Concepções de desenvolvimento econômico e a compreensão do papel do turismo na redução da pobreza

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v13i2.1513

Palavras-chave:

Desenvolvimento econômico, Pobreza, Turismo.

Resumo

O presente artigo busca evidenciar o contexto que possibilitou a conformação de uma visão que atribui ao turismo a capacidade de reduzir a pobreza, amplamente utilizada pelas principais instituições multilaterais de desenvolvimento (Banco Mundial; OIT; OMT; ONU-PNUD) em âmbito internacional. Para tanto, a pesquisa busca respostas na compreensão de desenvolvimento econômico por meio de duas linhas analíticas principais: a corrente neoliberal e seu contraponto, a corrente “crítica” de desenvolvimento. São utilizados principais traços de ambas as perspectivas, buscou-se discutir a contribuição de cada linha para entender aspectos positivos e negativos da corrente que associa ao turismo a capacidade de combater a pobreza. Paralelamente, foram apresentados, de forma sintética, como cada instituição compreende a pobreza, suas causas e o papel do turismo para contribuir em sua redução. O objetivo consistiu, assim, em conferir conteúdo crítico a temática e suscitar novas discussões em um cenário ainda atual e de grande relevância para o campo epistemológico e empírico do turismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Augusto Pereira Malta, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, Brasil.

Bacharel em Turismo pela Universidade Federal de Minas Gerais, com mestrado e doutorado em Geografia pelo IGC/UFMG. É professor adjunto I do Departamento de Turismo da Universidade Federal de Juiz de Fora.                      

Solano de Souza Braga, Turismo Universidade Federal do Piauí (UFPI) - Campus Ministro Reis Velloso, Parnaíba, PI), Brasil

Bacharel em Turismo pelo IGC-UFMG (2006), Licenciado em Turismo e Hospitalidade pelo Programa de Formação Pedagógica de Docentes do CEFET-MG (2008), Licenciado em Geografia, UNIVERSO (2014), Mestrado em Geografia, IGC-UFMG (2011), Doutorando em desenvolvimento e meio ambiente PRODEMA / UFPI. Professor assistente do Curso de Turismo Universidade Federal do Piauí - Campus Ministro Reis Velloso (Parnaíba, PI).

Maria Flávia Pires Barbosa, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, Brasil.

Bacharel em Turismo pela Universidade Federal de Minas Gerais, com mestrado e doutorado em Geografia pelo IGC/UFMG. Analista de Turismo na Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais

Referências

Agarwala, A. N., & Singh, S. P. (Org.). (2010). A economia do subdesenvolvimento. 2. ed. Rio de Janeiro: Con-traponto.

Allen, T., & Thomas, A. (2000). Poverty and Development into the 21st Century. Oxford: The Open University.

Arantes, P. (2004). Ajuste urbano: as políticas do Banco Mundial e do BID para as cidades latino-americanas. Dissertação (Mestrado em Estruturas Ambientais Urbanas) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Univer-sidade de São Paulo, São Paulo.

Archer, B. (1995). Importance of Tourism for the Economy of Bermuda. Annals of Tourism Research, 22(4)918-30. https://doi.org/10.1016/0160-7383(95)00018-1

Arndt, H. W. (1987). Economic Development: A Semantic History. Economic Development and Cultural Change, Chicago, 29(3), 457-466. https://doi.org/10.1086/451266

Ashley, C.; Boyd, C.; & Goodwin, H. (2000). Pro-poor Tourism: Putting Poverty at the Heart of the Tourism Agen-da. Natural Resource Perspectives, London, 51, 1-6.

Ashley, C., & Goodwin, H. (2007). Turismo pro-pobre: ¿Qué ha ido bien y qué há ido mal? El Salvador: Overseas Development Institute, 80-81.

Balaguer, J., & M. Cantavella-Jorda. (2002). Tourism as a Long Run Economic Growth Factor: The Spanish Case. Applied Economics, 34, 877-84. https://doi.org/10.1080/00036840110058923

Baldwin, R.E., & Meier, G.M. (1968). Desenvolvimento econômico. São Paulo: Mestre Jou.

Bastos, C. P., & Britto, G. (2010). Introdução. In: Agarwala, A. N., & Singh, S. P. (Org.). A economia do subdesen-volvimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 7-41.

Becker, G. S., & Stigler, G. J. (1974). Law enforcement, malfeasance, and compensation of enforcers. The Journal of Legal Studies, 3(1), p. 1-18. https://doi.org/10.1086/467507

Boisier, S. (1996). Em busca do esquivo desenvolvimento regional: entre a caixa-preta e o projeto político. IPEA - Planejamento e políticas públicas, n. 13, 111-147

Brasil. Ministério do Turismo. (2005) Turismo sustentável e alívio à pobreza no Brasil: reflexões e perspecti-vas. Brasília, 2005. 24 p. Disponível em: . Acesso em 22 jul. 2015.

Burne, S.M.A., Dachary, A.C., & Vallarta-México, P. (2004). Sustentabilidad, pobreza y turismo ¿Oportunidad o necesidad?. Estudios y Perspectivas en Turismo, 13, 160-173.

Cárdenas-García, P.J., Sánchez-Rivero, M., & Pulido-Fernández, J.I. (2015). Does tourism growth influence economic development? Journal of Travel Research, 54(2), 206-221. https://doi.org/10.1177/0047287513514297

Capanegra, C. A. (2014). Política Turística Argentina (1956-1976): de la agenda social a la agenda económi-ca. In: VI Congresso Latinoamericano de Investigação Turística, Neuquén. Disponível em: <http://170.210.83.98:8080/jspui/bitstream/123456789/510/1/126%20Capanegra.pdf>. Acesso em: 10 nov. 2015.

Castro, M., Molina, J. A. & Pablo, M. P. (2013). Tourism and GDP. A Meta-analysis of Panel Data Studies. Jour-nal of Travel Research, 52 (6), 745-58. https://doi.org/10.1177/0047287513478500

Cimadamore, A. D. (2007). As políticas de produção de pobreza: construindo enfoques teóricos integrados. In: Cimadamore, A. D., & Cattani, A. D. (Org.). Produção de pobreza e desigualdade na América Latina. Porto Ale-gre: Tomo Editorial; CLACSO, 15-36.

Demo, P. (2003). Pobreza da Pobreza. Petrópolis: Vozes.

DFID. (1997). White Paper Eliminating World Poverty: A Challenge for the 21st century. London: HMSO.

Dredge, D., & Lohmann, G. (2012). Tourism in Brazil: Environment, management and segments. Routledge.

Dritsakis, N. (2004). Tourism as a Long-Run Economic Growth Factor: An Empirical Investigation for Greece Using Causality Analysis. Tourism Economics, 10 (3), p. 305-16. https://doi.org/10.5367/0000000041895094

Dritsakis, N. (2012). Tourism Development and Economic Growth in Seven Mediterranean Countries: A Panel Data Approach. Tourism Economics, 18 (4), 801-16. https://doi.org/10.5367/te.2012.0140

Druck, G., & Filgueiras, L. (2007) Política social focalizada e o ajuste fiscal: as duas faces do governo Lula. Katalysis, Florianópolis, 10(1), 24-34. https://doi.org/10.1590/S1414-49802007000100004

Du, D., & Lew, A.A. (2016). Tourism and economic growth. Journal of Travel Research, 55(4), 454-464. https://doi.org/10.1177/0047287514563167

Duménil, G., & Lévy, D. (2013). A crise do neoliberalismo. São Paulo: Boitempo Editorial. https://doi.org/10.4159/harvard.9780674059306

Durbarry, R. (2002). The Economic Contribution of Tourism in Mauritius. Annals of Tourism Research, 29 (3), 862-65. https://doi.org/10.1016/S0160-7383(02)00008-7

Esteva, G. (2000). Desenvolvimento. In: Sachs, W. Dicionário do desenvolvimento: guia para o conhecimento como poder. Petrópolis: Vozes, 59-83.

Eugenio-Martin, J. L., Morales, N. M. & Scarpa, R. (2004). Tourism and Economic Growth in Latin American Countries: A Panel Data Approach. FEEM Working Paper No. 26, Social Science Research Network. http://ssrn.com/abstract=504482 (accessed October 27, 2012).

Faria, D. M. C. P. (2012). Análisis de la capacidad del turismo en el desarrollo económico regional: el caso de Inhotim y Brumadinho. Tese (doutorado) – Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional, Universida-de Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Faria, D. M. C. P., & Hidalgo, M. M. (2013). Turismo y alivio de la pobreza: fundamentos teóricos y evidencias empíricas. In: Gascón, J., Pérez, S. M., & Tresserras, J. (Org.). Cooperación en turismo. Nuevos desafíos, nuevos debates. Barcelona: Foro de Turismo Responsable – Xarxa de Consum Solidari; COODTUR; Universitat Oberta de Catalunya, p. 407-427.

Fennell, D. A. (2006). Tourism Ethics. Clevedon: Channell View.

Fletcher, J., & Archer, B. (1991). The Development and Application of Multiplier Analysis. In: Progress in Tour-ism, Recreation and Hospitality Management, Vol. 1, edited by Chris Cooper. London: Belhaven, 28-47.

Friedman, M. (1977). Capitalismo e liberdade. [sol.]: Arte nova.

Friedman, M., & Friedman, R. (1980). Liberdade de Escolher: o novo Liberalismo Econômi-co. Trad.Ruy Jungmann. Rio de Janeiro: Record, p. 152.

Friedmann, J. (1992). Empowerment. The Politics of Alternative Development. Cambridge: Blackwell.

Furtado, C. (1961). Desenvolvimento e Subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura.

Furtado, C. (1980). Pequena introdução ao desenvolvimento: enfoque interdisciplinar. São Paulo: Editora Nacional.

Furtado, C. (1984). Cultura e desenvolvimento em época de crise. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Garcia, A. (2002). O mal é o que sai da boca do intelectual de esquerda. Disponível em: <http://www.olavodecarvalho.org/convidados/0153.htm>. Acesso em: 9 jun. 2015.

Gil, A.C., Oliva, E.C., & Silva, E.C. (2009). Turismo e regionalidade. Turismo, Visão e Ação, 11(1), 92-111.

Goodwin, H. (1998). Sustainable Tourism and Poverty Elimination. DFID/ Department for the Environment, Transport and the Regions. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2015.

Goodwin, H. (2013). Turismo y reducción de la pobreza. In: Gascón, J., Pérez, S. M. & Tresserras, J. (Org.). Coo-peración en turismo.Nuevos desafíos, nuevos debates. Barcelona: Foro de Turismo Responsable – Xarxa de Consum Solidari; COODTUR; Universitat Oberta de Catalunya, 387-405.

Gunduz, L., & Hatemi-J., A. (2005). Is the Tourism-Led Growth Hypothesis Valid for Turkey? Applied Economics Letters, 499-504. https://doi.org/10.1080/13504850500109865

Hall, C. M., & Jenkins, J. (2004) Tourism and Public Policy. In: Lew, A., Hall, C. M., & Williams, A. (Ed.). A com-panion to tourism. Oxford: Blackwell, 425-540. https://doi.org/10.1002/9780470752272.ch42

Harvey, D. (2004) Espaços de Esperança. São Paulo: Edições Loyola.

Hayek, F. A. (1987). O caminho da servidão. 4. Ed. Rio de Janeiro: Instituto Liberal, p.91.

Hirschman, A. O. (1961). Estratégia do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura.

Hirschman, A. O. (1984). A economia como ciência moral e política. São Paulo: Brasiliense, p.133.

Kim, H. J., Chen, M. H, & Jang, S. C. (2006). Tourism Expansion and Economic Development: The Case of Tai-wan. Tourism Management, 27, 925-93. https://doi.org/10.1016/j.tourman.2005.05.011

Lee, C. C., & Chang, C. P. (2008). Tourism Development and Economic Growth: A Closer Look at Panels. Tour-ism Management, 29 (1), 180-92. https://doi.org/10.1016/j.tourman.2007.02.013

Leguizamón, S. A. (Comp.). (2005). Trabajo y producción de la pobreza em Latino-américa y el Caribe: estruc-tura, discurso y actores. Buenos Aires: CLACSO.

Lima, J., Eusébio, C., & Amorim, C. (2011). Combate à exclusão social através de programas de turismo social para famílias economicamente carenciadas. In: Proceedings of the 1st International Conference on Tourism & Management Studies. Algarve, 639-653.

Malaguti, M. L. (1998). Smith e Hayek, irmandados na defesa das regras do jogo. In: Malaguti, M. L., Carca-nholo, R. & Carcanholo, M. D. (orgs). Neoliberalismo: a tragédia do nosso tempo. São Paulo: Cortez, p. 59.

Mallorquin, C. (2005). Celso Furtado: um retrato intelectual. São Paulo: Xamã; Rio de Janeiro: Contraponto.

Mankiw, N. G., Phelps, E. S., & Romer, P. M. (1995). The growth of nations. Brookings papers on economic activity, 1, 275-326. https://doi.org/10.2307/2534576

Maranhão, C. H., & Azevedo, F. F. (2011). O uso de princípios de turismo pró-pobre como alternativa para políticas que visam ao desenvolvimento local no Rio Grande do Norte. Carpe Diem – Revista Cultural e Cientí-fica da FACEX, Natal, 9(9).

Massidda, C., & Mattana, P. (2013). A SVECM Analysis of the Relationship between International Tourism Arrivals, GDP and Trade in Italy. Journal of Travel Research, 52, 93-105. https://doi.org/10.1177/0047287512457262

Narayan, P. K., Narayan, S., Prasad, A., & Prasad, B. C. (2010). Tourism and Economic Growth: A Panel Data Analysis for Pacific Island Countries. Tourism Economics, 16 (1), 169-83. https://doi.org/10.5367/000000010790872006

Ongan, S., & Demiroz, D. M. (2005). The Contribution of Tourism to the Long-Run Turkish Economic Growth. Ekonomicky Casopis. Journal of Economics, 53, 880-94.

Organização Internacional do Trabalho (OIT). (2011). Manual para a Redução da Pobreza por meio do Turis-mo. Geneva.

Organização Mundial do Turismo (OMT). (2008). Programa ST-EP Turismo Sustentável – Eliminação da pobre-za. Madrid. Disponível em: . Acesso em: 31 jul. 2015.

Ouriques, H. R. (2012). O turismo internacional na economia-mundo capitalista: elementos para uma crítica. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, 34, 147-157. https://doi.org/10.4025/actascihumansoc.v34i2.17005

Pérez, F. J. G., Medina-Muñoz, D. R., & Medina-Muñoz, R. D. (2014). Turismo y alivio de la pobreza: una revi-sión de la literatura académica. Tourism & Management Studies, 10(2), 104-115.

Piketty, T. (2014). O capital no século XXI. Rio de Janeiro: Intrínseca.

Przeworsky, A. (1991). Estado e Economia no Capitalismo. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Reis, M. C. (2006). Desenvolvimento local e espaços sociais ampliados. 161 f. Tese (doutorado). Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Sachs, W. (2000). Introdução. In: Sachs, W. Dicionário do desenvolvimento: guia para o conhecimento como poder. Vozes, Petrópolis 11-17.

Santos, B.S. (2005). Produzir para viver. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Santos, T. S., & Pereira, R. S. (2018). Governança do Turismo no Campo das Vertentes (MG): garantia de de-senvolvimento regional? Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 12(2), 83-111. https://doi.org/10.7784/rbtur.v12i2.1415

Sen, A. (2010). Desenvolvimento como Liberdade. São Paulo: Companhia das Letras.

Sinclair, M. T. (1998) Tourism and Economic Development: A Survey. Journal of Development Studies, 34 (5): 1-51. https://doi.org/10.1080/00220389808422535

Tavares, M.C., & Fiori, J.L. (1993). Ajuste global e modernização conservadora. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Teixeira, A. (2009). Desenvolvimento econômico: a arqueologia do debate e a contribuição original de Celso Furtado. In: 50 anos de Formação Econômica do Brasil: ensaios sobre a obra clássica de Celso Furtado. Rio de Janeiro: Ipea, p.71-92.

Thomas, V., Dailami, M., Dhareshwar, A., Kaufmann, D., Kishor, N., Lopes, R., & Wang, Y. (2002). A qualidade do crescimento. São Paulo: Editora UNESP.

Tomazzoni, E.L. (2007). Turismo e desenvolvimento regional: modelo APL TUR aplicado à região das Hortên-sias (Rio Grande do Sul-Brasil). Tese (doutorado), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Ugá, V. D. (2008). A questão social como “pobreza”: crítica à conceituação neoliberal. Tese (doutorado), Insti-tuto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro – IUPERJ/CIÊNCIA POLÍTICA, Rio de Janeiro.

Uysal, M., & Gitelson, R. (1994). Assessment of Economic Impacts: Festivals and Special Events. Festival Management and Event Tourism, 2(1), p. 3-10. https://doi.org/10.3727/106527094792335791

West, G. R. (1993). Economic Significance of Tourism in Queensland. Annals of Tourism Research, 20 (3), 490-504. https://doi.org/10.1016/0160-7383(93)90005-N

Publicado

2019-05-13

Edição

Seção

Artigos