de http://www.bdtd.ndc.uff.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=835.

Tadioto, M. V. (2016). O lugar discursivo do sujeito no segmento turístico GLS. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Turismo e Hospitalidade, Universidade de Caxias do Sul. Recuperado de https://repositorio.ucs.br/xmlui/handle/11338/1679.

Trevisan, J. S. (2006). Turismo e orientação sexual. In Brasil. Ministério do Turismo. Turismo Social: Diálogos do Tu-rismo, uma viagem de inclusão (pp. 139-177). Rio de Janeiro: IBAM.

Trigo, L. G. G. (2009). Ascenção do prazer na sociedade atual: Turismo GLS. In Panosso Netto, A. & Ansarah, M. G. R. (Orgs.). Segmentação do mercado turístico: estudos, produtos e perspectivas (p. 141-163). Barueri, SP: Manole.

Žižek, S. (1992). Eles não sabem o que fazem: O sublime objeto da ideologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Publicado

2019-05-13

Edição

Seção

Artigos