Comunicação on-line e off-line para marca-país: um estudo exploratório sobre a Marca Brasil

  • Flávio Notomi Kanazawa Universidade de São Paulo
  • Janaina de Moura Engracia Giraldi Universidade de São Paulo
  • Jorge Henrique Caldeira Oliveira Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Comunicação on-line e off-line, Marca Brasil, Visit Brasil, Embratur.

Resumo

A acirrada competição internacional entre destinos turísticos força seus gestores a oferecer a seus públicos propostas de valor únicas, buscando melhorar suas imagens e destacando seus diferenciais e experiências turísticas exclusivas. Nesse processo, a adequada gestão e comunicação de uma marca-país se torna ainda mais relevante. O número cada vez maior de pessoas que utilizam a internet para planejar suas viagens gera nos gestores de marcas-país a preocupação de construir uma sólida atuação digital para suas marcas. Diante desse cenário, este artigo buscou compreender as práticas de gestão e comunicação desenvolvidas para a Marca Brasil e sua forma de atuação na internet. Para tal, foi feita uma pesquisa qualitativa e exploratória que realizou entrevis-tas em profundidade conduzidas de forma semiestruturada com os profissionais da Embratur responsáveis pela gestão da Marca Brasil e sua atuação online. Os resultados deste artigo descrevem os objetivos centrais da marca, suas aplicações e atividades desenvolvidas para atingi-los, dando ênfase às suas atuações através do website Visit Brasil e suas páginas em mídias sociais.

Biografia do Autor

Flávio Notomi Kanazawa, Universidade de São Paulo
Mestre em Administração de Organizações pela FEA-RP/USP
Janaina de Moura Engracia Giraldi, Universidade de São Paulo
Professora Associada do Dep. de Administração da FEA-RP/USP
Jorge Henrique Caldeira Oliveira, Universidade de São Paulo
Professor Associado do Dep. de Administração da FEA-RP/USP

Referências

Adamson, A. P. (2008). Branddigital: simple ways top brands succeed in the digital world. New York, NY: Pal-grave Macmillan.

Anholt, S. (2005). Nation brands index: How does the world see America. Journal of Advertising Research, 45(3), 296-304. https://doi.org/10.1017/S0021849905050336

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo, SP: Edições 70.

Brasil. Perfil de Mercado Estados Unidos 2013. 2014. Disponível em: http://trade.visitbrasil.com. Acesso em: 11 ago. 2018.

Campelo, A., Aitken, R., Thyne, M., & Gnoth, J. (2014). Sense of place: The importance of destination branding. Journal of Travel Research, 53(2), 154-166. https://doi.org/10.1177/0047287513496474

Carvalho, D. T. et al. Experiência em website de marca-país e a formação da imagem de destino turístico: um estudo na Islândia. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, v. 10, n. 1, p. 108-128, 2016. https://doi.org/10.7784/rbtur.v10i1.1019

Castro, M. C., & Giraldi, J. M. E. (2012). Processo de desenvolvimento e gestão de marca-país: um estudo sobre a marca Brasil. Revista Turismo Visão e Ação, 14(2), 164-183.

Chen, C. F., & Tsai, D. C. (2007). How destination image and evaluative factors affect behavorial intentions? Tourism Management, 28(4), 1115-1122. https://doi.org/10.1016/j.tourman.2006.07.007

Diamantopoulos, A., Schlegelmilch, B., & Palihawadana, D. (2011).The relationship between country-of-origin image and brand image as drivers of purchase intentions: A test of alternative perspectives. International Mar-keting Review, 28(5), 508-524. https://doi.org/10.1108/02651331111167624

Fan, Y. (2006). Branding the nation: What is being branded? Journal of Vacation Marketing, 12(1), 5-14. https://doi.org/10.1177/1356766706056633

Fan, Y. (2010). Branding the nation: Towards a better understanding. Place Branding and Public Diplomacy, 6(2), 97-103. https://doi.org/10.1177/1356766706056633

Farias, S. A., Aguiar, E. C., Kovacs, M. H., & Andrade, F. G. (2011). Imagen de los destinos turísticos en los portales gubernamentales: Análisis de tres localidades brasileñas. Estudios y Perspectivas en Turismo, 20(6). Disponivel em: http://www.scielo.org.ar/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1851-17322011000600007. Acesso em: 20 ago. 2018.

Fernández-Cavia, J., Rovira, C., Díaz-Luque, P., & Cavaller, V. (2014). Web Quality Index (WQI) for official tourist destination websites: Proposal for an assessment system. Tourism Management Perspectives, 9, 5-13. https://doi.org/10.1016/j.tmp.2013.10.003

Fetscherin, M. (2010). The determinants and measurement of a country brand: The country brand strength index. International Marketing Review, 27(4), 466-479. https://doi.org/10.1108/02651331011058617

Florek, M. (2005). The country brand as a new challenge for Poland. Place Branding, 1(2), 205-214. https://doi.org/10.1057/palgrave.pb.5990021

Hair, J. F., Jr., Celsi, M. W., Ortinau, D. J., & Bush, R. P. (2014). Fundamentos de pesquisa de marketing (3a ed.). Porto Alegre, RS: McGraw Hill.

Hakala, U., & Lemmetyinen, A. (2011). Co-creating a nation brand “bottom-up”. Tourism Review, 66(3), 14-24. https://doi.org/10.1108/16605371111175294

Hakala, U., Lemmetyinen, A., & Kantola, S. P. (2013). Country image as a nation-branding tool. Marketing Intel-ligence & Planning, 31(5), 538-556. https://doi.org/10.1108/MIP-04-2013-0060

Herstein, R. (2011).Thin line between country, city, and region branding. Journal of Vacation Marketing, 18(2), 147-155. https://doi.org/10.1177/1356766711435976

Hynes, N., Caemmerer, B., Martin, E., & Masters, E. (2014). Use, abuse or contribute! A framework for classify-ing how companies engage with country image. International Marketing Review, 31(1), 79-97. https://doi.org/10.1108/IMR-12-2012-0206

Khauaja, D. M. R., & Hemzo, M. A. (2007). Marca Brasil: Ficção ou realidade? Uma análise das iniciativas da APEX-Brasil para a construção da marca Brasil. INTERNEXT: Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, 2(1), 75-96.

Kotler, P., & Gertner, D. (2004). O estratégico marketing de lugares. Dossiê HSM Management, 44, 62-93.

Malhotra, N. K. (2012). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 6 ed. Porto Alegre: Bookman.

Mariutti, F. G., & Giraldi, J. M. E. (2011). Fundamentos da Marca Brasil: Uma análise da comunicação virtual em websites de agência de turismo. Caderno Virtual de Turismo, 11(1), 60-77.

Ministério do Turismo. (2009). Plano Aquarela 2020: Marketing turístico internacional do Brasil. Disponivel em: http://www.embratur.gov.br/lai_embratur_secom/export/sites/lai/galerias/download/Plano_Aquarela_2020.pdf. Acesso em: 15 ago. 2018.

Morrison, A. M. (2012). Marketing de hospitalidade e turismo. São Paulo, SP: Cengage Learning.

Nadeau, J., Heslop, L., O’Reilly, N., & Luk, P. (2008). Destination in a country image context. Annals of Tourism Research, 35(1), 84-106. https://doi.org/10.1016/j.annals.2007.06.012

Nebenzahl, I. D. (2007, julho). National image and competitive advantage. Resumos do Simpósio Internacio-nal de Administração, 2; Congresso de Administração da ESPM, 4, São Paulo, SP. Disponivel em: http://www2.espm.br/sites/default/files/pagina/palestra_prof_nebenzahl_25jul2007.pdf

Organização Mundial Do Turismo (OMT) (2017). World Tourism Barometer. 2017 International Tourism Re-sults: the highest in seven year. Disponivel em: http://media.unwto.org/press-release/2018-01-15/2017-international-tourism-results-highest-seven-years

Raupp, F. M., Beuren, I. M. (2003). Metodologia de pesquisa aplicável às ciências sociais. In: Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. Beuren, I. M. (Org). São Paulo: Atlas.

Rowles, D. (2014). Digital branding: A complete step-by-step guide to strategy, tactics and measurement. London, United Kingdom: Kogan Page.

Stock, F. (2009). Identity, image and brand: A conceptual framework. Place Branding and Public Diplomacy, 5(2), 118-125. https://doi.org/10.1057/pb.2009.2

The World Bank. Perspectivas Econômicas Globais. Disponivel em: http://www.worldbank.org/pt/publication/global-economic-prospects.

WTTC – World Travel and Tourism Council. Disponivel em: www.wttc.org/

Publicado
28-02-2019
Seção
Artigos